Madres do Deserto: Sentenças da Madre Sinclética

Apotegmas da Madre Sinclética - Do Site Central de Obras do Cristianismo Primitivo

Assim como haviam os Padres do Deserto, também as mulheres quiseram viver a experiência monástica. Dai surgiram as   Madres do Deserto. Muitos dos seus apotegmas são contados até hoje. Uma delas, chamada Madre Sinclética era dotada de muita sabedoria. Veja essas duas sentenças:

1. Sinclética, Mãe do Deserto, disse: “No começo, há luta e muito trabalho para os que se aproximam de Deus. Mas, depois disso, há uma indescritível alegria. É como acender uma fogueira: no início há muita fumaça e seus olhos lacrimejam, mas depois você consegue o resultado desejado. Assim devemos acender o fogo divino em nós mesmos, com lágrimas e esforço.”

2. Da mesma Mãe: “Há muitos que vivem nas montanhas e se comportam como se estivessem na cidade; e eles estão perdendo seu tempo. É possível ser solitário em sua própria mente, mesmo no meio de uma multidão e é possível para um solitário viver na multidão de seus próprios pensamentos”.

O homem, Deus e a Religião - Adquira já o seu!
Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  
Anúncios

Série Espiritualidade: Sobre a completa renúncia de si mesmo e a liberdade de coração

Do Livro Imitação de Cristo

Jesus: Filho, deixa-te a ti, e achar-me-ás a mim. Despe tua vontade e teu amor-próprio, e sempre tirarás lucro. Porque, logo que te entregares a mim sem reservas, se te acrescentará a graça.

A alma: Senhor, em que devo renunciar-me, e quantas vezes?

Jesus: Sempre e a toda hora tanto no muito como no pouco. Nada excetuo, mas quero te achar despojado de tudo. De outra sorte, como poderás ser meu e eu teu, se não estiveres, exterior e interiormente, desapegado de toda vontade própria? Quanto mais prontamente isso fizeres, tanto melhor te acharás, e quanto mais pleno e sincero for teu sacrifício, tanto mais me agradarás e maior lucro terás.

Alguns há que se entregam a mim, mas com alguma reserva, porque não têm plena confiança em Deus, e por isso tratam de prover as próprias necessidades. Outros, a princípio, tudo oferecem, mas depois, combatidos pela tentação, volvem-se novamente às próprias comodidades, e eis por que quase não progridem nas virtudes. Estes nunca chegarão à verdadeira liberdade do coração puro, nem à graça de minha doce familiaridade, enquanto não renunciarem de todo a si mesmos, oferecendo-se em cotidiano sacrifício a Deus, sem o que não há nem pode haver união deliciosa comigo.

Muitas vezes te disse e agora te torno a dizer: deixa-te, renuncia a ti mesmo, e gozarás grande paz interior. Dá tudo por tudo, não busques, não reclames coisa alguma, persevera, pura e simplesmente, em mim, e me possuirás. Terás livre o coração e as trevas não te poderão oprimir. A isto te aplica, isto pede, isto deseja: ser despojado de todo amorpróprio, para que possas seguir nu a Jesus desnudado, morrer a ti mesmo e viver eternamente.

Então se dissiparão todas as vãs imaginações, penosas pertubações e supérfluos cuidados. Logo também desaparecerá o temor demasiado, e morrerá o amor desordenado.

O homem, Deus e a Religião - Adquira já o seu!
Siga-nos e fique por dentro das novidades: