Bispo Auxiliar de Aracaju afirma: STF julgou-se no direito de legislar. Passou por cima da democracia

Esta a balança que rege a democracia no Brasil... Uma lástima!

Esta a balança que rege a democracia no Brasil... Uma lástima!

Da ACI Digital

O STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceu nesta quinta-feira, em decisão unânime, a equiparação da união homossexual à heterossexual, outorgando direitos como pensão, herança e adoção de crianças a casais do mesmo sexo. O presidente do Supremo, Cezar Peluzo, deu o décimo e último voto a favor da união gay após uma sessão de cinco horas. O voto causou a repercussão de representantes da CNBB, em especial de Dom Henrique Soares Costa, bispo de auxiliar de Aracaju que considerou que a atitude do STF foi antidemocrática e vergonhosa.

Segundo o Jornal A Folha de São Paulo, “o artigo 1.723 do Código Civil estabelece a união estável heterossexual como entidade familiar. O que o Supremo fez foi estender este reconhecimento a casais gays”.

Em seu artigo “A arrogância de um judiciário que esnoba a sociedade”, publicado no seu blog “Visão Cristã”, Dom Soares denunciou que “pelo reto ordenamento, a alteração da Constituição compete somente ao Poder Legislativo. Ao Judiciário cabe vigiar pela aplicação plena das leis, sobretudo da Constituição Federal”.

“Ontem, passando por cima do artigo 226 da nossa Carta, o STF jogou na lata do lixo o texto que ele tem por precípua competência salvaguardar! Não se constrói democracia enfraquecendo instituições ou extrapolando competências. Ontem, vergonhosamente, o STF julgou-se no direito de legislar…”, lamentou o prelado.

“Quem poderia introduzir mudanças no artigo 226 da Constituição, alterando a definição de família?”, questionou o bispo. “Somente o Congresso Nacional, que representa o pensar do povo brasileiro. É importante compreender isto: o Legislativo representa o povo e delibera em seu nome (de modo ainda mais específico: os deputados representam o povo brasileiro e os senadores representam os estados da Federação). A confecção e alteração das leis dependem, portanto, do querer da sociedade, da vontade do povo, de quem emana todo poder numa democracia verdadeiramente madura”, asseverou.

“Com a aberração de ontem, o Supremo passou por cima do sentir do povo brasileiro e de seus legítimos representantes. Sem legitimidade alguma, de modo autoritário e arrogante, a Corte Maior, sem ouvir o povo brasileiro – que não é sua competência – julgando-se iluminada por um saber vindo de preconceitos laicistas e de uma visão imanentista totalmente estranha à imensa maioria do nosso povo, arvorou-se no direito de ser luz para os ignorantes congressistas e para o obtuso povo brasileiro”, afirmou Dom Soares.

Falando sobre a questão da união homossexual reconhecida como família, o bispo indica que a Igreja não é contra os homossexuais. Mas, “a Igreja tem o direito e o dever de afirmar claramente aos seus fieis o que é segundo a vontade de Deus e o que é contrário ao seu desígnio. Segundo a revelação divina, somente a relação marital entre homem e mulher faz parte do plano de Deus e é segundo a sua vontade”.

“A vivência marital entre duas pessoas do mesmo sexo é pecado. A Igreja orienta; cada um faça como deseja… Por que, então, a Igreja se opõe à legalização da união homossexual como família? Porque isto destrói o conceito de família: se tudo é família, nada mais é família; seu conceito, sua realidade, ficam totalmente diluídos!”

“A decisão do STF não é motivada pela serena busca do respeito aos direitos humanos, mas pelos cânones ideológicos do politicamente correto. É só. E isto é muito grave!”, conclui Dom Soares.

Antes da decisão do Supremo o representante da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) ante o STF defendeu neste organismo a definição do matrimônio como união entre homem e mulher contemplada na Constituição do país, ante as tentativas por legalizar as uniões homossexuais.

O advogado Hugo Cysneiros falou em nome da CNBB que a “pluralidade tem limites” e recordou que no capítulo sete, a Constituição reconhece explicitamente o matrimônio como “a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar”.

O representante explicou que “o Episcopado não deve trazer seu catecismo a este lugar, mas a pedir bom senso tendo como referência a Constituição”.

Anúncios

3 comentários sobre “Bispo Auxiliar de Aracaju afirma: STF julgou-se no direito de legislar. Passou por cima da democracia

  1. A Igreja sempre deve defender seus principios e não deve se calar quando uma de suas instituições, qual seja, o matrimônio é atacada. Dom Henrique Soares Costa, bispo auxiliar esta de parabéns por dar a voz da Igreja sobre tal embate, e contra-atacar certa ideologia!

  2. É engraçado ver o barro se sentir no direito de determinar o que é a Vontade de Deus. É engraçado ver o barro, alegar que defende os interesses d’Ele. Como se estivessem em um patamar que somente eles podem ser alcançados.

    Ontem eu tive um sonho! No meu sonho, um anjo me perguntava se eu era feliz. Eu disse que sim, que era feliz. Ele então sorriu. Me perguntou em seguida o que eu achava das pessoas me acusavam, me atacavam em nome de Deus e me mostrou uma turba ensandecida e enfurecida. Eu chorei, dizendo a ele que tinha pena da cegueira da ignorância deles.

    O anjo também chorou e me disse que fazia parte da minha iluminação. Que eu deveria ter de conviver com esse tipo de pessoas, que me atacam, que me cospem a face, que me pregam a Cruz. Me disse também que eu não deveria jamais esmoecer, nem contra-ataca-los. Mas ama-los em sua cegueira e suas deficiências. Me disse que eu deveria sempre tomar o exemplo de Cristo quando visse essas pessoas e lembrasse que até mesmo ele foi acusado de toda sorte de palavras vãs.

    Acordei me sentindo muito mais feliz que antes. Liguei para meu namorado e contei a ele o sonho. Ele ficou tão feliz quanto eu fiquei. E hoje em dia, toda vez que vejo alguém me atacando pela minha sexualidade, que não é, nem foi uma escolha minha, apenas um dos muitos desígnios de Deus, eu lembro de Cristo, lembro de como ele sofreu as mesmas coisas. Lembro de tudo que ele passou e tenho mais certeza ainda. Não estou fazendo nada de errado e tenho a benção do Pai.

    Que a paz do Senhor amaine os vossos corações e que vocês se arrependam das palavras torpes com as quais vocês acusam seus irmãos, usando o Nome do Senhor, para justificar vossas ignorâncias.

  3. 1. Cuidado. Lúcifer era um anjo.
    2. Homossexual é filho de Deus.
    3. Homossexualismo é pecado.
    4. Ser filho de Deus não o isenta do erro. Homossexualismo é pecado.
    5. A Igreja condena o homossexualismo. É pecado.
    6. A Bíblia condena o homossexualismo. É pecado.
    7. Existe uma diferença entre condenar a atitude e condenar a pessoa.
    8. É cômodo querer fazer um Deus aos moldes da nossa convicção.
    9. Deus é um. Não foi inventado. Suas palavras estão na bíblia. Ali ele condena o homossexualismo. É pecado!
    10. Sim, somos o barro. Mas quem os condena não é o barro, mas os vossos pecados.

    Pax Domini!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s