Novena de Nossa Senhora Aparecida:: 1º Dia

Oração Inicial
– Meu Deus vinde em meu auxílio.
– Senhor apressai-vos em me socorrer.

Oração ao Divino Espírito Santo
Vinde Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da terra. OREMOS: Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a Luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisa, segundo o mesmo Espírito, e gozemos sempre da Sua consolação, por Cristo Senhor Nosso. Amém!

Oração para todos os dias
Virgem puríssima, concebida sem pecado, e desde aquele primeiro instante toda bela e sem mancha, gloriosa Maria, cheia de graça, Mãe de meu Deus, Rainha dos anjos e dos homens: eu vos saúdo humildemente como Mãe do meu Salvador, que com aquela estima, respeito e submissão, com que vos tratava, me ensinou quais sejam as honras e a veneração que eu devo prestar-vos; dignai-vos, eu vo-lo rogo, de receber as que nesta Novena vos consagro. Vós sois o seguro asilo dos pecadores penitentes, e assim tenho razão para recorrer a vós; sois Mãe de misericórdia, e por este título não podeis deixar de enternecer-vos à vista das minhas misérias; sois depois de Jesus Cristo toda a minha esperança, e por esta razão não podereis deixar de reconhecer a terna confiança que tenho em vós; fazei-me digno de chamar-me vosso filho, para que possa confiadamente dizer-vos: mostrai que sois nossa Mãe!

Primeiro dia
Eis-me aqui aos vossos santíssimos pés, ó Virgem Imaculada! Convosco me alegro sumamente, porque desde a eternidade fostes eleita Mãe do Verbo eterno e preservada da culpa original. Eu bendigo e dou graças à Santíssima Trindade, que vos enriqueceu com este privilégio em vossa Conceição, e humildemente vos suplicamos me alcanceis a graça de vencer os tristes efeitos que em mim produziu o pecado. Ah! Senhor, fazei que eu os vença e jamais deixe de amar a meu Deus.

Jaculatória (ao final de todos os dias)
Senhora Aparecida, milagrosa Padroeira, sede nossa guia nesta mortal carreira! Ó Virgem Aparecida, sacrário do Redentor, daí à alma desfalecida vosso poder e valor. Ó Virgem Aparecida, fiel e seguro norte, alcançai-nos graças na vida, favorecei-nos na morte!

Pai Nosso, Ave-Maria, Glória.
Nossa Senhora Aparecida, Rogai por Nós!

Anúncios

Show Católico :: Adoração e Vida em Osasco

Já era para ter criado esta categoria aqui no blog, afinal de contas desde o ano passado estou inserido na Diocese de Osasco e vez em quando postando coisas da Diocese aqui. Sei que esse blog tem acessos de todo o Brasil e até de fora dele, mas é preciso também trabalhar aqui na nossa Diocese. Por isso foi criado este espaço. E se você deseja divulgar um evento Católico aqui na nossa Diocese, seja show, seja uma Missa de maior porte (festa do padroeiro) ou o que for, enre em contato conosco e mande seu material. Nós divulgaremos!

Pois bem, comecemos com esse belíssimo evento: Dia 15 de novembro, em Osasco teremos o CatolicFest, evento que contará com a presença do Ministério Encontro e do Ministério Adoração e Vida. Mais detalhes você vê abaixo:

Caso você não conheça o Ministério Adoração e vida, segue abaixo uma palhinha para você conhecer. Se você já conhece, assista assim mesmo para se animar e estar conosco no CatolicFest.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Adoração e Vida – LOUVORES ENTOARAO – WALMIR AL…, posted with vodpod

Se você mora em Osasco ou na região do entorno, nos ajude a divulgar este evento que promete!

Dominus Vobiscum

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

O Significado do Tau

Do Blog Paz e Bem
Autor: Frei Vitório Mazzuco, OFM

Há certos sinais que revelam uma escolha de vida. O TAU, um dos mais famosos símbolos franciscanos, hoje está presente no peito das pessoas num cordão, num broche, enfeitando paredes numa escultura expressiva de madeira, num pôster ou pintura. Que escolha de vida revela o TAU? Ele é um símbolo antigo, misterioso e vital que recorda tempo e eternidade. A grande busca do humano querendo tocar sempre o divino e este vindo expressar-se na condição humana.

Horizontalidade e verticalidade. As duas linhas: Céu e Terra! Temos o símbolo do TAU riscado nas cavernas do humano primitivo. Nos objetos do Faraó Achenaton no antigo Egito e na arte da civilização Maia. Francisco de Assis o atualizou e imortalizou. Não criou o TAU, mas o herdou como um símbolo seu de busca do Divino e Salvação Universal.

Tau, sinal bíblico

Existe somente um texto bíblico que menciona explicitamente o TAU, última letra do alfabeto hebraico, Ezequiel 9, 1-7: “Passa pela cidade, por Jerusalém, e marca com um TAU a fronte dos homens que gemem e choram por todas as práticas abomináveis que se cometem”. O TAU é a mais antiga grafia em forma de cruz. Na Bíblia é usado como ato de assinalar. Marcar com um sinal é muito familiar na Bíblia. Assinalar significa lacrar, fechar dentro de um segredo, uma ação. É confirmar um testemunho e comprometer aquele que possui o segredo. O TAU é selo de Deus; significa estar sob o domínio do Senhor, é a garantia de ser reconhecido por Ele e ter a sua proteção. É segurança e redenção, voltar-se para o Divino, sopro criador animando nossa vida como aspiração e inspiração.

O Tau na Idade Média

Vimos o significado salvífico que a letra hebraica do TAU recebe na Bíblia. Mas o TAU tem também um significado extrabíblico, bastante divulgado na Idade Média: perfeição, meta, finalidade última, santo propósito, vitória, ponto de equilíbrio entre forças contrárias. A sua linha vertical significa o superior, o espiritual, o absoluto, o celeste. A sua linha horizontal lembra a expansão da terra, o material, a carne. O TAU lembra a imagem do sustentáculo da serpente bíblica: clavada numa estaca como sinal da vitória sobre a morte. Uma vitória mística, isto é, nascer para uma vida superior perfeita e acabada. É cruz vitoriosa, perfeição, salvação, exorcismo. Um poder sobre as forças hostis, um talismã de fé, um amuleto de esperança usado por gente devota sensível.

O Tau do Penitente

Francisco de Assis viveu em um ambiente no qual o TAU estava carregado de uma grande riqueza simbólica e tradicional. Assumiu para si a marca do TAU como sinal de sua conversão e da dura batalha que travou para vencer-se. Não era tão fácil para o jovem renunciar seus sonhos de cavalaria para chegar ao despojamento do Crucificado que o fascinou. Escolhe ser um cavaleiro penitente: eliminar os excessos, os vícios e viver a transparência simples das virtudes. Na sua luta interior chegou a uma vitória interior. Um homem que viveu a solidão e o desafio da comunhão fraterna; que viveu o silêncio e a canção universal das criaturas; que experimentou incompreensão e sucesso, que vestiu o hábito da penitência, que atraiu vidas, encontrou um modo de marcar as paredes de Santa Maria Madalena em Fontecolombo, de assinar cartas com este sinal. De lembrar a todos que o Senhor nos possui e nos salva sob o signo do TAU.

O Tau Franciscano

O TAU franciscano atravessa oito séculos sendo usado e apreciado. É a materialização de uma intuição. Francisco de Assis é um humano que se move bem no universo dos símbolos. O que é o TAU franciscano? É Verdade, Palavra, Luz, Poder e Força da mente direcionada para um grande bem. Significa lutar e discernir o verdadeiro e o falso. É curar e vivificar. É eliminar o erro, a mentira e todo o elemento discordante que nega a paz. É unidade e reconciliação. Francisco de Assis está penetrado e iluminado, apaixonado e informado pela Palavra de Deus, a Palavra da Verdade. É um batalhador incansável da Paz, o Profeta da Harmonia e Simplicidade. É a encarnação do discernimento: pobre no material, vencedor no espiritual. Marcou-se com este sinal da luz, vida e sabedoria.

O Tau como ideal

No mês de novembro de 1215, o Papa Inocêncio III presidia um Concílio na Igreja Constantiniana de Roma. Lá estavam presentes 1.200 prelados, 412 bipos, 800 abades e priores. Entre os participantes estavam São Domingos e São Francisco. Na sessão inaugural do Concílio, no dia 11 de novembro, o Papa falou com energia, apresentou um projeto de reforma para uma Igreja ferida pela heresia, pelo clero imerso no luxo e no poder temporal. Então, o Papa Inocêncio III recordou e lançou novamente o signo do TAU de Ezequiel 9, 1-7. Queria honrar novamente a cristandade com um projeto eclesial de motivação e superação. Era preciso uma reforma de costumes. Uma vida vivida numa dimensão missionária mais vigorosa sob o dinamismo de uma contínua conversão pessoal. São Francisco saiu do Concílio disposto a aceitar a convocação papal e andou marcando os irmãos com o TAU, vibrante de cuidado, ternura e misericórdia aprendida de seu Senhor.

O Tau nas fontes franciscanas

Os biógrafos franciscanos nos dão testemunhos da importância que São Francisco dava ao TAU: “O Santo venerava com grande afeto este sinal”, “O sinal do TAU era preferido sobre qualquer outro sinal”, “O recomendava, freqüentemente, em suas palavras e o traçava com as próprias mãos no rodapé das breves cartas que escrevia, como se todo o seu cuidado fosse gravar o sinal do TAU, segundo o dito profético, sobre as fontes dos homens que gemem e lutam, convertidamente a Jesus”, “O traçava no início de todas as suas ações”, “Com ele selava as cartas e marcava as paredes das pequenas celas” (cf. LM 4,9; 2,9; 3Cel 3). Assim Francisco vestia-se da túnica e do TAU na total investidura de um ideal que abriu muitos caminhos.

Tau, sinal da cruz vitoriosa

Cruz não é morte nem finitude, mas é força transformante; é radicalidade de um Amor capaz de tudo, até de morrer pelo que se ama. O TAU, conhecido como a Cruz Franciscana, lembra para nós esta deslumbrante plenitude da Beleza divina: amor e paz. O Deus da Cruz é um Deus vivo, que se entrega seguro e serenamente à mais bela oferenda de Amor. Para São Francisco, o TAU lembra a missão do Senhor: reconciliadora e configuradora, sinal de salvação e de imortalidade; o TAU é uma fonte da mística franciscana da cruz: quem mais ama, mais sofre, porque muito ama, mais salva. Um poeta dos primeiros tempos do franciscanismo conta no “Sacrum Comercium”, a entrega do sinal do TAU à Dama Pobreza pelo Senhor Ressuscitado, que o chama de “selo do reino dos céus”. À Dama Pobreza clamam os menores: “Eia, pois, Senhora, tem compaixão de nós e marca-nos com o sinal da tua graça!” (SC 21,22).

O Tau e a benção

Francisco se apropriou da bênção deuteronômica, transcreveu-a com o próprio punho e deu a Frei Leão: “Que o Senhor te abençoe e te guarde. Que o Senhor mostre a tua face e se compadeça de ti. Que o Senhor volva o teu rosto para ti e te dê a paz. Irmão Leão; o Senhor te abençoe!” Sob o texto da bênção, o próprio Frei Leão fez a seguinte anotação: “São Francisco escreveu esta bênção para mim, Irmão Leão, com seu próprio punho e letra, e do mesmo modo fez a letra TAU como base”. Assim, Francisco, num profundo momento de comunicação divina, com delicadeza paternal e maternal, abençoa seu filho, irmão, amigo e confidente. Abençoar é marcar com a presença, é transmitir energias que vêm da profundidade da vida. O Senhor te abençoe!

O Tau e a cura dos enfermos

No relato de alguns milagres, conta-se que Francisco fazia o sinal da cruz sobre a parte enferma dos doentes. Após ter recebido os estigmas no Monte Alverne, Francisco traz em seu corpo as marcas do Senhor Crucificado e Ressuscitado. Marcado pelo Senhor, imprime a marca do Senhor que salva em tudo o que faz. Conta-nos um trecho das Fontes Franciscanas que um enfermo padecia de fortes dores; invoca Francisco e o santo lhe aparece e diz que veio para responder ao seu chamado, que traz o remédio para curá-lo. Em seguida, toca-lhe no lugar da dor com um pequeno bastão arrematado com o sinal do TAU, que traz consigo. O enfermo ficou curado e permaneceu em sua pele, no lugar da dor, o sinal do TAU (cf. 3Cel159). O Senhor identifica-se com o sofrimento de seu povo. Toma a paixão do humano e do mundo sobre si. Afasta a dor e deixa o sinal de Amor.

A cor do Tau

O TAU, freqüentemente, é reproduzido em madeira, mas quando, pintado, sempre vem com a cor vermelha. O Mestre Nicolau Verdun, num quadro do século XII, representa o Anjo Exterminador que passa enquanto um israelita marca sobre a porta de sua casa um TAU com o Sangue do Cordeiro Pascal que se derrama num cálice. O Vermelho representa o sangue do Cordeiro que se imola para salvar. Sangue do Salvador, cálice da vida! Em Fontecolombo, Francisco deixou o TAU grafado em vermelho. O TAU pintado na casula de Frei Leão no mural de Greccio também é vermelho. O pergaminho escrito para Frei Leão no Monte Alverne, marca em vermelho o Tau que assina a bênção. O Vermelho é símbolo da vida que transcende, porque se imola pelos outros. Caminho de configuração com Jesus Crucificado para nascer na manhã da Ressurreição.

O Tau na linguagem

O TAU é a última letra do alfabeto judaico e a décima nona letra do alfabeto grego. Não está aí por acaso; um código de linguagem reflete a vivência das palavras. O mundo judaico e, conseqüentemente, a linguagem bíblica mostram a busca do transcendente. É preciso colocar o Deus da Vida como centro da história. É a nossa verticalidade, isto é, o nosso voltar-se para o Alto. O mundo grego nos ensinou a pensar e perguntar pelo sentido da vida, do humano e das coisas. Descobrir o significado de tudo é pisar melhor o chão, saber enraizar-se. É a nossa horizontalidade. A Teologia e a Filosofia são servas da fé e do pensamento. Quem sabe onde está parte para vôos mais altos. É como o galho de pessegueiro, cortado em forma de tau é usado para buscar veios d’água. Ele vibra quando a fonte aparece cheia de energia. Coloquemos o tau na fonte de nossas palavras!

O Tau, o cordão e os três nós

Em geral, o Tau pendurado no pescoço por um cordão com três nós. Esse cordão significa o elo que une a forma de nossa vida. O fio condutor do Evangelho. A síntese da Boa Nova são os três conselhos evangélicos=obediência, pobreza, pureza de coração. Obediência significa acolhida para escutar o valor maior. Quem abre os sentidos para perceber o maior e o melhor não tem medo de obedecer e mostra lealdade a um grande projeto. Pobreza não é categoria econômica de quem não tem, mas é valor de quem sabe colocar tudo em comum. Ser pobre, no sentido bíblico-franciscano, é a coragem da partilha. Ser puro de coração é ser transparente, casto, verdadeiro. É revelar o melhor de si. Os três nós significam que o obediente é fiel a seus princípios; o pobre vive na gratuidade da convivência; o casto cuida da beleza do seu coração e de seus afetos. Tudo isto está no Tau da existência!

Usar o Tau é lembrar do Senhor

Muita gente usa o Tau. Não é um amuleto, mas um sacramental que nos recorda um caminho de salvação que vai sendo feito ao seguir, progressivamente, o Evangelho. Usar o TAU é colocar a vida no dinamismo da conversão: Cada dia devo me abandonar na Graça do Senhor, ser um reconciliado com toda a criatura, saudar a todos com a Paz e o Bem. Usar o TAU é configurar-se com aquele que um dia ilumina as trevas do nosso coração para levar-nos à caridade perfeita. Usar o TAU é transformar a vida pela Simplicidade, pela Luz e pelo Amor. É exigência de missão e serviço aos outros, porque o próprio Senhor se fez servo até a morte e morte de Cruz.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Evangelho do Dia:: Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas

Naquele tempo, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-O em sua casa. Tinha ela uma irmã, chamada Maria, a qual, sentada aos pés do Senhor, escutava a sua palavra. Marta, porém, andava atarefada com muitos serviços; e, aproximando-se, disse: Senhor, não te preocupa que a minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar. O Senhor respondeu-lhe: Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada. (S. Lucas 10,38-42)

Comentário do Evangelho do dia feito por São Tomás Moro (1478-1535), estadista inglês, mártir

Depois de recebermos Nosso Senhor na Eucaristia e O termos presente no nosso corpo, não havemos de O deixar só e de nos ocuparmos doutras coisas sem fazer mais caso d’Ele […], mas de ter n’Ele todo o nosso sentido. Dirijamo-nos a Ele com ferventes preces e convivamos com Ele em fervente meditação. Digamos como o profeta: Escutarei o que diz o Senhor dentro de mim (Sl 85(84),9). Assim, […] se Lhe dermos toda a nossa atenção, Ele não deixará de pronunciar, no mais íntimo do nosso ser, esta ou aquela palavra e com ela nos proporcionar grande conforto espiritual e proveito para a nossa alma. Sejamos, ao mesmo tempo, Marta e Maria. Como Marta, façamos de tal sorte que toda a nossa atividade exterior a Ele se restrinja e consista em acolhê-Lo como devemos: primeiro a Ele, e de seguida a cada um dos que O acompanham — a todos aqueles que não são apenas Seus discípulos, mas Ele próprio: Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes (Mt 25,40). […] Esforcemo-nos, pois, por conservar o nosso Hóspede. Digamos-Lhe, como os dois discípulos ao entrar no povoado de Emaús, “Fica conosco, [Senhor]” (Lc 24,29). Então, com toda a certeza, não Se afastará mais de nós, a não ser que O rejeitemos com a nossa própria ingratidão.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre a concepção de Cristo:: Maria poderia ter dito não?

Essa é uma pergunta que muita gente se fez ou se faz vez outra: Maria poderia ter dito não?

Precisamos ter em conta essa resposta. Precisamos enxergar Nossa Senhora também tendo como ponto de partida o seu sim. Digo isso porque muito se fala do “Sim” de Maria. Foi a resposta mais bela que um ser humano poderia ter dado a Deus. Mas o Catecismo da Igreja nos ensina que Maria poderia ter dito “Não”. Maria não fora obrigada por Deus a dizer sim. Deus nunca obriga ninguém a nada, até porque Ele nos deu o livre arbítrio. Deus esperou a resposta de Maria, mesmo sendo ela, pensada por Deus desde a eternidade. Nos conta os evangelhos, sobretudo o evangelho de São Lucas que Maria era uma jovem, ainda virgem, mas já esposada a José.

Por isso podemos dizer que Maria tinha uma vida já estabelecida. Estava com seu futuro planejado. Estava com sua vida resolvida. Mas ao dizer sim, ela tinha noção de que a sua vida mudaria. Ela fora pensada por Deus desde a eternidade como vimos anteriormente. Mas Deus quis o seu sim de forma livre:

Quis o Pai das misericórdias que a Encarnação fosse precedida pela aceitação daquela que era predestinada a ser Mãe de seu Filho, para que, assim como uma mulher contribuiu para a morte, uma mulher também contribuísse para a vida. (CIC§488)

Lendo este trecho do Catecismo da Igreja Católica, fiquei pensando: Como Deus elabora um plano de salvação desde a eternidade, e coloca em risco todo esse plano por causa da resposta de um ser humano?

Uma vez eu ouvi um sacerdote dizer (nunca lembro os nomes dos sacerdotes.. rss) que Deus nos ama tanto que arrisca tudo. Deus acredita tanto em nós que sua confiança chega até esse ponto. Graças a Deus que a confiaça de Deus na Santíssima Virgem Maria não foi em vão. Veja que a cada descoberta que fazemos no Catecismo, conseguimos perceber o amor de Deus.

E precisamos sempre lembrar desse sim. Esse sim é para ser festejado, celebrado, comemorado. Foi um sim livre que mudou a vida daquela jovem. Aquele sim, foi um abdicar de uma vida, para que se faça a vontade de Deus. Foi um sim de amor. Não foi um sim coagido, obrigado. Foi um sim na liberdade. É preciso sempre recordar esse sim, sobretudo quando Deus nos chamar. Maria disse o sim dela. Nós precisamos dizer o nosso sim.

Portanto, nunca poderemos esquecer:

1. Maria fora pensada por Deus desde a eternidade;
2. O sim de Maria foi um livre, porque Jesus nos faz livres.
3. Maria não pode ser comparada a nenhum ser humano.

Pax Domini

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre a concepção de Cristo:: E Deus pensou na Virgem Maria…

“Deus enviou Seu Filho” (Gl 4,4), mas, para “formar-lhe um corpo” quis a livre cooperação de uma criatura. Por isso, desde toda a eternidade, Deus escolheu, para ser a Mãe de Seu Filho, uma filha de Israel, uma jovem judia de Nazaré na Galiléia, “uma virgem desposada com um varão chamado José, da casa de Davi, e o nome da virgem era Maria” (Lc 1,26-27) (CIC§488)

Gosto desse parágrafo do Catecismo. Sobretudo desse Termo: Deus quis. E o que dizer do querer de Deus? Quando Deus quer, Ele quer e pronto. Aqui em São Paulo repetimos muitas vezes o versículo: Agindo Deus, que o impedirá? (Is 43,13)

E é nesse espírito que precisamos pensar. A encarnação do Verbo poderia ser de milhares de maneiras diferentes. Mas como diz o Catecismo, Deus quis assim. Por isso podemos dizer sem medo: Deus quis Maria. Deus, o Supremo Criador, quis que num determinado tempo, num determinado local, em meio a um determinado povo, o Seu Filho se fizesse homem. Agora, pense comigo: Se Deus escolheu o tempo, o lugar, o povo, porque não teria escolhido a pessoa?

Estou escrevendo isso, para que você saiba Maria não foi escolhida por acaso para ser a Mãe de Deus, como tantas vezes alguns dos nossos irmãos “ditos” protestantes querem insinuar. Deus pensou em Maria. E isso faz dela uma criatura especial. Muito especial. Porque como disse antes, nenhuma outra criatura teve nas suas entranhas o Filho de Deus. Maria teve.

Podemos comparar Abraão a Maria? Não.
Podemos comparar Moisés a Maria? Não.
Podemos comparar os profetas a Maria? Não.

Porque?

Porque nenhum deles teve o Filho de Deus em seu ventre. Maria é única e incomparável. Ela fora pensada por Deus, querida por Deus desde toda a eternidade. Muitas vezes se fala dos feitos de Moisés, Abraão, Isaac, Jacó e outros… Falam que foram escolhidos por Deus e falam dos seus atos. No entanto ao falar da Virgem Maria, tratam-na como uma mulher qualquer, como se qualquer mulher pudesse ter no seu ventre o Filho de Deus. Maria não é Deusa. Maria não é a quarta pessoa da trindade. Maria é uma mulher escolhida por Deus para gerar o Salvador. E isso, é digno de honra. Isso é digno de respeito de nossa parte, para com Ela. Portanto irmãos, nunca coloquemos a Santíssima Virgem Maria em outro lugar que não seja o dela. Ela é a mais santa criatura que já existiu. Ela foi pensada e querida por Deus. Ela merece destaque em todos os altares e em nossos corações.

Regina Caeli, laetáre, allelúia;
Quia quem meruísti portáre, allelúia;
Ressurréxit, sicut dixit, allelúia…

Pax Domini

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre a concepção de Cristo:: O Espírito que precede o Cristo, também precede nossa missão!

Ao ser concebido como homem no seio da Virgem Maria, o Filho Único do Pai é “Cristo”, isto e, ungido pelo Espirito Santo desde o início de sua existência humana, ainda que sua manifestação só se realize progressivamente: aos pastores, aos magos, a João Batista, aos discípulos. Toda a Vida de Jesus Cristo manifestará, portanto, “como Deus o ungiu com o Espírito e com poder” (At 10,38). (CIC§486)

Tem sido muito valioso para mim esse estudo que fazemos, pois a riqueza dos textos, maneira com que o Catecismo vai apresentando as realidades da nossa alma e da nossa fé, vai nos fazendo perceber todo o contexto da nossa história de salvação, e como ela se repete no nosso ministério do dia a dia. Hoje, nesse trecho, o catecismo vai nos apresentar o crescimento progressivo da ação do Espírito Santo, que vai da concepção até os dias de hoje. Sabemos que o Espírito Santo tem sido nos dias de hoje um papel fundamental na História da Salvação. Mas o que o catecismo vem nos ensinar é que esse papel foi acontecendo de forma progressiva.

Se você for analisar a história da salvação, você vai perceber que primeiro, Deus Pai se apresentou aos homens. Depois Ele envia seu Filho (2ª pessoa da trindade). Ao enviar o Filho, Deus já começa a mostrar sutilmente o Espírito Santo. Primeiro concebendo o Filho. Depois, Ele vai progressivamente, de acordo com a missão do filho se mostrando. Certa vez eu ouvi um sacerdote dizer (infelizmente não me recordo o nome e nem o local) que todos os milagres que o Cristo realizou, fora por intermédio do poder do Espírito Santo. Como vocês bem sabem eu não sou teólogo, mas creio que isso faça um certo sentido, porque se Jesus disse que faríamos obras maiores do que as dele, certamente não era por mérito do nosso poder, mas pelo poder do Espírito Santo. E isso se mostra muito real, dentro da realidade dos movimentos carismáticos, como por exemplo a RCC, onde pessoas através dos dons carismáticos recebem curas e tem suas vidas transformadas pela ação do Espírito Santo.

O Espírito Santo “precede” o ministério de Jesus Cristo. E eu creio que o fato do Espírito Santo preceder o Cristo, vem nos mostrar que, se fizermos verdadeiramente a nossa missão e o nosso ministério, o Espírito também nos precederá, e nos dará a unção e o poder que vem do alto para que a nossa missão se realize.

Pax Domini

Siga-nos e fique por dentro das novidades: