Estudo: O Amor que vem da cruz:: Ser cristão é ir até o fim!

O desposar o desígnio de amor redentor de seu Pai anima toda a vida de Jesus pois sua Paixão redentora é a razão de ser de sua Encarnação: “Pai, salva-me desta hora. Mas foi precisamente para esta hora que eu vim” (Jo 12,27). “Deixarei eu de beber o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18,11). E ainda na cruz, antes que tudo fosse “consumado” (Jo 19,30), ele disse: “Tenho sede” (Jo 19,28). (Cat§ 607)

O Amor do Pai pelo Filho e do Filho pelo Pai pode ser visto claramente na crucificação de Jesus. Para os judeus, a cruz era a pior morte para um ser humano. Ficar pendurado no madeiro, com furos nas mãos e nos pés, esperando a vida se esvair lentamente, sentindo sono e fome não era algo agradável de ver, nem simples de fazer.

Porém ao encarar a cruz, Jesus Cristo nos mostra que quando é por amor, qualquer sacrifício é possível. Ele foi até o fim por Amor ao Pai em primeiro plano, e depois por amor a nós.

Mas o amor que o Filho de Deus tinha por maior que seja não exime a dor e sofrimento que lhe foi imposto. Foi muita dor. Muito sofrimento. Muito sangue.

E o pior de tudo é que Jesus sabia de tudo que Ele iria viver. Ele sabia do peso que iria carregar. É como quando nós sabemos que precisamos encarar uma situação difícil. Queremos em um primeiro plano nos esquivar dela. Porém devido às pessoas envolvidas e a um senso de responsabilidade que brota dentro de nós, mesmo sabendo do sofrimento nós encaramos e seguimos.

Penso que é numa hora como essa que percebemos a maturidade do ser humano: A hora de encarar um problema de frente. Os imaturos fogem. Somente a pessoa que atinge certa maturidade encara o problema de frente. Ser cristão é ser como Cristo que encara a situação de frente e por amor vai até o fim. Quem não tem essa maturidade, ainda não entende com plenitude o cristianismo.

Isso é importante nos dias de hoje onde as pessoas fogem de seus problemas e se refugiam na bebida, na droga, no sexo desenfreado, nas banalidades da vida. Não sei, mas acredito que nunca tivemos uma sociedade tão imatura quanto essa que vive a síndrome do Peter Pan: Nunca quer crescer, ser adulta.

É comum vermos pessoas com uma idade cronológica mais avançada agindo como moleques, fugindo de problemas, se refugiando em um fantástico mundo de Bob. O mundo se acabando e a pessoa vivendo no ilusório castelo da Barbie. Tudo é rosa e lindo…

Encarar o problema de frente é amor. Aliás, esse é o verdadeiro amor. Enfrentar os problemas por amor a Deus, a si mesmo e aos irmãos envolvidos. Por isso no dia de hoje se você tiver uma situação difícil para resolver, uma conversa séria para ser conversada, uma atitude que mesmo sendo sofrida vai resolver algo, não fuja, mas resolva, converse e faça o que precisa ser feito.

É lógico que tudo deve ser feito com amor. Mas precisa ser feito. Se você não tem muita facilidade com essas coisas, é importante rezar antes, como Jesus fazia, pedir forças, sabedoria, coragem… Mas repito: Não fuja da sua cruz, porque só encarando ela, você terá a ressurreição.

A vida nova nasce sempre da dor. Não é assim o momento da gravidez? Dói, mas depois vem a nova vida e como é linda! Por isso segue em frente. Como diz um amigo: Mate a bola no peito, chame o jogo pra si e faça aquela jogada. Vindo a vitória festeje, pois ela é tua!

Isso sim é cristianismo verdadeiro!

Pax Domini 

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

  

AVISO:: Estamos assumindo aqui no blog Dominus Vobiscum uma campanha de oração pela Jornada Mundial da Juventude. A proposta é que todo católico reze um terço por dia de hoje até o evento que acontecerá em 2013 no Rio de Janeiro. Você topa o desafio?