Saiba mais sobre a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus

Do Evangelho Quotidiano

O culto à humanidade de Cristo e ao Seu Coração sempre existiu na Igreja. Porém a partir das revelações privadas a Santa Margarida Maria Alacoque (1673-75), este culto foi bastante divulgado entre os cristãos, fazendo com que os mesmos tivessem uma consciência mais viva do mistério do amor de Cristo.

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus foi reconhecida pela Igreja cerca de um século mais tarde: em 1765, Clemente XIII aprovou a Solenidade do Sagrado Coração e, em 1856, Pio IX inseriu-a no calendário da Igreja universal.

A devoção ao Coração de Jesus foi “um meio providencial” pra a renovação da vida cristã. Com efeito, certas doutrinas tinham desfigurado uma das verdades essenciais ao cristianismo – o amor de Deus para com todos os homens. Pela devoção ao Sagrado Coração, o Povo de Deus reagiu “contra uma concepção demasiado rigorista das relações entre Deus e o homem – concepção que, levada às últimas consequências, seria o renascer da ideia pagã de um Deus vingador e, portanto, a anulação da história da salvação e da incessante misericórdia divina” (Thierry Maertens).

Levando-nos a amar a Cristo e a compartilhar do Seu amor pelo Pai e pelos homens, a devoção ao Coração de Jesus leva-nos também a promover aquela solidariedade universal que é uma exigência da fraternidade. O mistério do Coração de Cristo torna-se, assim, o caminho para a plena libertação do homem, libertação tantas vezes procurada através de caminhos que só conduzem à degradação da mesma dignidade humana.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Evangelho do Dia:: E brotaram sangue e água do seu peito

Do Evangelho Quotidiano

Por ser a Preparação da Páscoa, e para evitar que no sábado ficassem os corpos na cruz, porque aquele sábado era um dia muito solene, os judeus pediram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. Os soldados foram e quebraram as pernas ao primeiro e também ao outro que tinha sido crucificado juntamente. Mas, ao chegarem a Jesus, vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas. Porém, um dos soldados traspassou-lhe o peito com uma lança e logo brotou sangue e água. Aquele que viu estas coisas é que dá testemunho delas e o seu testemunho é verdadeiro. E ele bem sabe que diz a verdade, para vós crerdes também. É que isto aconteceu para se cumprir a Escritura, que diz: Não se lhe quebrará nenhum osso. E também outro passo da Escritura diz: Hão-de olhar para aquele que transpassaram. (Jo 19,31-37)

Comentário feito por São Columbano (563-615), monge

Irmãos, sigamos o nosso chamamento: somos chamados pela Vida à fonte da vida; esta fonte não é apenas fonte de água viva (Jo 4,10), mas da vida eterna, fonte de luz e de claridade. Com efeito, dela vêm todas as coisas: sabedoria, vida e luz eterna. […] Senhor, és Tu mesmo esta fonte, sempre e para sempre desejável, e da qual nos é sempre permitido e sempre necessário aurir. Dá-nos sempre, Senhor Jesus, desta água para que, também em nós, ela se torne uma fonte de água a jorrar para a vida eterna (Jo 4,15.14). É verdade: peço-Te demasiado, como negá-lo? Mas Tu, Rei da glória, sabes dar grandes coisas e Tu mesmo as prometeste. Nada é maior do que Tu e é a Ti próprio que nos dás, foste Tu que Te deste por nós.

É por isso que é a Ti que pedimos […] porque não queremos receber senão a Ti mesmo. Tu és o nosso tudo: a nossa vida, a nossa luz e a nossa salvação, a nossa comida e a nossa bebida, o nosso Deus. Inspira os nossos corações, suplico-Te, ó Jesus nosso; pelo sopro do Teu Espírito, abençoa as nossas almas com o Teu amor, para que cada um de nós possa dizer com verdade: Vistes Aquele que o meu coração ama? (Ct 3,3), porque foi com o Teu amor que fui ferido.

Desejo que essas feridas estejam em mim Senhor. Feliz da alma a quem o amor assim fere ─ a alma que procura a fonte, a que bebe e que, no entanto, não cessa de ter sempre sede, mesmo bebendo, nem de ir sempre em busca dela pelo seu desejo, nem de sempre beber, na sua sede. É assim que ela sempre busca amando, pois encontra a cura na sua própria ferida.

Siga-nos e fique por dentro das novidades: