Evangelho do Dia:: Meu Senhor e meu Deus!

Do Evangelho Quotidiano

Naquele tempo, Tomé, um dos Doze, a quem chamavam o Gémeo, não estava com eles quando Jesus veio. Diziam-lhe os outros discípulos: Vimos o Senhor! Mas ele respondeu-lhes: Se eu não vir o sinal dos pregos nas suas mãos e não meter o meu dedo nesse sinal dos pregos e a minha mão no seu peito, não acredito. Oito dias depois, estavam os discípulos outra vez dentro de casa e Tomé com eles. Estando as portas fechadas, Jesus veio, pôs-se no meio deles e disse: A paz seja convosco! Depois, disse a Tomé: Olha as minhas mãos: chega cá o teu dedo! Estende a tua mão e põe-na no meu peito. E não sejas incrédulo, mas fiel. Tomé respondeu-lhe: Meu Senhor e meu Deus! Disse-lhe Jesus: Porque me viste, acreditaste. Felizes os que crêem sem terem visto. (Jo 20,24-29)

Comentário feito por Basílio de Seleuceia (? – c. 468), bispo

Mete o teu dedo na marca dos cravos, diz Jesus a Tomé. Procuraste-Me quando Eu não estava cá, aproveita agora. Conheço a tua vontade mais do que o teu silêncio. Sei o que pensas antes sequer de que Mo digas. Ouvi-te falar e, embora sem ser visto, estava junto de ti e das tuas dúvidas e, sem Me fazer sentir, pus-te à espera para melhor observar a tua impaciência. Mete o teu dedo na marca dos cravos e a tua mão no Meu lado, e não sejas assim incrédulo, mas crê.

Então Tomé toca-O e cai por terra toda a sua desconfiança. Cheio duma fé sincera e de todo o amor que deve para com o seu Deus, exclama: Meu Senhor e meu Deus! E o Senhor diz-lhe: Porque Me viste, acreditaste. Felizes os que crêem sem terem visto. Tomé, leva o relato da Minha Ressurreição a todos os que não viram. Exorta toda a terra a crer já não nos seus olhos mas na tua palavra. Percorre os povos e as cidades pagãs e ensina-os a levar aos ombros a cruz em vez das armas. […] Diz-lhes que são doravante chamados pela Graça e tu, contempla a sua fé: felizes, na verdade, aqueles que acreditaram sem terem pedido para ver!

Assim é o exército recrutado pelo Senhor, e assim são os filhos da piscina batismal, as obras da Graça, a colheita do Espírito. Seguiram a Cristo sem O terem visto, procuraram-n’O e acreditaram porque viram com os olhos da fé e não do corpo. Não meteram o dedo na marca dos cravos, mas atrelaram-se à cruz e aceitaram os Seus sofrimentos. Não viram o lado de Cristo mas, pela Graça, encontraram-se unidos aos Seus membros e fizeram suas as palavras do Senhor: Felizes os que crêem sem terem visto.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  
Anúncios

São Tomé Apóstolo: Santo por reconhecer suas misérias

Era um dos doze apóstolos do Senhor e pertencia a uma família de pescadores.

O Evangelho de São João dá-lhe grande destaque. Em João 11,16, ele incita os discípulos a seguir Jesus e a morrer com ele na Judéia: “Tomé, chamado Dídimo, disse então aos discípulos: ‘Vamos também nós, para morrermos com ele!'”

É ele que pergunta a Jesus, durante a Última Ceia, sobre o caminho que conduz ao Pai: ‘Senhor (diz Tomé), não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho?’ Diz-lhe Jesus: ‘Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai a não ser por mim'” (João 14,5-6).

Após ter ressuscitado, Cristo apareceu aos discípulos e Tomé não estava presente. Tomé desconfiava, por não ter visto o Senhor, de que fosse verdade a aparição. O Evangelho de São João relata:

Ora, Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. Disseram-lhe, pois, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele disse-lhes: Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei. E oito dias depois estavam outra vez os seus discípulos dentro, e com eles Tomé. Chegou Jesus, estando as portas fechadas, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco. Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram. (Jo 20,24-29).

Com este ato de fé e de amor a Jesus, apagou a sua dureza e deixou à Igreja a melhor jaculatória: “Mais nos serviu para a nossa fé, diz S. Gregório Magno, a incredulidade de Tomé do que a fé dos discípulos fiéis”.

A tradição diz que conduzido pelo Espírito Santo, Tomé foi à Pérsia pregar o Evangelho e lá foi martirizado, sendo alvejado por lanças.

Siga-nos e fique por dentro das novidades: