Nossa Igreja tem nome e sobrenome: Igreja Católica Apostólica ROMANA

Dom Ercílio Turco – Bispo da Igreja Católica Apostólica Romana. Responsável pela Diocese de Osasco.

A Igreja Católica Apostólica Romana tem mais de 2000 anos de existência e teve em Pedro o seu primeiro Papa. De lá pra cá muita coisa aconteceu. A Igreja ao passo que levava o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo aos homens de todo mundo, foi se tornando uma instituição sólida e reconhecida. Mesmo que hoje em dia muitos tentem dizer o contrário, foi esta Igreja que evangelizou o mundo bárbaro, criou as bibliotecas e universidades e ainda é (e continuará sendo por muito tempo) a instituição que mais ajuda os necessitados no mundo.

Porém mesmo com todo esse progresso de crescimento e solidez, muitos homens resolveram romper com esta Igreja, criando outras “igrejas” e desligando-se de todo e qualquer vínculo com a mesma inclusive quanto a sua nomenclatura. Foi assim com os protestantes. Romperam com a igreja e criaram o protestantismo, que se dividiu e criou outras “igrejas” que não traziam em seus nomes nenhum vínculo com a Igreja Católica Apostólica Romana. Podemos citar como exemplo a Igreja Luterana, a Igreja Anglicana, a Igreja Batista e outras.

Porém de uns tempos para cá, vemos um movimento que surge e confunde a cabeça de muitos católicos menos esclarecidos: Pessoas que rompem com a Santa Igreja Católica Apostólica Romana e consequentemente com o Santo Padre o Papa e a sua doutrina, criam outras denominações com nomes parecidos com o nome da nossa Igreja. Usam termos como “católicos” e “apostólicos” em suas nomenclaturas, denominam os seus líderes com títulos de “padres” e “bispos”, chamam seus ritos de “missas” e seus templos de “paróquia”.

É verdade que não existe uma lei que os proíba de fazer isso. Hoje qualquer um pode criar uma “igreja” no Brasil. É fácil. Se um dia você renunciar a fé católica apostólica romana, não existe nada nas leis brasileiras que o proíba de criar uma igreja e chamá-la de igreja católica apostólica paulista, igreja católica apostólica vicentina ou igreja católica apostólica do Espírito Santo. Infelizmente não existe patente para o uso destas nomenclaturas. Daí você me pergunta: E agora? Eu não posso me confundir e acabar indo a uma dessas igrejas pensando estar na Igreja Católica Apostólica Romana?

Sim. Isso pode acontecer e é esta a minha preocupação. Por isso escrevi este texto. Peço que você tenha muita atenção naquilo que escrevo daqui por diante.

Aqueles que são católicos daquela Igreja (com i maiúsculo) que surgiu há 2000 anos, que tem como o primeiro Papa São Pedro, Apóstolo de Jesus Cristo e que foi fundada pelo próprio Cristo Jesus, Filho do Deus Vivo precisam ter consciência de que a nossa Igreja tem nome e sobrenome. Igrejas que se denominam católicas existem aos montes. Mas a Igreja Católica Apostólica Romana só tem uma.

Se você for CATÓLICO APOSTÓLICO ROMANO, estiver em uma Igreja que se diz católica e tiver dúvidas a respeito da mesma, o que você deve fazer?

  1. Pergunte se esta Igreja é uma Igreja Católica Apostólica ROMANA;
  2. Pergunte o nome do bispo e se ele é ligado a Igreja Católica Apostólica ROMANA;
  3. Pergunte o nome do padre e se ele é ligado a Igreja Católica Apostólica ROMANA;

Se não for, saia daquele lugar o quanto antes. Ele não é um lugar para você! Se você é Católico Apostólico Romano, batizado nesta Igreja e nela professa sua fé, é importante saber que não é lícito para você (veja bem estou falando para membros da Igreja Católica Apostólica Romana) ir a essas missas que outras igrejas católicas promovem. Para nós, Católicos Apostólicos Romanos, os padres e bispos dessas igrejas católicas que aparecem não são reconhecidos como tal. Todas as ordenações presbiterais e episcopais feitas fora das Igrejas Católicas Apostólicas Romanas não são reconhecidas pelos Católicos Apostólicos Romanos. Você estará cometendo um ato de desobediência a sua fé. É importante saber que grande parte destas “igrejas” surgiram de cismas. Para quem não sabe, um cisma é um ato de desobediência. Eles acontecem quando alguém contesta a autoridade do Papa, rompe com a Igreja e cria uma nova religião.

Agora uma pergunta: Como pode Deus (Senhor da obediência) agir em um lugar onde habita a desobediência? Aliás, quem é o Pai da desobediência? Quem induziu o primeiro homem ao pecado?

Para terminar este post, quero deixar este vídeo, que já foi visto muitas vezes por diversos católicos (inclusive aqui mesmo neste blog). Somos da Igreja Católica Apostólica Romana. Você é sempre muito bem vindo na sua casa! Pax Domini.

Obs.: Leia mais sobre o assunto clicando aqui.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Anúncios

Evangelho do Dia:: Acautelai-vos dos falsos profetas

Do Evangelho Quotidiano

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes.Pelos seus frutos, os conhecereis. Porventura podem colher-se uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Toda a árvore boa dá bons frutos e toda a árvore má dá maus frutos. A árvore boa não pode dar maus frutos nem a árvore má, dar bons frutos. Toda a árvore que não dá bons frutos é cortada e lançada ao fogo. Pelos frutos, pois, os conhecereis. (Mt 7,15-20)

Comentário feito por Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (Norte de África) e doutor da Igreja

Perguntamo-nos quais os frutos para os quais o Senhor quer chamar a nossa atenção para reconhecermos a árvore. Alguns consideram como frutos a roupagem das ovelhas e assim os lobos podem enganá-los. Quero referir-me a jejuns, orações, esmolas e todas as obras que podem ser feitas por hipócritas. Caso contrário, Jesus não teria dito: Guardai-vos de fazer as vossas obras diante dos homens, para vos tornardes notados por eles (Mt 6,1). […] Muitos dão aos pobres por ostentação e não por generosidade; muitos que rezam, ou melhor, que parecem rezar, não procuram Deus, mas sim a estima dos homens; muitos jejuam e exibem austeridade notável para atrair a admiração dos que vêem a sua conduta. Todas essas obras são enganos. […] O Senhor conclui que esses frutos não são suficientes para julgar a árvore. As mesmas ações feitas com uma intenção reta e verdadeira são a roupagem das autênticas ovelhas. […]

O apóstolo Paulo diz-nos quais os frutos pelos quais reconheceremos a árvore ruim: É fácil reconhecer as obras da carne: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, ciúmes, iras, discórdias, sectarismos, rivalidades, embriaguez, orgias e coisas semelhantes (Gal 5,19-20). O mesmo apóstolo nos diz a seguir quais os frutos para reconhecer uma boa árvore: Mas os frutos do Espírito são: amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e autocontrole (v. 22-23).

É preciso saber que a palavra alegria é usada aqui no seu sentido literal; os homens maus em sentido literal ignoram a alegria, mas conhecem o prazer. […] Este é o sentido próprio desta palavra que só os bons conhecem; não há alegria para os ímpios, diz o Senhor (Is. 48,22). Acontece o mesmo com a fé verdadeira. As virtudes enumeradas podem ser fingidas por maus e impostores, mas não enganam o olho puro e simples capaz de discernimento.

Obs.: Já que o tema do Evangelho de hoje são os falsos profetas, leia este texto aqui.

Siga-nos e fique por dentro das novidades: