Dicas para viver bem a Quaresma:: Faça um bom propósito

 

Conversão é algo para uma vida inteira. Ninguém consegue mudar sua vida da noite para o dia. Claro que depois que experimentamos o amor de Cristo, temos uma mudança radical que aparentemente pode nos trazer a impressão de estarmos 100% convertidos.

Porém com o passar do tempo, percebemos que é necessário, mesmo depois de encontrar com Jesus, reparar certas arestas, certos vícios que ainda custam a permanecer em nós. É comum encontrarmos em nossas paróquias, pessoas que apesar de ter uma boa caminhada na fé, ainda lutam para vencer seus velhos pecados.

É loucura querer mudar todos os vícios da alma de uma vez só. Talvez seja esse o motivo de muitas pessoas começarem uma caminhada de ascese e pararem no meio do caminho. Conversão é uma batalha para a vida inteira.

Por isso, eu aprendi que sempre que começa a quaresma, é bom colocar em oração um bom propósito, algo que você precisa vencer. É salutar a luta e o empenho pessoal para transformar um vício que trazemos em uma virtude. Só lembrando que virtude se cria praticando um bom hábito várias vezes até que ele se torne natural em você.

2ª  Dica :: Faça um bom propósito

Em oração, olhe para dentro de você, e percebendo seus defeitos veja um deles para você oferecer ao Senhor como um bom propósito de mudança. É importante que seja uma meta apenas para toda a quaresma. Quanto menos propósitos você faz, mais fácil fica para você se concentrar no que você escolheu. Se na oração você identificou que você precisa parar de falar mal das pessoas, ofereça em oração como propósito da quaresma falar menos e quando falar só falar o bem. Se você percebe que é impaciente, ofereça em oração como propósito da quaresma ser mais paciente com as pessoas. Se você costuma gritar com as pessoas, ofereça o silêncio. Se você se deixa abater pela tristeza, ofereça um esforço para sorrir mais. E assim por diante.

No mais, basta estar atento para as situações que o Senhor colocará para que você consiga exercitar esse bom propósito. Eu creio que com o fim desses quarenta dias, se você não vencer esse vício, certamente ele perderá forças dentro de você. Eu consegui algumas mudanças assim. Se funcionou comigo, certamente vai funcionar com você também.

Boa quaresma para você!

Veja também:: Dicas para viver bem a Quaresma:: Silêncio interior

Livro Maria Sempre Virgem e SantaVeja também o novo livro do Cadu (Administrador do Blog Dominus Dominus Vobiscum): Maria Sempre Virgem e Santa. Nele você vai encontrar ensinamentos seguros da doutrina da Igreja a respeito da Santíssima Virgem Maria, além das orações mais tradicionais da nossa Igreja à Virgem Mãe de Deus. Vendas apenas pela internet nos sites Clube de Autores e Agbook. Um livro para quem deseja ser mais íntimo de Nossa Senhora.

 

Anúncios

Conselhos espirituais para vencer a tristeza – Escritos de Evágrio Pôntico

Um dos oito males do corpo que o Monge Evágrio Pôntico nos mostra nos seus escritos é a tristeza. Um cristão não pode ser triste, pois o Senhor se fez homem, e se deu na cruz para que fôssemos alegres. De fato, a tristeza matou a muitos e não pode, de forma alguma, ser triste um coração que ama a Cristo. Quero convidar você a ler este texto e meditar sobre ele. E depois você pode comentar a respeito. Que tal?

O monge atingido pela tristeza não conhece o prazer espiritual; a tristeza abate a alma e se forma a partir dos pensamentos da ira. O desejo de vingança, com efeito, é próprio da ira; o fracasso da vingança gera a tristeza; a tristeza é a boca do leão e facilmente devora aquele que se entristece. A tristeza é um glutão de coração e se alimenta da mãe que o gerou. Sofre a mãe quando dá à luz um filho; porém, esta, tendo dado à luz, se vê livre da dor. A tristeza, ao contrário, enquanto é gerada, provoca fortes dores e, sobrevivendo, após o esforço, não traz sofrimentos menores. O monge triste não conhece a alegria espiritual, como aquele que acometido por forte febre não reconhece o sabor do mel. O monge triste não saberá como manter a mente na contemplação, nem brota nele uma oração pura: a tristeza impede todo o bem. Ter os pés amarrados impede a corrida; assim é a tristeza: um obstáculo para a contemplação. O prisioneiro dos bárbaros está preso com correntes; a tristeza amarra aquele que é prisioneiro das paixões. Na ausência de outras paixões, a tristeza não tem força, assim como não tem força uma corda se lhe faltar quem amarre. Aquele que está atado pela tristeza é vencido pelas paixões e, como prova de sua derrota, vem acrescentada a atadura. Efetivamente, a tristeza deriva da falta de êxito do desejo carnal, porque o desejo é co-natural a todas as paixões. Quem vence o desejo, vence as paixões; e o vencedor das paixões não será submetido pela tristeza. O moderado não se entristece pela falta de alimentos, nem o sábio quando é atacado por um lapso de memória, nem o manso que renuncia a vingança, nem o humilde que se vê privado da honra dos homens, nem o generoso que sofre uma perda financeira; com efeito, eles evitam, com força, o desejo destas coisas, como efetivamente aquele que corajosamente rejeita os golpes. Assim, o homem carente de paixões não é ferido pela tristeza.

O escudo é a segurança do soldado e os muros são a proteção da cidade; mais seguro que ambos é, para o monge, a paz interior. De fato, freqüentemente uma flecha lançada por um braço forte traspassa o escudo e a multidão de inimigos abate os muros, enquanto que a tristeza não pode prevalecer sobre a paz interior. Aquele que domina as paixões se tornará senhor sobre a tristeza, enquanto que quem foi vencido pelo prazer não se desatará das suas ataduras. Aquele que se entristece facilmente e simula uma ausência de paixões é como o doente que finge não estar enfermo; assim como a enfermidade se revela pela vermelhidão, a presença de uma paixão se demonstra pela tristeza. Aquele que ama o mundo se verá muito afligido, enquanto que aqueles que desprezam o que há nele serão felizes para sempre. O ávaro, ao receber algo ruim, se verá extremamente entristecido, enquanto que aquele que despreza as riquezas estará sempre livre da tristeza. Quem busca a glória, ao chegar a desonra, se verá em dores, enquanto que o humilde a acolherá como que a um companheiro. O forno purifica a prata impura e a tristeza perante Deus livra o coração do erro; a fusão contínua empobrece o chumbo e a tristeza em razão das coisas do mundo diminui o intelecto. A névoa diminui o poder dos olhos e a tristeza embrutece a mente dedicada à contemplação; a luz do sol não chega aos abismos marinhos e a visão da luz não ilumina o coração entristecido; doce é para todos os homens o nascer do sol, porém também isto desagrada a alma entristecida; a coceira elimina o sentido do gosto tal como a tristeza subtrai da alma a capacidade de percepção. Porém, aquele que despreza os prazeres do mundo não se verá perturbado pelos maus pensamentos da tristeza.

Talvez você esteja vivendo isso que o Santo Monge nos falou. Talvez a tristeza possa estar impedindo a sua oração de ser pura, perfeita e constante. Talvez você tenha buscado demasiadamente saciar os prazeres e desejos que sua carne clama e por causa da falta de sucesso desta busca só encontrou tristeza. Quantas vezes eu não vivi essa realidade? Quantas vezes a tristeza não me abateu? É preciso viver na alegria. Quem precisa de menos, se alegra com mais facilidade. A alegria verdadeira é fruto de um coração desprendido das coisas, e ligado a Deus. Agora faço essa pergunta a você: Você tem se deixado abater pela tristeza?

Fonte: Veritatis Splendor

Veja também:: Exame de consciência para uma boa confissão | Gula ou Gastrimargia – Escritos de Evágrio Pôntico | Luxúria – Escritos de Evágrio Pôntico | A ira – Escritos de Evágrio Pôntico

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

  

Evangelho do Dia:: A força poderosa da Oração

Evangelho Quotidiano

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Pedi, e ser-vos-á dado; procurai, e encontrareis; batei, e hão-de abrir-vos. Pois, quem pede, recebe; e quem procura, encontra; e ao que bate, hão-de abrir. Qual de vós, se o seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, se lhe pedir peixe, lhe dará uma serpente? Ora bem, se vós, sendo maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o vosso Pai que está no Céu dará coisas boas àqueles que lhas pedirem. Portanto, o que quiserdes que vos façam os homens, fazei-o também a eles, porque isto é a Lei e os Profetas. (Mt 7,7-12)

Comentário feito por São João Crisóstomo (c. 345-407), presbítero em Antioquia, depois bispo de Constantinopla, Doutor da Igreja

A oração é uma arma poderosa, um tesouro indestrutível, uma riqueza inesgotável, um porto ao abrigo das tempestades, um reservatório de calma; a oração é a raiz, a fonte e a mãe de bens consideráveis. […] Mas a oração de que falo não é medíocre nem negligente; é uma oração ardente, que brota do sofrimento da alma e do esforço do espírito. Eis a oração que sobe aos céus. […] Escuta o que diz o escritor sagrado: Ao Senhor, no meio da angústia, eu clamo e Ele me ouve (Sl 119,1). Aquele que ora assim na sua angústia poderá, após a oração, desfrutar na sua alma de uma grande alegria. […]

Por oração entendo não aquela que se encontra apenas na boca, mas a que brota do fundo do coração. Como as árvores cujas raízes estão profundamente enterradas não se quebram nem são arrancadas mesmo que os ventos desencadeiem mil assaltos contra elas, porque a suas raízes estão fortemente presas nas profundezas da terra, também as orações que vêm do fundo do coração, assim enraizadas, sobem ao céu com toda a segurança e não são desviadas por nenhum pensamento de falta de segurança ou de mérito. É por isso que o salmista diz: Do fundo do abismo, clamo a vós, Senhor (Sl 129,1). […]

Se o fato de contares aos homens os teus infortúnios pessoais e descreveres as provações por que passaste traz algum alívio à tua desventura, como se através das palavras se exalasse uma brisa refrescante, com muito mais razão se falares ao Senhor dos sofrimentos da tua alma encontrarás consolo e conforto em abundância! De facto, muitas vezes os homens dificilmente suportam aqueles que vêm lamentar-se e chorar para o pé de si: afastam-se e repelem-nos. Mas Deus não age assim; pelo contrário, Ele faz com que te aproximes e abraça-te; e mesmo que passes o dia inteiro a narrar os teus infortúnios, ficará ainda mais disposto a amar-te e a acolher favoravelmente as tuas súplicas.

Veja também:: Exame de consciência para uma boa confissão

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

  

Dicas para viver bem a Quaresma:: Silêncio interior

Que a quaresma é um tempo propício para a conversão, todo mundo está cansado de saber. Entra ano e sai ano, e os sacerdotes continuam ensinando ao povo essa verdade. Porém é triste perceber que muitos católicos passam pela quaresma como se nada estivesse acontecendo e assim sendo, perdem a oportunidade sair dela sendo cristãos melhores.

Porém é fato: Muita gente deseja aproveitar esse tempo e não sabe por onde começar. As vezes falamos muito para as pessoas que é necessário caminhar mas esquecemos de apontar caminhos. Por isso resolvi postar aqui algumas das coisas que eu faço nesse tempo para viver bem. A minha experiência em quaresmas tem sido muito boas. São pequenos passos que quando dados, me ajudam a viver melhor esse tempo. Sei que existem muitas fórmulas escritas por santos e doutores da Igreja, mas essas que vou relatar ao longo da quaresma, são as que funcionam bem comigo. Espero que ajudem você.

1ª Dica:: Busque o silêncio interior

Vivemos em meio ao barulho. Carros que passam, música alta, pessoas falando… A poluição sonora realmente nos incomoda. Porém o pior barulho que existe não vem de fora. Vem de dentro de nós.

Infelizmente se chegarmos a um lugar sem barulho nenhum, conseguimos perceber que muitas vozes gritam dentro dos nossos ouvidos. O nosso cotidiano faz nossa cabeça trabalhar quase que vinte quatro horas. Quem não conhece uma pessoa que quando chega em casa e percebe que está sozinho, logo não liga o rádio ou a TV para fugir do silêncio? Muita gente se sente perturbada com o silêncio.

Por isso a dica que dou hoje é treinarmos nosso ser para cultivar o silêncio. É no silêncio que o Senhor nos fala. Fica difícil ouvir alguém em meio ao barulho. Portanto é essencial buscarmos e cultivarmos o silêncio. Não estou dizendo que na quaresma você terá que ficar calado e sem ouvir música ou ver TV. Estou dizendo que você precisa cultivar o silêncio. Quando nos determinamos a silenciar é como se estivéssemos no deserto, mesmo estando no meio da cidade mais barulhenta.

Um excelente exercício para se exercitar no silêncio é tirar alguns minutos do seu dia para não pensar em nada, não escutar nada e não fazer absolutamente nada.

Eu faço assim: Quando começo meu dia de trabalho, eu tiro 5 minutos do meu dia para silenciar o coração. Faço o sinal da cruz, e rezo: Jesus silencia meu coração. Que os ruídos internos e externos não atrapalhem os meus ouvidos. Quero escutar apenas a tua voz.

Depois disso, eu fecho os meus olhos e busco não pensar em nada. Se você fizer isso, você vai perceber que o seu interior logo vai buscar algo para pensar ou se preocupar. Quando se pegar nessa situação, faça novamente essa oração e recomece. Ao fim do tempo estabelecido agradeça ao Senhor e vá seguir com sua vida.

Você perceberá que com o tempo, você sentirá necessidade de fazer esse silêncio interior mais vezes. Fazendo isso constantemente você perceberá que seu interior vai silenciar. Esse exercício simples vai te ajudar a ouvir melhor as orientações que o Senhor te dá ao longo do dia.

Veja também:: Exame de consciência para uma boa confissão

Siga-nos e fique por dentro das novidades: