JMJ Brasil 2013 – Notícias da Semana


Voluntários do Lions Club atuarão na JMJ

O Instituto Jornada Mundial da Juventude assinou convênio com o Lions Clube do Rio de Janeiro em 18 de setembro. A parceria consiste em colocar os participantes da associação como voluntários do evento que vai reunir os jovens no mundo inteiro com o Papa Bento XVI, em julho do próximo ano, na cidade maravilhosa.
O coordenador geral da JMJ Rio2013, monsenhor Joel Amado, explicou que a iniciativa partir do Lions e representa um ato de “construir um evento a várias mãos”.
No Rio, o Lions conta hoje com cerca de 1.300 voluntários.A participação deles na JMJ Rio2013 ainda será definida a partir de um planejamento estratégico que a associação está elaborando (Adaptado de Rio2013.com 19/09).

Congresso de Jovens católicos no Rio ocorre em clima de JMJ

Os cerca de 2 mil participantes do Congresso de Jovens Shalom (CJS), realizado na Arquidiocese do Rio de Janeiro, ouviram no domingo, dia 23 de setembro, a convocação feita pelo arcebispo e presidente do Comitê Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio2013, Dom Orani João Tempesta, a serem testemunho de fé para o mundo. O congresso realizou-se em clima de JMJ com a presença Dom Antonio Dias Duarte bispo auxiliar do Rio e vice-presidente do COL e uma centena de jovens voluntários que ajudaram na organização.
O arcebispo incentivou os jovens a se configurarem a Cristo, o que, segundo ele, é uma contradição para o mundo de hoje. “O mundo ensina o contrário do Evangelho. É só disputa de poder, corações divididos, ganância, guerra, ódio, tudo quer nos tirar do caminho de Jesus. Mas, temos que seguir na direção certa, apesar das tentações. Quem confia em Deus pode ter uma vida nova. A JMJ é um chamado para um encontro com o Senhor”, afirmou o prelado.
Por sua parte, o fundador da Comunidade Católica Shalom, Moysés Azevedo, incentivou jovens de várias partes do Brasil a anunciar Jesus Cristo ao mundo, diante de uma humanidade indiferente a Deus. “A alegria da vida de muitas pessoas é Jesus Cristo”, disse. “Evangelizar é manifestar o amor de Cristo até as últimas consequências”, afirmou Moysés na palestra oferecida aos jovens no segundo dia do Congresso de Jovens Shalom.
Falando sobre o tema da JMJ Rio2013, “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt 28,19), Moysés motivou os jovens a serem missionários. “Somos enviados a evangelizar o mundo de hoje, o mundo que Deus amou tanto que enviou seu filho para que o salvasse. Devemos olhar este mundo com os olhos de Jesus”, disse.
“Evangelize. Descubra a alegria de evangelizar. Somos um povo em movimento, que dá de graça o que de graça recebeu”, concluiu o fundador da comunidade Shalom (Adaptado de ACI Digital – 25/09).

A arte e o grafite fazem parte do seu mundo – Isso é JMJ!

Várias formas de expressão artística também farão parte da JMJ Rio2013. Do grafite à arte sacra, além de shows e exposições, um mundo de beleza e emoções estarão na programação. Isso é JMJ!

Uma parte da programação é montada com a participação dos peregrinos. É o Festival da Juventude e a exposição de grafite.

Estão abertas as inscrições para os grafiteiros que querem expor durante a JMJ Rio2013. O Museu de Arte Sacra de São Paulo (MAS-SP) e a Jornada abriram edital para jovens peregrinos do mundo inteiro que tenham interesse em participar de workshop e exposição de grafite a ser realizada no período da JMJ. Os trabalhos selecionados ficarão em exibição por dois meses. Para se inscrever na categoria ‘Jovem grafiteiro peregrino’, os interessados deverão, até o dia 20 de dezembro de 2012, preencher a Ficha de Inscrição disponível no site http://www.museuartesacra.org.br , assinar o termo de liberação de direitos autorais e anexar o desenho a ser grafitado em pdf e os enviar por e-mail para grafite@museuartesacra.org.br. Os candidatos devem ter entre 18 e 35 anos. As inscrições são gratuitas (Adaptado de Rio2013.com – 27/09).

Missa celebra a chegada de réplica do Cristo em Fortaleza

A réplica do Cristo Redentor, uma homenagem aos 80 anos de um dos principais cartões-postais do Rio de Janeiro, celebrado ano passado, chega a Fortaleza em 27/08, depois de passar por outras seis cidades do mundo. A Capital cearense foi escolhida como ponto estratégico de divulgação da JMJ Rio2013, evento que terá o monumento do Cristo Redentor como seu embaixador.
O lançamento da exposição contou com a presença do Reitor do Santuário Arquidiocesano do Cristo Redentor do Corcovado e membro do Comitê Organizador Local da JMJ Rio2013, padre Omar Raposo, que presidiu a celebração eucarística no Santuário de Fátima. Durante a celebração, ele fez questão de esclarecer a origem do Cristo Redentor, construção da engenharia brasileira, e não um presente da França, como muitos acreditam (Adaptado de Diário do Nordeste – 28/09).

01 de outubro – dia de Santa Teresinha do Menino Jesus, Padroeira das Missões e Patrona na JMJ Rio 2013

Santa Teresinha do Menino Jesus nasceu na França, em 1873. Aos 15 anos, entrou num Mosteiro Carmelita, lugar onde viveu com humildade, simplicidade sua plena confiança em Deus. Foi proclamada padroeira das missões em 1927, por seu profundo desejo de ser missionária e sua disposição de oferecer tudo pelo bem dos demais. A JMJ a invoca como Padroeira das missões!

Oração
Concedei-me, por vossa intercessão, o ardor missionário para levar Jesus a todos os povos! Amém.

Santa Teresinha, patrona da JMJ, rogai por nós!
(Imagem e texto retirados de Rio2013.com)

 

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  
Anúncios

Série Espiritualidade: Dos admiráveis frutos colhidos pelos que comungam devotamente

Do livro “A Imitação de Cristo”

Senhor, meu Deus! Preveni vosso servo com as bênçãos de vossa doçura, para que mereça digna e devotamente chegar-me a vosso augusto Sacramento. Despertai meu coração para vós e tirai-me deste profundo entorpecimento. “Visitai-me com vossa graça salutar” (Sl 105,4), para que goze em espírito vossa doçura, que com abundância está oculta neste Sacramento, como em sua fonte. Iluminai também meus olhos para contemplar tão alto mistério, e fortalecei-me para crer nele com fé inabalável. Porque é obra vossa e não de poder humano, sagrada instituição vossa, não invenção dos homens. Ninguém, com efeito, se si mesmo é capaz de conceber e compreender este mistério, que transcende à própria inteligência dos anjos. Que, pois, poderei eu, pecador indigno, pó e cinza, investigar e compreender de tão alto e sagrado mistério?

Senhor, na simplicidade do meu coração, com firme e sincera fé, e obedecendo a vosso mandado, me aproximo de vós com esperança e reverência e creio verdadeiramente que estais presente aqui no Sacramento, Deus e homem. Pois quereis que vos receba e me uno convosco em caridade. Por isso imploro vossa clemência e vos suplico a graça particular de que todo me desfaleça em vós e me consuma em amor, sem mais cuidar de nenhuma outra consolação. Porque este altíssimo e diviníssimo Sacramento é a saúde da alma e do corpo, remédio de toda enfermidade espiritual; cura os vícios, reprime as paixões, vence ou enfraquece as tentações, comunica maior graça, corrobora a virtude nascente, confirma a fé, fortalece a esperança, inflama e dilata a caridade.

Muitos bens condedestes e concedeis ainda a miúdo aos vossos amigos, neste Sacramento, quando devotamente comungam, ó Deus meu, amparo da minha alma, reparador da humana fraqueza e dispensador de toda consolação interior. Porque lhes infundis abundantes consolações contra várias tribulações e os levantais do abismo do próprio abatimento à esperança da vossa proteção e os recreais e iluminais interiormente com a nova graça, de sorte que os mesmos que antes da comunhão se sentiam inquietos e sem afeto, depois de recreados com o manjar e a bebida celestiais se sentem melhorados e fervorosos. Tudo isso prodigalizais aos vossos escolhidos, para que verdadeiramente conheçam e evidentemente experimentem quanta fraqueza têm em si mesmos e quanta bondade e graça alcançam de vós. Pois de si mesmos são frios, tíbios e insensíveis; por vós, porém, tornam-se fervorosos, alegres e devotos. Quem, porventura, se chegará humilde à fonte da suavidade, que não receba dela alguma doçura? Ou quem, junto de um grande fogo, deixará de sentir algum calor? E vós sois a fonte sempre cheia e abundante; o fogo que sempre arde sem jamais se apagar.

Por isso, se me não é dado haurir da plenitude desta fonte, nem beber até me saciar, chegarei, todavia, meus lábios ao orifício do canal celeste, a fim de que receba daí ao menos uma gota, para refrigerar minha sede e não morrer de secura. E se não posso ainda ser todo celestial, nem tão abrasado como os querubins e serafins, contudo me empenharei por permanecer na devoção e dispor meu coração, para que pela recepção humilde deste vivificante Sacramento receba ao menos uma tênue faísca do divino incêndio. O que me falta, porém, ó bom Jesus, Salvador santíssimo, supri-o pela vossa bondade e graça, pois vos dignastes chamar-nos todos a vós, dizendo: Vinde a mim todos que penais e estais sobrecarregados, e eu vos aliviarei.

Na verdade, eu trabalho com o suor do meu rosto, sou atormentado com angústias do coração, estou carregado de pecados, molestado de tentações, embaraçado e oprimido com muitas paixões e não há ninguém que me ajude, livre ou salve, senão vós, Senhor Deus, Salvador meu, a quem me entrego, com tudo o que me pertence, para que me guardeis e leveis à vida eterna. Recebei-me para honra e glória de vosso nome, pois me preparastes para a comida e bebida o vosso corpo e sangue. Concedei-me, Senhor Deus, Salvador meu, que com a frequência de vosso mistério se me aumente o fervor da devoção.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Contra Vigilâncio:: Escritos de São Jerônimo – Capítulo 10

Coloco aqui mais um capítulo dos discursos de São Jerônimo contra Vigilâncio. Neste começaremos a ler o embate entre São Jerônimo e Vigilâncio. São Jerônimo irá nos “armar” de argumentos contra os vigilâncios atuais.

Capítulo X

Eu não posso aqui percorrer todos os tópicos abordados nas cartas dos respeitáveis presbíteros. Irei, portanto, fazer referência a alguns pontos extraídos dos tratados de Vigilâncio. Ele prega contra os sinais e milagres que ocorrem nas basílicas dos mártires, afirmando que eles se dão [apenas] para os infiéis, não para os fiéis, muito embora a questão aqui seria esta: em vantagem de quem ocorrem, não sob o poder de quem. Supõe [ele] que tais sinais são para os infiéis pois como estes não obedeceriam nem a palavra nem a doutrina, acabariam por crer através dos sinais. Com efeito, até mesmo o Senhor teria apresentado sinais para os infiéis (tais sinais do Senhor não entram aqui em discussão) porque aquele povo não tinha fé; [esses sinais] eram dignos de grande admiração pois que poderosíssimos para subjugar os corações mais duros, compelindo os homens a crerem. Eu não vou pedir para que você (Vigilâncio) me diga que esses sinais são para os infiéis, mas para respoder a esta questão: como é que essas poeiras e cinzas indignas encontram-se associadas com este maravilhoso poder de sinais e milagres? Eu percebo – e como percebo -, ó mais infeliz dos mortais, o porquê de você ser tão preocupado e o que causa esse temor: é que esse espírito imundo, que força você a escrever essas coisas, foi muitas vezes torturado por essa “poeira sem valor”, e continua sendo torturado neste momento. E se no seu caso em específico ele disfarça as suas feridas, em outros casos ele próprio confessa. Você é fiel seguidor dos pagãos e ímpios Porfírio e Eunômio e acha que aqueles (sinais que ocorrem nas basílicas dos mártires) são armadilhas dos demônios, sendo que estes não gritam [ao serem expulsos], somente fingem seus tormentos. Deixe-me dar um conselho a você: vá até as basílicas dos mártires; certamente um dia você será libertado; você encontrará lá vários casos como o seu e receberá o fogo – não das velas dos mártires que ora deixam você ofendido – mas das chamas invisíveis. Então você confessará aquilo que agora nega e irá pronunciar livremente o seu nome, pois esse que atualmente fala na pessoa de Vigilâncio é, na verdade, Mercúrio (o mercenário); ou Noturno (que, segundo o “Amphitryon” de Platão, dormia enquanto Júpiper, por duas noites seguidas, mantinha relações adulterinas com Alcmena, gerando assim o poderoso Hércules); ou [seu] pai Baco (famoso beberrão, portando a caneca em seus ombros, com sua face rubra, lábios cheios de espuma e brigão descabeçado).

( Tradução: José Fernandes Vidal e Carlos Martins Nabeto – Central de Obras do Cristianismo Primitivo)

Veja Também:: Capítulos 1 | Capítulo 2 | Capítulo 3 | Capítulo 4 | Capítulo 5 | Capítulo 6 | Capítulo 7 | Capítulo 8 | Capítulo 9

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Santo do Dia: São Sérgio

São Sérgio

“Contemplando a Santíssima Trindade, vencer a odiosa divisão deste mundo”. 

Esta frase reflete a alma contemplativa do santo de hoje, São Sérgio, considerado o “São Bento” da Rússia cristã.

Na antiga Rússia o Cristianismo penetrou por volta do século IX, sendo Vlademiro, o primeiro príncipe a se converter ao Cristianismo, isto em 1010.

São Sérgio, rogai por nós!

A religião do Cristo esteve sempre na Rússia, ligada mais ao Oriente do que a Roma. Monge Sérgio, tornou-se o grande evangelizador do século XIV, pois através de numerosos mosteiros irradiava a cultura e a verdadeira fé.

Após deixar o declínio da vida monástica na Rússia, Sérgio experimentou, com seu irmão, a construção numa floresta virgem de uma capela dedicada à Santíssima Trindade, devoção desconhecida naquele povo.

O irmão não aguentou, mas com firmeza e santidade, o santo de hoje atraiu a muitos até que edificaram um mosteiro em louvor a Santíssima Trindade.

Ordenado sacerdote para o melhor exercício da vocação de formar os monges na fundamental regra da oração e do trabalho, viveu São Sérgio: os “filhos”, a pobreza, a mansidão e total confiança na Divina Providência.

São Sérgio escreveu tanto que é considerado o grande educador nacional do povo russo. Faleceu com quase 80 anos de idade em 25 de setembro de 1392 no mosteiro da Santíssima Trindade.

São Sérgio, rogai por nós!

Série Espiritualidade: Da utilidade da comunão freqüente

Do livro “A Imitação de Cristo”

Voz do discípulo: Eis que venho a vós, Senhor, para aproveitar-me de vossa munificência, e deliciar-me neste sagrado banquete, que vós, Deus meu, preparastes, na vossa ternura, para o pobre. Em vós se acha tudo o que posso e devo desejar; vós sois minha esperança, fortaleza honra e glória. Alegrai, pois, hoje, a alma de vosso servo, porque a vós, Senhor Jesus, levantei a minha alma. Desejo receber-vos agora com devoção e reverência; desejo hospedar-vos em casa, para que, com Zaqueu, mereça ser abençoado e contado entre os filhos de Abraão. Minha alma suspira por vosso corpo; meu coração deseja ser convosco unido.

Dai-vos a mim e estou satisfeito; porque sem vós nada me pode consolar. Sem vós não posso estar, e sem vossa visita não posso viver. Por isso muitas vezes devo achegar-me a vós e receber-vos para remédio de minha salvação, a fim de não desfalecer no caminho quando estiver privado deste alimento celestial. Assim vós mesmo o dissestes uma vez, misericordiosíssimo Jesus, quando pregáveis e curáveis diversas enfermidades: “Não os quero despedir em jejum, para que não desfaleçam no caminho”(Mt 15, 32). Fazei também do mesmo modo comigo, pois ficastes neste Sacramento para consolação dos fiéis. Vós sois a suave refeição da alma, e quem dignamente vos receber se tornará participante e herdeiro da glória eterna. A mim, que tantas vezes caio e peco, tão depressa afrouxo e desfaleço, mui necessário me é que, com a oração, confissão e comunhão freqüente, me renove, purifique e afervore, para não abandonar meus santos propósitos, abstendo-me da comunhão por mais tempo.

Pois “os sentidos do homem estão inclinados para o mal desde a sua adolescência (Gên 8,21), e se não o socorre o remédio celestial, logo cai o homem de mal em pior. Porque, se agora, comungando ou celebrando, sou tão negligente e tíbio, que seria se não tomasse este remédio e não buscasse tão poderoso conforto? E ainda que não esteja, todos os dias, preparado, nem bem disposto para celebrar, contudo me quero esforçar para, nos tempos convenientes, receber os sagrados mistérios e tornar-me participante de tanta graça. Porque, enquanto a alma fiel, longe de vós, peregrina neste corpo mortal, a única e principal consolação para ela é – que muitas vezes se lembre do seu Deus e receba devotamente o seu Amado.

Ó maravilhosa condescendência de vossa bondade para convosco, que vós, Senhor Deus, Criador e vivificador de todos os espíritos, vos dignais de vir à minha pobre alma e saciar-lhe a fome com toda a vossa divindade e humanidade! Ó ditoso coração, ó alma bem-aventurada, que merece receber-vos com devoção a vós, seu Deus e Senhor, e nesta união encher-se de gozo espiritual! Oh! que grande Senhor recebe, que amável hóspede agasalha, que agradável companheiro acolhe, que fiel amigo aceita, que formoso e nobre esposo abraça, mais digno de ser amado que tudo o que se ama e deseja! Dulcíssimo Amado meu, emudeçam diante de vós o céu e a terra com todos os seus ornatos; porque tudo o que têm de brilho e beleza é dom de vossa liberalidade e não chega a igualar a glória de vosso nome, “cuja sabedoria não tem medida” (Sl 146,5).

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Contra Vigilâncio:: Escritos de São Jerônimo – Capítulo 9

Coloco aqui mais um capítulo dos discursos de São Jerônimo contra Vigilâncio. Neste começaremos a ler o embate entre São Jerônimo e Vigilâncio. São Jerônimo irá nos “armar” de argumentos contra os vigilâncios atuais.

 Capítulo IX

A respeito das vigílias e das freqüentes vezes que passamos a noite nas basílicas dos mártires, darei aqui uma breve resposta, a qual já ofereci em outra carta há cerca de dois anos, quando escrevi para o respeitável presbítero Ripário. Você (Vigilâncio) afirma que elas não deveriam ser observadas, exceto quando estamos próximos da Páscoa, pois não seguem as vigílias anuais de costume. Se assim fosse, então os sacrifícios [da Missa] não deveriam ser oferecidos a Cristo a cada dia do Senhor (=domingo), exceto quando celebrássemos a Páscoa da Ressurrreição do Senhor, tendo sido introduzido o costume de haver muitas Páscoas ao invés de uma. Seja como for, não devemos imputar a homens piedosos as faltas e erros de jovens e mulheres inúteis que muitas vezes são encontrados por aí durante a noite. É verdade que, mesmo nas vigílias da Páscoa, alguns desses se aproximam da Luz; mas as falhas de alguns não constituem em argumento válido contra a religião em geral, de modo que tais pessoas, ainda que não participem da vigília, podem estar erradas inclusive em suas próprias casas ou na de outras pessoas. A traição de Judas não anula a lealdade dos Apóstolos. E se alguns se comportam mal durante a vigília, isso não implica que esta deva deixar de existir. Aliás, melhor seria que [esses] dormissem mesmo para que, não sendo obrigados a participar das vigílias, pudessem ao menos preservar a sua castidade. Ora, se uma coisa foi feita boa, ela não pode ser má se for feita muitas vezes. E se existe aí alguma falta a ser combatida, a censura não consiste em ser feita várias vezes, mas por ter sido feita uma única vez. Portanto, nós [também] não deveríamos realizar a vigília da Páscoa, pois poderíamos temer que adúlteros pudessem aproveitar para satisfazer seus desejos [sexuais] duramente reprimidos, ou que certa esposa pudesse encontrar a oportunidade certa para pecar sem que suscitasse desconfiança contra ela da parte de seu marido. [Na verdade,] as ocasiões em que raramente se recorre são justamente aquelas em que surgem os maiores desejos.

( Tradução: José Fernandes Vidal e Carlos Martins Nabeto – Central de Obras do Cristianismo Primitivo)

Veja Também:: Capítulos 1 | Capítulo 2 | Capítulo 3 | Capítulo 4 | Capítulo 5 | Capítulo 6 | Capítulo 7 | Capítulo 8

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

JMJ Rio2013 – O que está acontecendo? Fique por dentro!

Inscrições abertas para o Festival da Juventude

Já pensou em fazer parte da programação oficial da Jornada Mundial da Juventude Rio2013? É possível se apresentar em palcos e teatros do Rio de Janeiro. Para isso, os grupos devem se inscrever para participar do Festival da Juventude, que acontecerá de 22 a 28 de julho de 2013.

As inscrições vão até o dia 15 de dezembro 2012 e estarão sob a responsabilidade do Setor de Atos Religiosos e Culturais do Comitê Organizador Local (COL).

As categorias do Festival da Juventude são: Música, Artes Cênicas (teatro e dança) e Exposição. Podem ser feitas inscrições nas três categorias. E o grupo pode se inscrever com mais de uma apresentação. Por exemplo: se o grupo tem mais de uma exposição, ou mais de uma apresentação artística, pode ser feita a inscrição de cada uma dessas apresentações.

Para ser selecionado, o grupo deve atender, como critérios principais, a coerência com o Magistério da Igreja e ter qualidade técnica. Para apresentações musicais, somente serão aceitas as católicas, atendendo ao requisito de coerência com o Magistério da Igreja, em qualquer ritmo.

As bandas, grupos e exposições irão se apresentar nos diversos teatros já existentes na cidade e palcos distribuídos em vários bairros. Os participantes de banda, que for aprovada para participar do Festival da Juventude, não necessariamente precisam ser peregrinos. O resultado dos selecionados será divulgado em março de 2013, com a indicação do local da apresentação.

A programação do Festival da Juventude não coincide com os horários das catequeses, que ocorrem sempre pela manhã, nem com os Atos Centrais, que acontecem sempre à noite.

O objetivo do Festival da Juventude é estabelecer um diálogo entre fé e cultura e promover o intercâmbio de cultura entre brasileiros das diversas regiões e entre os estrangeiros.
O formulário deve ser adquirido no site: http://www.rio2013.com/pt/festival-da-juventude (Adaptado do site da CNBB).

Concurso Histórias de Natal e a JMJ Rio 2013

O Concurso “Histórias de Natal”, uma iniciativa do Centro de Estudos Culturais (CEC) e do Movimento de Vida Cristã (MVC) no Brasil, cujo objetivo principal é a recuperação do sentido cristão originário do Natal, e comemora este ano a sua décima edição abordando a temática da JMJ: “Ide e fazei discípulos entre todas as nações”, e conta com o apoio oficial do Comitê Organizador Local (COL), da Jornada Mundial da Juventude Rio 2013.

Segundo a informação disponível no site do evento (www.historiasdenatal.com.br), “Histórias de Natal” um concurso artístico literário, que busca primordialmente resgatar o sentido cristão das festas natalinas e promover novos talentos literários entre crianças, jovens e adultos. Anualmente é organizado em parceria com a Fundação de Cultura e Turismo da cidade de Petrópolis (RJ), a Universidade Católica de Petrópolis e a Academia Petropolitana de Letras.

Recordando que em 2013 a cidade do Rio de Janeiro será a sede da próxima Jornada Mundial da Juventude, a temática da presente edição do concurso buscará ajudar na preparação, sobretudo dos jovens, para a JMJ Rio 2013, realçando que a mensagem do Evangelho é profundamente apelante para o jovem, que é por natureza um buscador da verdade, de um sentido autêntico para sua vida.“A busca de um amor verdadeiro é também uma característica do jovem. Sempre estamos à procura de alguém que nos ame de verdade, por causa de quem somos e não superficialmente, alguém que esteja disposto a dar a sua vida por nós. Esse amor autêntico por nós o encontramos em Jesus, quem nos ensina também a amar da mesma maneira aos nossos semelhantes. Ele nos ensina que há maior alegria em dar do que em receber. É um caminho apaixonante, uma verdadeira aventura, que tem como ponto de partida a experiência do imenso amor que Jesus tem por mim”, afirma o texto disponível no site do Movimento de Vida Cristã (www.vidacrista.org.br), uma das entidades responsáveis pela realização anual do evento.

A premiação do Concurso Histórias de Natal deste ano consistirá em um tablet para o primeiro colocado de cada uma das categorias (crianças, jovens e adultos), livros e certificados para os cinco primeiros de cada categoria. As inscrições podem ser feitas de maneira gratuita no site do Concurso (http://www.vidacrista.org.br/historiasdenatal/inscricao), onde também se encontra mais informações e um histórico das nove primeiras edições do evento.

Os participantes poderão enviar seus contos de qualquer lugar do Brasil. Estes serão recebidos até o dia 15 de novembro de 2012. O encerramento do Concurso e a premiação acontecem na segunda quinzena de dezembro, na cidade de Petrópolis/RJ (Adaptado de ACI Digital).

Por onde andam a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora?

Foto: Voz da Imaculada/Jovens Conectados.
Bote Fé – Chegada dos símbolos em Benjamin Constant/AM, em 08 de setembro de 2012.

E a peregrinação dos Símbolos avança pelo solo (e pelas águas) do Brasil, como um resgate da missionariedade na Terra de Santa Cruz. Proclamamos a vitória da Cruz neste país abençoado e o consagramos à proteção da Virgem Santíssima. Não pude deixar de postar linda foto que registrou o momento da chegada na Paróquia de Benjamin Constant, na Amazônia.

Em Manaus…

Milhares de jovens acolheram os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no sambódromo de Manaus (AM), para o show Bote Fé, na tarde deste sábado (22). Até as 23h, apresentam no palco do evento nomes da música católica como Dunga, Cleiton Saraiva e Jake, entre outros.

A relação entre a juventude e a mídia foi o tema do momento seguinte da peregrinação. Os jovens levaram os Símbolos até as sedes das TV Amazônica e da TV A Crítica. Os jovens pediram aos meios de comunicação que não se limitem a mostrar os estereótipos comuns sobre a juventude, mas que busquem mostrar também sua verdade. Foram lidos ainda trechos da carta do Papa Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações de 2011, em que ele as redes sociais exorta os cristãos a divulgarem o Evangelho na Internet.

Depois, o Ícone e a Cruz foram levados às paróquias Nossa Senhora de Nazaré, onde houve um encontro com universitários; e São Geraldo, onde os Símbolos foram acolhidos por imigrantes haitianos, colombianos e bolivianos, além de migrantes de outras regiões da Amazônia.

Dom Mário Antônio da Silva, bispo auxiliar de Manaus, que acompanha as expressões juvenis da arquidiocese, explicou que a está sendo estruturada um Setor Juventude arquidiocesano. Para ele, a peregrinação dos símbolos é um momento muito importante para a articulação das pastorais, movimentos, associações e novas comunidades que atuam com os jovens na capital amazonense.

“Esse evento está confirmando esse processo da nossa juventude de ser uma Igreja muito atuante. Os nossos jovens têm sempre correspondido aos apelos da nossa arquidiocese, para os momentos de celebração e união. Temos esperança que o Setor Juventude vai gerar vida para a juventude do Amazonas”, disse.

Também de acordo com o bispo a peregrinação dos símbolos não é um evento isolado. “É um processo não só para a JMJ, mas para uma Igreja mais dinâmica naquilo que compreende a missionariedade, seguimento a Cristo, imitação a Maria, no amor ao serviço de Jesus”. (Adaptado do site Jovens Conectados).

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Santo do Dia: Santo André Kim e companheiros mártires

Santo André Kim e companheiros mártires

Tornamos célebre neste dia o testemunho dos 103 mártires coreanos que foram canonizados pelo Papa João Paulo II, na sua visita a Seul em maio de 1984.

Tudo começou no Século XVII, com o interesse pelo Cristianismo por parte de um grupo de letrados que ao lerem o livro do missionário Mateus Ricci com o título “O verdadeiro sentido de Deus”, tiveram a iniciativa de encarregar o filho do embaixador coreano na China, na busca das riquezas de Jesus Cristo. Yi Sung-Hun dirigiu-se ao Bispo de Pequim que o catequizou e batizou, entrando por aí a Boa Nova na Coréia, ou seja, por meio de um jovem e ousado leigo cristão que, com amigos, fundaram uma primeira comunidade cristã.

Com a eficácia do Espírito, começaram a evangelizar de aldeia em aldeia ao ponto de somarem, em dez anos, dez mil testemunhas da presença do Ressuscitado.

Várias vezes solicitaram do Bispo de Pequim o envio de sacerdotes, a fim de organizarem a Igreja. Roma, porém, era de difícil acesso e o Papa sofria com a prepotência de Napoleão, resultado: somente a Igreja pôde socorrer aos cristãos coreanos, trinta anos depois, quando os cristãos coreanos tinham sido martirizados aos milhares, juntamente com os 103 mártires, dentre estes: André Kim, o primeiro padre coreano morto em 1845; dez clérigos e 92 leigos.

Alguns testemunhos ficaram gravados, e dentre tantos: “Dado que o Senhor do céu é o Pai de toda a humanidade e o Senhor de toda a criação, como podeis pedir-me para o trair? Se neste mundo aquele que trair o pai ou a mãe não é perdoado, com maior razão, não posso nunca, trair aquele que é o Pai de todos nós!” (Teresa Kwon).

Os primeiros mártires coreanos escreveram, com sangue, as primeiras páginas da história na Igreja da própria pátria. Na data da canonização, bicentenária do início da evangelização da Coréia, esta nação contava com 1.4000.000 católicos, 14 Dioceses, 1.200 sacerdotes, 3.500 religiosos e 4.500 catequistas, atestando mais uma vez a frase de Tertuliano:

“O sangue dos mártires é sangue de novos cristãos!”

Santo André Kim e companheiros mártires, rogai por nós!

Série Espiritualidade: Como neste Sacramento se mostra ao homem a grande bondade e caridade de Deus

Do livro “A Imitação de Cristo”

A Voz do discípulo: Confiado, Senhor, na vossa bondade e grande misericórdia, a vós me chego, qual enfermo ao médico, faminto e sequioso à fonte da vida, indigente ao Rei do céu, servo ao Senhor, criatura ao Criador, desconsolado ao meu piedoso Consolador. Mas donde me vem a graça de virdes a mim? Quem sou eu, para que vós mesmos vos ofereçais a mim? Como ousa o pecador aparecer diante de vós? e vós, como vos dignais vir ao pecador? Conheceis vosso servo e sabeis que nenhum bem há nele para que lhe presteis esse benefício. Confesso, pois, minha vileza, reconheço vossa bondade, louvo vossa misericórdia e dou-vos graças por vossa excessiva caridade. Por vós mesmos fazeis isso, não por meus merecimentos, mas para que vossa bondade me seja mais manifesta, maior caridade me seja infundida e a caridade me seja mais perfeitamente recomendada. Pois que assim vos apraz e assim ordenastes, a mim também me agrada vossa condescendência, e oxalá não ponham estorvo meus pecados!

Ó dulcíssimo e benigníssimo Jesus! louvor vos devo pela participação do vosso sacratíssimo corpo, cuja existência ninguém pode explicar! Mas que hei de pensar nesta comunhão, chegando-me a meu Senhor, a quem não posso devidamente honrar, e todavia desejo receber com devoção? Que coisa melhor e mais salutar posso pensar, senão humilhar-me totalmente diante de vós e exaltar vossa infinita bondade para comigo? Eu vos louvo, Deus meu, e vos engrandeço para sempre. Desprezo-me e a vós me submeto no abismo de minha vileza.

Vós sois o Santo dos santos, e eu a escória dos pecadores. Vós baixais para mim, que não sou digno de levantar os olhos para vós. Vindes a mim, quereis estar comigo, convidais-me ao vosso banquete. Quereis dar-me o alimento espiritual e o pão dos anjos, que outro, na verdade, não é senão vós mesmos, pão vivo, que descestes do céu e dais a vida ao mundo.

Eis a fonte do amor, donde resplandece a vossa misericórdia! Que ações de graças vos são devidas por este benefício! Oh! quão salutar e proveitoso foi o vosso desígnio, em instituir este Sacramento! Quão suave e delicioso banquete, em que a vós mesmos vos destes em alimento! Quão admiráveis, Senhor, são vossas obras, quão inefável vossa verdade! Porque dissestes – e tudo se fez, e fez-se aquilo que ordenastes.

Coisa maravilhosa e digna de fé e acima de toda compreensão humana é que vós, Senhor, meu Deus, verdadeiro Deus e homem, estejais todo inteiro debaixo das insignificantes espécies de pão e vinho, e, sem serdes consumido, alimentais aquele que vos recebe. Vós, Senhor do universo, que não precisas de coisa alguma, quisestes morar em nós por vosso Sacramento; conservai meu coração e meu corpo sem mancha, para que com alegre e pura consciência possa muitas vezes celebrar e receber vossos mistérios, para minha eterna salvação, visto que os instituístes e ordenastes principalmente para vossa honra e perpétua lembrança.

Regozija-te, minha alma, e agradece a Deus tão excelente dádiva e singular consolação, que ele te deixou neste vale de lágrimas. Porque todas as vezes que celebrares este mistério e receberes o corpo de Cristo, renovas a obra de tua redenção e te tornas participante de todos os merecimentos de Cristo. Pois a caridade de Cristo nunca se diminui, nem se esgota jamais a grandeza de sua propiciação. Por isso te deves preparar sempre para este ato pela renovação do espírito, e considerar com atenção este grande mistério de salvação. Tão grande, novo e delicioso se te deve afigurar, quando celebras ou ouves Missa, como se Cristo no mesmo dia descesse pela primeira vez ao seio da Virgem e se fizesse homem, ou como se, pendente da cruz, padecesse e morresse pela salvação dos homens.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Contra Vigilâncio:: Escritos de São Jerônimo – Capítulo 8

Coloco aqui mais um capítulo dos discursos de São Jerônimo contra Vigilâncio. Neste começaremos a ler o embate entre São Jerônimo e Vigilâncio. São Jerônimo irá nos “armar” de argumentos contra os vigilâncios atuais.

Capítulo VIII

Estaria o bispo de Roma equivocado quando oferece sacrifícios ao Senhor sobre os veneráveis ossos dos falecidos Pedro e Paulo, do modo como já dissemos, mas de acordo com você (Vigilâncio), sobre um punhado de poeira sem valor, julgando que seus túmulos não são dignos de ser altares de Cristo? E não seria este o único bispo de uma cidade a estar equivocado, mas os bispos de todo o mundo já que, ao contrário do sustentador de tavernas Vigilâncio, entram nas basílicas dos mortos, onde “um punhado de poeira e cinzas sem valor encontram-se envoltos em um pedaço de pano” encardido ou encardindo. Assim, segundo você, os templos sagrados são como os sepulcros dos fariseus, caiados por fora, enquanto que por dentro resta a imundície, estando cheios de podridão e odores fétidos. E então ele (Vigilâncio) atreve-se a vomitar suas porquices sobre esta questão e afirma: “Será que as almas dos mártires amam tanto suas cinzas que acabam permanecendo em torno delas, para que, estando sempre presentes não fiquem tristes por surgir ali alguém para rezar, pois se estivessem ausentes, não conseguiriam ouvir?” Ó, monstro, que merece ser banido para os confins da terra! Você (Vigilâncio) ri das relíquias dos mártires e na companhia de Eunômio, pai desta heresia, calunia as igrejas de Cristo? Você não se preocuopa em andar com tal companhia e prega contra nós as mesmas coisas que ele levanta contra a Igreja? Todos os seus seguidores se recusam a entrar nas basílicas dos Apóstolos e mártires, porém, contraditoriamente, eles adoram o falecido Eunômio, cujos livros eles consideram de maior autoridade que os Evangelhos. E eles também crêem que a luz da verdade estava nele assim como alguns outros hereges sustentavam que o Paráclito teria vindo em Montano ou que o próprio Maniqueu era o Paráclito. Você não pode mesmo encontrar uma ocasião de orgulho para supor que é o inventor dessa nova espécie de maldade, sendo que essa sua heresia já foi outrora levantada contra a Igreja. Ela encontrou, porém, um oponente em Tertuliano, um homem de grande sabedoria, que escreveu um famoso tratado que ele corretamente intitulou “Scorpiacum”, porque assim como o escorpião dobra-se como um arco para infligir o ferimento, também o que era formalmente conhecido como “a heresia de Caim” infere veneno no corpo da Igreja. Tal acusação repousou, ou melhor, ficou sepultada por um longo tempo, mas agora ressurge graças a Dormilâncio. Eu fico surpreso de ver você (Vigilâncio) omitir então que não deveria haver martírios, já que Deus, que não quer o sangue de bezerros e bois, muito menos poderia querer o sangue dos homens. É exatamente esta a sua conlusão, ou melhor, se você não afirma isso [explicitamente], ao menos é esta a conclusão que [implicitamente] se chega. E se [você] mantiver a idéia de que as relíquias dos mártires devem ser pisoteadas, acabará também por concluir que o derramamento de sangue que sofreram não é digno de qualquer honra.

( Tradução: José Fernandes Vidal e Carlos Martins Nabeto – Central de Obras do Cristianismo Primitivo)

Veja Também:: Capítulos 1 | Capítulo 2 | Capítulo 3 | Capítulo 4 | Capítulo 5 | Capítulo 6 | Capítulo 7

Siga-nos e fique por dentro das novidades: