Papa Bento XVI fala sobre sua expectativa para a JMJ 2013

Hoje antes da oração do Ângelus, o Papa pediu aos fiéis que redescubram a importância de saciar não só a fome material, mas também, e, sobretudo, a fome mais profunda que é a de Deus, da verdade e de amor através da participação na Santa Mesa Eucarística, sempre de forma fiel e responsável.

O Papa salientou que “Jesus não é um rei da terra que exerce o domínio, mas um rei que serve, que se curva até o homem para saciar não só a fome material, mas, sobretudo, a fome de algo profundo, a fome de orientação, de sentido, de verdade, a fome de Deus”, disse.

Ao explicar o milagre dos pães, o Santo Padre assinalou que “Jesus não nos pede aquilo que não temos, mas nos faz ver que se cada um oferece aquele pouco que tem, o milagre pode sempre acontecer: Deus é capaz de multiplicar o nosso pequeno gesto de amor e nos tornar participantes do seu dom”?

A insistência sobre o tema do “pão” que é partilhado e o render graças evocam a Eucaristia, o Sacrifício de Cristo para a salvação do mundo. O evangelista observa que a, Páscoa, a festa, estava próxima. O olhar se orienta para a Cruz, o dom de amor, e para a Eucaristia, a perpetuação deste dom: Cristo se faz pão de vida para os homens”, completou o Pontífice.
Citando Santo Agostinho, o Papa afirmou que “para que o homem pudesse comer o pão dos anjos, o Senhor dos anjos se fez homem. Se Ele não se fizesse homem não teríamos seu corpo; não tendo o corpo propriamente dele, não comeríamos o pão do altar”, assim sendo a Eucaristia “é o permanente grande encontro do homem com Deus, no qual o Senhor se faz alimento, dá a Si mesmo para nos transformar Nele”.

O Papa ressaltou que na cena da multiplicação, se destaca também a presença de um garoto que, diante da dificuldade de alimentar tanta gente, coloca em comum o pouco que tinha: cinco pães e dois peixes. “O milagre não se realiza do nada, mas de uma primeira e modesta partilha daquilo que um simples garoto tinha consigo. Jesus não nos pede aquilo que não temos, mas nos faz ver que se cada um oferece aquele pouco que tem, o milagre pode sempre acontecer: Deus é capaz de multiplicar o nosso pequeno gesto de amor e nos tornar participantes do seu dom”, afirmou o Papa.

E finalizou: “Queridos irmãos e irmãs, peçamos ao Senhor que nos faça redescobrir a importância de nos nutrir do corpo de Cristo, participando fielmente e com grande consciência da Eucaristia, para estarmos sempre mais intimamente unidos a Ele. Ao mesmo tempo, rezemos para que jamais falte a ninguém o pão necessário para uma vida digna e sejam abatidas as desigualdades não com as armas da violência, mas com a partilha e o amor”.

Ao final do Ângelus o Pontífice lembrou a todos os jovens do mundo que dentro de um ano tem um encontro marcado entre os dias 23 e 28 julho de 2013 no Brasil, na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontecerá no Rio de Janeiro. “Trata-se de uma preciosa ocasião para tantos jovens experimentarem a alegria e a beleza de pertencer à Igreja e viverem a fé”.

O Papa falou de sua expectativa: “Aguardo com esperança este evento, e desejo animar e dar as graças aos organizadores, especialmente à Arquidiocese do Rio do Janeiro, por seu compromisso na preparação com vivacidade a acolhida de quão jovens de todo o mundo tomarão parte neste encontro eclesial tão importante”.

Neste final de semana aconteceu o maior evento pré-JMJ realizado até o momento no Brasil. O Encontro “Preparai o Caminho”, que reuniu milhares de jovens no estádio do Maracanãzinho, no Rio de janeiro.

O Encontro foi marcado pelas celebrações eucarísticas com a participação do Núncio Apostólico no Brasil, Dom Giovanni d’Aniello, do Arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta e de Dom Raymundo Damasceno, presidente da CNBB. Bem como, pelos concertos, conferências e o lançamento de uma campanha de arrecadação de fundos para a JMJ.
Para mais informações sobre a campanha de doação e como ajudar, visite o site.

Texto adaptado do site acidigital.com
Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  
Anúncios

Ele multiplicou o pão…

Do Evangelho Quotidiano

Naquele tempo, Jesus foi para a outra margem do lago da Galileia, ou de Tiberíades. Seguia-o uma grande multidão, porque presenciavam os sinais miraculosos que realizava em favor dos doentes. Jesus subiu ao monte e sentou-se ali com os seus discípulos. Estava a aproximar-se a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo o olhar e reparando que uma grande multidão viera ter com Ele, Jesus disse então a Filipe: Onde havemos de comprar pão para esta gente comer? Dizia isto para o pôr à prova, pois Ele bem sabia o que ia fazer. Filipe respondeu-lhe: Duzentos denários de pão não chegam para cada um comer um bocadinho. Disse-lhe um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro: Há aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes. Mas que é isso para tanta gente? Jesus disse: Fazei sentar as pessoas. Ora, havia muita erva no local. Os homens sentaram-se, pois, em número de uns cinco mil. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os pelos que estavam sentados, tal como os peixes, e eles comeram quanto quiseram. Quando se saciaram, disse aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca. Recolheram-nos, então, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada que sobejaram aos que tinham estado a comer. Aquela gente, ao ver o sinal milagroso que Jesus tinha feito, dizia: Este é realmente o Profeta que devia vir ao mundo! Por isso, Jesus, sabendo que viriam arrebatá-lo para o fazerem rei, retirou-se de novo, sozinho, para o monte. (Jo 6,1-15)

Comentário feito por Santo Efrém (c. 306-373), diácono da Síria, doutor da Igreja

No deserto, Nosso Senhor multiplicou o pão e em Caná transformou a água em vinho. Deste modo, habituou a boca dos Seus discípulos ao Seu pão e ao Seu vinho, até à altura em que lhes daria o Seu corpo e o Seu sangue. Fez-lhes provar um pão e um vinho transitórios para fazer nascer neles o desejo do Seu corpo e do Seu sangue vivificantes. Deu-lhes estas pequenas coisas generosamente para que eles soubessem que a Sua dádiva suprema seria gratuita. Deu-lhas gratuitamente embora eles tivessem podido comprar-Lhas, para que ficassem a saber que não lhes pediria que pagassem uma coisa inestimável: porque, embora eles pudessem pagar o preço do pão e do vinho, não poderiam pagar o Seu corpo e o Seu sangue.

Não só nos ofereceu gratuitamente as Suas dádivas, como ainda nos tratou com afeição. Porque nos deu estas pequenas coisas gratuitamente para nos atrair, para irmos até Ele e recebermos gratuitamente o enorme bem que é a Eucaristia.  Estas pequenas porções de pão e de vinho que ofereceu eram agradáveis à boca, mas a dádiva do Seu corpo e do Seu sangue é útil ao espírito. Ele atraiu-nos através daqueles alimentos agradáveis ao paladar, a fim de nos chamar para aquilo que dá vida à nossa alma. […]

A obra do Senhor abarca tudo: num abrir e fechar de olhos, multiplicou um pedaço de pão. O que os homens fazem e transformam em dez meses de trabalho, fazem os Seus dez dedos num instante. […] De uma pequena quantidade de pão nasceu uma quantidade enorme de pães; foi como na primeira bênção: crescei e multiplicai-vos, enchei e dominai a terra (Gn 1,28).

Siga-nos e fique por dentro das novidades: