Bispo de Bragança Paulista expulsa comunidade monástica de sua diocese

Uma situação um tanto quanto inusitada está deixando muitos católicos confusos: O Bispo da Diocese de Bragança Paulista, Dom Sérgio Aparecido Colombo decidiu expulsar da sua diocese o Mosteiro Carmelita Eremita em Atibaia coordenado pelo Frei Tiago de São José, que já estava na diocese cerca de onze anos. Para saber mais do mosteiro, clique aqui.

Existem divergências sobre o real motivo da expulsão. Em uma carta aberta para toda diocese, Dom Sérgio afirma que o ato foi necessário tendo em vista a desobediência do Frei Tiago em diversas ocasiões e muitas irregularidades encontradas pelo clero com relação ao mosteiro. Porém para aqueles que defendem a permanência do mosteiro na diocese, a decisão foi em vista de o mosteiro celebrar regularmente as suas missas no Rito Tridentino.

É importante frisar que o Rito Tidentino é a Forma Extraordinária do Rito Romano. É a liturgia da Igreja Católica que era usada antes da reforma do Concílio Vaticano II. É chamada de Missa “Tridentina” porque “Tridentino” se refere ao Concílio de Trento (1545-1563), que unificou a prática litúrgica na Igreja Ocidental.

O Papa Bento XVI em 2007 escreveu o “Summorum Pontificum”, onde indicou que as Missas Tridentinas devem ser disponibilizadas em cada paróquia, sempre que grupos de fiéis desejarem, e onde um padre foi treinado para celebrá-la. Ele também afirmou que a Missa do Missal Romano em uso desde 1970 continua a ser a forma ordinária da missa, enquanto a celebração da Missa Tridentina é a forma extraordinária.

O documento não exige que todas as paróquias sejam obrigadas a estabelecer automaticamente uma programação Missa Tridentina, mas disse que quando “um grupo de fiéis ligados à prévia tradição litúrgica existe de maneira estável”, o pastor deve “voluntariamente aderir” ao seu pedido para fazer a massa disponível.

Apesar de ter a força de um documento redigido e assinado pelo Papa, a Carta Apostólica tem sido objeto de contestação no Brasil por parte de alguns eclesiásticos. Dom Aloísio Roque Oppermann, Arcebispo Emérito de Uberaba, objeta que a Missa Tridentina é incompreensível, seca e utiliza o Latim, uma língua misteriosa. Dom Paulo Sérgio Machado, Bispo de São Carlos, considera que os que preferem a Missa Tridentina são uma minoria moralista de pessoas puritanas, retrógradas, com uma mórbida aversão às mudanças e ao novo.

Por outro lado, mais de 30 cardeais, acatando filialmente as determinações do Papa, já participaram de cerimônias em Latim segundo a Forma Extraordinária do Rito romano, após a entrada em vigor do motu proprio Summorum Pontificum.

No Brasil, mais de 17 arcebispos e bispos também o fizeram, dentre os quais: Dom Orani João Tempesta, Arcebispo do Rio de Janeiro; Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo de Belém do Pará; Dom Alano Maria Pena, Arcebispo Emérito de Niterói; Dom Luciano Bergamin, Bispo de Nova Iguaçu; Dom Fernando José Monteiro Guimarães, Bispo de Garanhuns; Dom Gregório Paixão, Bispo Auxiliar de Salvador; Dom Pedro Luiz Stringhini, Bispo de Franca; Dom Diógenes Silva Matthes, Bispo Emérito de Franca; Dom Mário Rino Sivieri, Bispo de Propriá e Dom Henrique Soares da Costa, Bispo Auxiliar de Aracaju.

A situação acabou ganhando um certo grau de complexidade, quando os fieis católicos amigos dos monges passaram a denunciar certos abusos doutrinais em sites ligados a diocese e ao movimento chamado PJ – Pastoral da Juventude – com raízes profundas na Teologia da Libertação, que é uma teologia contestada e combatida na Igreja, inclusive pelo Santo Padre Bento XVI. Estes mesmos “amigos do mosteiro” estão fazendo um abaixo-assinado na tentativa de fazer o bispo de Bragança Paulista repensar a situação (Para assinar a petição clique aqui).

Quanto a mim, ainda é cedo para dar uma opinião, haja vista que eu não conheço o mosteiro e muito menos a diocese. Todo caso eu particularmente acho estranho a diocese fechar os olhos para os abusos da TL e ser tão rigorosa com os monges. Além do mais, o bispo quando acusa o Frei Tiago de desobediência e irregularidades, não especifica quais seriam estas desobediências e estas irregularidades. Penso que em tempos onde a informação precisa chegar completa para atingir a devida eficácia, deve-se explicitar melhor o caso. Porém opiniões a parte, esperamos que toda esta celeuma seja resolvida o quanto antes, pois pelo sim pelo não, muitos fiéis da região se beneficiavam com os serviços do mosteiro (missas, confissões, atendimentos, sacramentos e etc.) estão sofrendo com tudo isso.

Estaremos atentos a esta situação, mostrando para você todas as notícias a respeito deste caso. E que a Igreja de Cristo prevaleça diante de toda esta situação lamentável!

Dominus Vobiscum

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  
Anúncios

Ministro não ordenado da palavra. Com a graça de Deus!

Ontem na Festa de Cristo Rei, o Bispo de Osasco (Dom Ercílio Turco) deu a investidura a 6.000 ministros não ordenados.

Pax Domini! Passei um tempo afastado do blog devido as provas e trabalhos da faculdade. Mas gostaria de partilhar com vocês uma graça recebida ontem, aqui na diocese de Osasco: Ontem, mais de 6.000 leigos receberam a investidura para serem ministros não ordenados da igreja, e entre eles eu! Foi uma missa linda e muito significativa para todos os leigos que receberam a graça de poder servir a sua comunidade.

Mas o que é essa história de ministro não ordenado? Bom algumas pessoas conhecem por ministros extraordinários, ou seja, leigos que recebem do bispo a autorização para realizar uma determinada função, caso o sacerdote não possa executá-la naquele momento. Entre estes serviços podemos destacar:

  • Ministros extraordinários da Comunhão;
  • Ministros extraordinários da Celebração da Palavra;
  • Ministros extraordinários das Exéquias;
  • Ministros extraordinários dos Enfermos;
  • Testemunhas qualificadas para o matrimônio.

Esta investidura não é permanente. Ele tem um período pré-definido (aqui na diocese de Osasco tem a duração de três anos) e o ministro deve executar a sua missão como já disse anteriormente, quando não houver um ministro ordinário (ou seja um presbítero) que possa fazê-lo. O mandato só tem validade na paróquia em que o ministro serve, por isso ele não pode sair por ai de capela em capela exercendo seu ministério.

Eu (Cadu) e minha mãe recebendo a investidura de Ministros Não ordenados. Eu recebi a graça de por três anos ser Ministro Extraordinário da Palavra. Minha mãe será Ministra extraordinária das exéquias e da comunhão.

É missão do padre distribuir a eucaristia, ministrar a palavra, dar a unção dos enfermos, testemunhar os casamentos e visitar os doentes, porém em algumas comunidades sabemos que o padre não pode estar em vários lugares ao mesmo tempo, e por isso ele escolhe da comunidade alguns fiéis para ajudá-lo em caso de necessidade.

“A igreja, para cumprimento de sua missão, conta com uma diversidade de ministérios. Ao lado dos ministérios hierárquicos, a Igreja reconhece o lugar de ministros desprovidos de ordem sagrada” (Puebla 804).

Os ministros não ordenados devem ser escolhidos entre os membros da comunidade e devem ser pessoas idôneas e com boa prática cristã. Na maior parte das dioceses, os candidatos, antes de assumirem as suas funções, recebem uma formação litúrgica e doutrinal que lhes permitem exercer a sua função com a máxima dignidade e decoro. No fim de tal formação, são admitidos pelo bispo às funções para que foram escolhidos, o que nalguns casos é feito numa celebração litúrgica.

A Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, de acordo com o Papa João Paulo II, declarou, na instrução Redemptionis Sacramentum que “se habitualmente estiver disponível um número de ministros sagrados suficiente para a distribuição da Sagrada Comunhão, não se podem designar para esta função ministros extraordinários da Sagrada Comunhão. Em tais circunstâncias, aqueles que estejam designados para tal ministério não o exerçam. É reprovável a prática daqueles Sacerdotes que, embora estejam presentes na celebração, se abstêm de distribuir a Comunhão, encarregando os fiéis dessa função.”

Agradecemos ao nosso bispo Dom Ercílio, ao nosso pároco padre Henrique e a toda comunidade pela confiança recebida. Estamos a serviço.

Ontem eu louvei ao Senhor pela missão que Ele me confiou e de fato me disponho a ajudar os irmãos  celebrando a palavra sempre que necessário. Aqui na nossa paróquia, é raro haver celebrações, até porque temos dois sacerdotes que são muito comprometidos com a comunidade. Mas quando precisarem, eis-me aqui!

Dominus Vobiscum

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Agradecimentos!

Pax Domini!

Queremos agradecer a você que votou no nosso blog para o TOPBLOG 2012. Nós estávamos concorrendo na categoria religião, mas infelizmente não nos classificamos para a grande final. Mas queremos agradecer a você que nos ajudou neste concurso votando no nosso blog. Deixamos aqui o nosso muito obrigado a todos que visitam este blog e apoiam este apostolado.

Sabemos que muitas pessoas visitam este espaço quase que diariamente, e tem este espaço virtual como fonte de formação e informação a respeito da fé católica. Por isso reafirmamos para você nosso empenho em continuar trabalhando para fazer com que todos os católicos que nos visitam, possam continuar descobrindo, ou redescobrindo, as riquezas da fé católica, como textos antigos, orações, catequeses e ensinamentos sobre a nossa formação católica.

Deus abençoe você ricamente! Equipe Dominus Vobiscum!

Siga-nos e fique por dentro das novidades: