Vida de Hilarião:: Escritos de São Jerônimo – Capítulo 2

“Uma rosa entre os espinhos”. Assim São Jerônimo começa a descrever São Hilarião. Podemos observar que, no primeiro capítulo, São Jerônimo esmiuçou (em detalhes) desde a partida de São Hilarião à Alexandria até sua ida ao deserto.

Neste período de deserto, vimos que Hilarião se dedica a permanecer firme em sua Fé que aumentou nos tempos em que observava Antonio em seu dia-a-dia.

São Jerônimo, iluminado pelo Espírito Santo, nos descreve em riqueza de detalhes como viveu São Hilarião, desde as roupas usadas até em como cortava seus próprios cabelos, passando pelo tipo de comida, quantidade, frequência…

Em meios aos detalhes, é importante ressaltar que as tentações espreitavam São Hilarião em todos os momentos.

Um dos ensinamentos do primeiro capítulo que podemos tirar é que “Vida em Oração”, “Jejum” e “Conhecimento da Palavra” nos coloca a cada dia mais em direção à Santidade. Tomados destas gotas que São Jerônimo nos presenteou, vamos ler mais um capítulo!!!

A PRIMEIRA SÉRIE DE MILAGRES

A mulher sem filhos. Já estava há vinte e dois anos no deserto e sua fama era conhecida por todos, eis que difundida por todas as cidades da Palestina. Uma mulher de Eleuterópolis, a quem o marido desprezava em razão da sua esterilidade (durante quinze anos de matrimônio não foi capaz de produzir frutos), foi a primeira que se atreveu a apresentar-se diante de Hilarião e – sem que ele pudesse imaginar algo semelhante – repentinamente se atirou aos seus pés e lhe disse: “Perdoa o meu atrevimento, mas considera a minha necessidade. Por que afastas de mim os teus olhos? Por que foges de quem te suplica? Não me vejas como uma mulher, mas como uma aflita. O meu sexo gerou o Salvador; não são os sadios que precisam de médico, mas os doentes”. Finalmente, Hilarião lhe deu atenção – depois de tanto tempo sem ver mulher – e lhe perguntou o motivo da sua vinda e das suas lágrimas. Uma vez informando, levantou os olhos para o céu e a exortou a ter confiança e, em lágrimas, a despediu. Após um ano, teve um filho.

Aristenete. O início de seus milagres se fez ainda mais célebre quando ocorreu outro ainda maior. Quando Aristenete, mulher de Helpídio (que depois foi prefeito do pretório), muito conhecida entre os seus e mais ainda entre os cristãos, regressava com seu marido e seus três filhos após ter visitado Santo Antonio, se deteve em Gaza por causa de uma enfermidade que os havia atacado. Ali, seja pelo ar contaminado, seja – como depois de manifestou – para a glória do servo de Deus, Hilarião, todos foram atacados ao mesmo tempo por febres altas e os médicos já não esperavam recuperação. A mão jazia, gemendo em alta voz, e ia de um filho a outro, semelhantes já a cadáveres, sem saber a qual chorar primeiro. Ouvindo dizer que no deserto próximo havia um monge, deixando de lado a sua fama de senhora respeitável – considerando apenas seu instinto materno – para lá se dirigiu acompanhada de donzelas e eunucos. Seu marido, a duras penas, conseguiu que efetuasse a viagem montada sobre um asno. Quando chegou à presença de Hilarião, lhe disse: “Em nome de Jesus, nosso misericordiosíssimo Deus, te conjuro por sua cruz e por seu sangue que me devolvas os meus três filhos e assim seja glorificado o nome do Senhor Salvador nesta cidade pagã. Que seu servo entre Gaza e Marnas seja destruído”. Ele resistia, dizendo que nunca saíra de sua cela e que não estava habituado a entrar nas cidades, nem sequer em uma aldeia. Ela, prostrada na terra, dizia várias vezes: “Hilarião, servo de Cristo, devolva-me os meus filhos. Antonio os teve em seus braços no Egito; salvai-os tu na Síria”. Todos os presentes choravam e ele também, negando, chorou. “Que mais posso dizer?”. A mulher não partiu enquanto ele não prometesse que entraria em Gaza após o pôr-do-sol. Quando chegou ali, fazendo o sinal da cruz sobre o leito de cada um e sobre os membros acometidos pela febre, invocou o nome de Jesus e – coisa admirável! – de imediato, o suor dos enfermos começou a brotar de três fontes. Então, nessa mesma hora, se alimentaram e, reconhecendo à sua mãe que chorava, beijaram as mãos do santo, bendizendo a Deus. Quando isto aconteceu e a notícia se espalhou por todos os cantos, se dirigiram a ele multidões da Síria e do Egito, de modo que muitos passaram a crer em Cristo e abraçaram a vida monástica. Todavia, não existia monastérios na Palestina e ninguém na Síria havia conhecido um monge antes de Hilarião. Ele foi o fundador e o primeiro mestre deste estilo de vida e desta ascese naquela província. O Senhor Jesus tinha no Egito o ancião Antonio e, na Palestina, o jovem Hilarião.

Um cego vê. Facídia é um bairro de Rhinocorura, cidade do Egito. Dali levaram ao beato Hilarião uma mulher cega desde os dez anos de idade. Lhe foi apresentada por vários irmãos, muitos dos quais eram monges. Ela lhe disse que havia gasto todos os seus bens com médicos. Então ele lhe disse: “Se tivesses dado aos pobres o que perdeste com médicos, Jesus, o verdadeiro médico, te teria curado”. Como ela gritava pedindo misericórdia, ele tocou seus olhos com saliva e, em seguida, a exemplo do Salvador, ocorreu o milagre da cura.

O cocheiro de Gaza. Também um cocheiro de Gaza, que ia sentado em sua carruagem, foi atacado por um demônio. Caiu completamente imóvel, a ponto de não poder mover as mãos nem dobrar os joelhos. Colocado sobre um leito e podendo apenas mover a língua para orar, ouviu o que lhe foi dito [por Hilarião]: que não poderia sarar se não cresse em Jesus e prometesse renunciar à sua antiga profissão. Ele creu, prometeu e foi curado; e se alegrou mais pela saúde da sua alma que da de seu corpo.

Marsitas. Havia um jovem forte chamado Marsitas, do território de Jerusalém, que se gabava de possuir uma força tão grande que podia carregar durante muito tempo e por um longo caminho quinze módios de trigo. Se gloriava de possuir uma força superior à dos eqüinos. Estava possuído por um demônio muito mau e nada podia detê-lo: correntes, grilões, celas ou portas. Com suas mordidas, havia arrancado fora o nariz ou as orelhas de muitos. A um cortou os pés e a outros, a garganta. A tal ponto aterrorizava a todos que, amarrado com cordas e correntes o arrastaram ao monastério, como que a um touro enfurecido. Quando os irmãos o viram, cheios de terror – era um homem de extraordinário porte físico – avisaram o pai [Hilarião]. Este, permanecendo sentado, ordenou que o trouxessem e que o soltassem. Uma vez que o deixaram, lhe disse: “Inclina a cabeça e vem”. Ele começou a tremer e a dobrar o joelho, e nem sequer se atrevia a olhar Hilarião. Deposta sua ferocidade, começou a lamber os pés daquele que estava sentado. Assim, o demônio que havia possuído o jovem, exorcizado e castigado, saiu dele ao final de sete dias.

Orión. Tampouco podemos nos calar no que se refere a Orión, homem importante e rico da cidade de Aila, situada junto ao mar Vermelho. Estava possuído por uma legião de demônios e foi conduzido a Hilarião. Suas mãos, joelhos, quadris e pés estavam acorrentados; seus olhos, torcidos e ameaçadores, expressavam a crueldade do seu furor. Enquanto o santo caminhava com os irmãos e lhes interpretava certa passagem da Escritura, aquele escapou das mãos que o sujeitavam e, tomando Hilarião pelas costas, o levantou às alturas. Um grande clamor brotou de todos, pois temeram que destroçasse seus membros debilitados pelo jejum. O santo, sorrindo, disse: “Fiquem tranqüilos; deixem-me na arena com o meu adversário”. E, assim, passando a mão sobre os seus ombros, tocou a cabeça de Orión e, tomando-o pelos cabelos, o trouxe até seus pés, retendo-o à sua frente, com ambas as mãos, e pisando os pés daquele com os seus pés. E repetia: “Retorce-te!”. E Orión gemeu e, ajoelhando-se, tocou o solo com sua cabeça. Hilarião disse: “Senhor Jesus: liberta este desgraçado, livra este cativo; assim como vences a um, podes vencer a muitos”. E ocorreu algo inaudito: da boca do homem saíram diversas vozes, como o clamor confuso de um povo. Uma vez curado, também este, pouco tempo depois, foi ao monastério com sua mulher e seus filhos, dar graças e levar muitos presentes. O santo, então, lhe disse: “Não leste sobre como sofreram Giezei e Simão, um por haver recebido e o outro por haver oferecido dinheiro? Aquele queria vender a graça do Espírito Santo; este outro, queria comprá-la”. E como Orión, chorando, insistia: “Toma e dá aos pobres”, Hilarião respondeu: “Tu podes distribuir teus bens melhor que eu, pois percorres as cidades e conheces os pobres. Eu, que abandononei o que era meu, por que vou desejar o alheio? Para muitos, o nome dos pobres é um ocasião de avareza; a misericórdia, ao contrário, não conhece artifícios. Ninguém dá melhor que aquele que não reserva nada para si”. Orión, entristecido, jazia em terra. Hilarião, então, lhe disse: “Filho, não te entristeças! O que faço por mim, faço também por ti. Se aceitasse esses presentes, ofenderia a Deus e a legião de demônios voltaria para ti”.

O paralítico de Maiuma. E como silenciar o que diz respeito a Zanano de Maiuma? Enquanto cortava pedras retiradas da orla do mar, não muito distante do monastério de Hilarião, para uma construção, foi atacado por uma paralisia em todos os seus membros. Seus companheiros de trabalho o conduziram ao santo. Sarou imediatamente e pôde retornar à sua obra. A costa que se extende da Palestina ao Egito, suave por sua natureza, se torna áspera em razão da areia que se endurece como pedra, tornando-se paulatinamente mais sólida. Então deixa de ser areia para o tato, ainda que continue conservando tal aparência.

Itálico, criador de cavalos. Itálico, cidadão cristão da mesma localidade, criava cavalos para o circo, competindo com um magistrado romano de Gaza, que era adorador do ídolo Marnas. Nas cidades romanas se conservava, desde os tempos de Rômulo, a recordação do rapto das Sabinas, que fôra bem sucedido. Os cavaleiros, dirigindo carroças com quatro cavalos, percorrem sete vezes o circuito em honra de Conso, o deus dos conselhos. A vitória consiste em eliminar os cavalos do adversário. Como seu rival tinha um feiticeiro que, com seus encantamentos demoníacos, freava os cavalos daquele e estimulava a correr seus próprios cavalos, Itálico foi ver Hilarião e lhe suplicou não tanto para prejudicar ao adversário, mas para proteger seus animais. Ao venerável ancião não lhe pareceu razoável orar por um motívo tão fútil. Sorriu e lhe disse: “Por que não dás aos pobres o preço da venda dos teus cavalos, para a salvação da tua alma?”. Ele respondeu que se tratava de um emprego público que realizava não por vontade própria, mas por obrigação. Como cristão, não podia empregar artes mágicas, mas podia pedir ajuda a um servo de Cristo, especialmente contra os habitantes de Gaza, inimigos de Deus, que insultavam não tanto a ele como a Igreja de Cristo. A pedido dos irmãos que se encontravam presentes, Hilarião ordenou que enchessem de água o vaso de terracota em que ele costumava beber e o dessem àquele homem. Itálico o levou e roçou com ele o estábulo, os cavalos e seus cocheiros, o coche e as celas do recinto. Era extraordinária a expectativa do povo. O adversário ironizava, satirizando esse gesto, mas os partidários de Itálico exultavam, prometendo uma vitória segura. Dado o sinal, uns correram rapidamente enquanto que outros [, os do magistrado,] foram impedidos. Sob o coche daqueles, as rodas ardiam; estes, por outro lado, viam apenas o afastamento daqueles, que se adiantavam como se estivessem voando. Então se elevou um grandiosíssimo clamor entre a multidão, ao ponto que também os pagãos gritaram: “Marnas foi vencido por Cristo”. Os adversários de Hilarião, furiosos, pediram para que este, como feiticeiro dos cristãos, fosse levado ao suplício. A vitória indiscutível daqueles jogos de circo e os outros feitos precedentes foram ocasião para que um grande número de pagãos abraçassem a fé.

Uma jovem libertada de um encantamento mágico. Um jovem do mesmo mercado de Gaza, amava perdidamente uma virgem de Deus que morava ali perto. Não havia tido êxito nem com suas freqüentes bajulações, nem com seus gestos e assobios, nem outras coisas semelhantes que podem ser o começo para a morte da virgindade. Então foi a Mênfis para revelar sua ferida de amor, regressar e ver a donzela caída por artes mágicas. Depois de um ano, instruído pelos sacerdotes de Esculápio – que não curam as almas mas as perdem – retornou com o propósito de estuprá-la, como havia antecipado em sua imaginação. Enterrou sob o umbral da casa da donzela certas palavras e figuras estranhas gravadas sobre uma mina de bronze do Chipre. De repente, a virgem enlouqueceu, arrancou o véu, soltou os cabelos e, rangendo os dentes, chamava o jovem aos gritos. A veemência do amor havia se convertido em loucura. Então foi levada por seus pais ao monastério e recomendada ao ancião. O demônio uivava e declarava: “Sofri violência! Fui trazido aqui contra a minha vontade! Com meus sonhos enganei os homens em Mênfis! Quantas cruzes, quantos tormentos estou sofrendo! Me obrigas a sair, porém estou preso sob o umbral! Não posso sair se não me soltar o jovem que me retém!”. Então o ancião lhe disse: “Grande é a tua força por te reterdes em troca de um cordão de uma mina! Diz-me: por que te atreveste a entrar em uma donzela consagrada a Deus?”. Respondeu aquele: “Para conservá-la virgem”. [Disse Hilarião:] “Irás conservá-la? Tu, inimigo da castidade? Por que não entraste naquele que te enviou?”. Porém, ele respondeu: “Por que iria entrar nele, se ele já tem um colega meu, o demônio do amor?”. O santo quis purificar a virgem antes de mandar buscar o jovem e seus objetos mágicos. Assim não pareceria que o demônio só se retiraria porque os encantamentos foram pagos ou porque se dera crédito às palavras do demônio, justamente ele que assegurava que os demônios são mentirosos e astutos em fingimento. Por isso, depois de devolver a saúde à virgem, a repreendeu ásperamente por ter feito algo que permitiu ao demônio entrar nela.

Um oficial de Constâncio libertado. A fama do santo se havia espalhado não apenas pela Palestina e cidades vizinhas do Egito e Síria, mas já chegara às províncias afastadas. Um oficial do Imperador Constâncio, que pela cabeleira ruiva e brancura de seu corpo indicava a província de onde provinha (seu povo natal está situado entre os saxões e os alemães, região não tão extensa quanto forte, chamada Germânia pelos historiadores e, agora, França), há muito tempo, desde sua infância, estava possuído por um demônio que o obrigava a gritar durante a noite, a gemer e a ranger os dentes. Em segredo, pediu ao imperador um salvo-conduto para ver o ancião, indicando cuidadosamente o motivo. Também recebeu cartas para o governador da Palestina e foi conduzido a Gaza com grande honra e escolta. Quando perguntou aos decuriões desse lugar onde habitava o monge Hilarião, os cidadãos de Gaza ficaram aterrorizados, pensando que havia sido enviado pelo imperador. O levaram ao monastério para honrar ao emissário e, deste modo, se em algo tinham ofendido a Hilarião, com este gesto se desculpariam. Neste momento, o ancião passeava pelas areias suaves, murmurando para si os versos de algum salmo. Ao ver tanta gente que se aproximava, se deteve, saudou a todos e os abençoou com a mão. Depois de uma hora, despediu aos outros, que se foram, e disse ao visitante que ali ficasse com seus servidores e guardas. Pela expressão dos seus olhos e do seu rosto, compreendeu o motivo da sua vinda. De imediato, ante a pergunta do servo de Deus, o homem foi elevado ao alto, de modo que apenas tocava a terra com os pés, e, com um fortíssimo rugido, respondeu na língua síria, na qual foi interrogado. Viu-se sair da boca daquele bárbaro – que só conhecia a língua franca e a latina – palavras sírias com uma pronúncia bem pura. Não faltavam os estridores, nem as aspirações, nem nenhuma outra característica da linguagem palestinense. O demônio confessou de que modo havia entrado nele e, para que pudessem compreender os intérpretes, que só conheciam o grego e o latim, Hilarião também o interrogou em grego. Ele respondeu e fez alusão aos numerosos ritos de encantamento e procedimentos infalíveis das artes mágicas. Hilarião lhe disse: “Não me interessa saber como entraste, porém te ordeno que saias em nome de nosso Senhor Jesus Cristo”. Quando foi curado, o bárbaro ofereceu, com ingenuidade, dez libras de ouro. Ele recebeu de Hilarião um pão de cevada e o ouviu dizer que quem comia desse pão considerava o ouro como barro.

Animais curados. Porém, não basta falar dos homens. Todos os dias levavam até ele animais furiosos. Por exemplo: um dia levaram-lhe um camelo de enorme tamanho, conduzido por mais de trinta homens e amarrado com fortes cordas, em meio a grandes gemidos. Já havia pisoteado a muitos. Seus olhos estavam cheios de sangue, saía espuma da sua boca e movia a língua inchada. Porém, o que atemorizava mais era o barulho dos seus ferozes rugidos. O ancião ordenou que o desamarrassem. Imediatamente, tanto os que haviam trazido [o animal], como os que estavam com o ancião, fugiram, sem exceção, para todas as direções. Então ele avançou ao encontro do animal e lhe disse: “Diabo, não me assustas com esse teu imenso corpo. Em uma raposa ou em um camelo, és sempre o mesmo”. E assim se mantinha firme, com a mão estendida. Quando a besta, furiosa, se cercou dele como que para devorá-lo, subitamente desaprumou e caiu com a cabeça sobre a terra. Todos os presentes se maravilharam ao ver tão repentina mansidão, após tanta ferocidade. O ancião os ensinava que, para prejudicar os homens, o diabo atacava também os animais domésticos; que nutria um ódio tão grande contra os homens que queria fazê-los perecer, não apenas eles, como também suas posses. Para ilustrar isto, propunha o exemplo de Jó: antes de obter a permissão para tentar [o homem], o diabo havia destruído todos os seus bens. E a ninguém devia perturbar o fato de que, por ordem do Senhor, dois mil porcos foram aniquilados pelos demônios. De outro modo, os que presenciaram esse fato não teriam acreditado que uma tal multidão de demônios pudesse sair de um só homem, se não vissem com seus próprios olhos, semelhante quantidade de porcos precipitando-se ao mar, ao mesmo tempo.

(Postagem: Paulo Praxedes – Equipe do Blog Dominus Vobiscum / Tradução: Carlos Martins Nabeto – Central de Obras do Cristianismo Primitivo)

Veja Também:: Prólogo | Capítulo 1

Até o próximo post! Não se esqueça de clicar na imagem abaixo e votar!

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

2 comentários sobre “Vida de Hilarião:: Escritos de São Jerônimo – Capítulo 2

  1. Pingback: Vida de Hilarião:: Escritos de São Jerônimo – Capítulo 3 « Dominus Vobiscum

  2. Pingback: Vida de Hilarião:: Escritos de São Jerônimo – Capítulo 4 « Dominus Vobiscum

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s