Série Espiritualidade: “Regra de São Bento”

Queridos irmãos, iniciamos hoje mais uma “Série Espiritualiade” no nosso blog, e, para tanto, gostariamos de trazer-lhes neste novo ano da série, um presente, para uso diário, e sempre que você dele necessitar: a Regra de São Bento!

A Regra de São Bento, com seu prólogo e 73 capítulos, serve como norma de vida para os beneditinos desde os idos do século VI. Foi escrita pelo próprio São Bento, provavelmente em etapas sucessivas, entre os anos 520 e 547, no Mosteiro de Monte Cassino, Itália.

Enraizada na Sagrada Escritura e na literatura monástica, inclui 126 citações explícitas da Bíblia. É uma regra vivida, feita da experiência e percepção. Mesmo que vários detalhes não sejam mais observados em nosso tempo, a Regra nos providencia um estilo de vida equilibrado juntando a oração comunitária e pessoal, o trabalho e a vida fraterna.

No seu Prólogo, São Bento diz que devemos constituir “uma escola de serviço do Senhor, onde com o progresso da vida monástica e da fé pode-se correr com o coração dilatado e com uma indizível doçura de amor o caminho da salvação”.

Tanto pelos seus conselhos sábios quanto pelos seus apelos em prol das atitudes positivas, a Regra serve como um guia espiritual também para nós, os leigos, visto que nos apresenta um caminho de prudência, espiritualidade e fraternidade, sempre em busca da Salvação…

Vamos, então, começar a aproveitar diariamente este presente deixado por São Bento, exemplo de virtude, fé e obediência ao chamado de Deus?!

Boa leitura, e que Deus te abençoe!!!!

stbenedictPrólogo

1. Escuta, filho, os preceitos do Mestre, e inclina o ouvido do teu coração; recebe de boa vontade e executa eficazmente o conselho de um bom pai 2. para que voltes, pelo labor da obediência, àquele de quem te afastaste pela desídia da desobediência. 3. A ti, pois, se dirige agora a minha palavra, quem quer que sejas que, renunciando às próprias vontades, empunhas as gloriosas e poderosíssimas armas da obediência para militar sob o Cristo Senhor, verdadeiro Rei.

4. Antes de tudo, quando encetares algo de bom, pede-lhe com oração muito insistente que seja por ele plenamente realizado 5. a fim de que nunca venha a entristecer-se, por causa das nossas más ações, aquele que já se dignou contar-nos no número de seus filhos 6. assim, pois, devemos obedecer-lhe em todo tempo, usando de seus dons a nós concedidos para que não só não venha jamais, como pai irado, a deserdar seus filhos 7. nem tenha também, qual Senhor temível, irritado com nossas más ações, de entregar-nos à pena eterna como péssimos servos que o não quiseram seguir para a glória.

8. Levantemo-nos então finalmente, pois a Escritura nos desperta dizendo: “Já é hora de nos levantarmos do sono”. 9. E, com os olhos abertos para a luz deífica, ouçamos, ouvidos atentos, o que nos adverte a voz divina que clama todos os dias: 10. “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não permitais que se endureçam vossos corações” 11. e de novo: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça o que o Espírito diz às igrejas”. 12. E que diz? – “Vinde, meus filhos, ouvi-me, eu vos ensinarei o temor do Senhor. 13. Correi enquanto tiverdes a luz da vida, para que as trevas da morte não vos envolvam”.

14. E procurando o Senhor o seu operário na multidão do povo, ao qual clama estas coisas, diz ainda: 15. “Qual é o homem que quer a vida e deseja ver dias felizes?” 16. Se, ouvindo, responderes: “Eu”, dir-te-á Deus:17. “Se queres possuir a verdadeira e perpétua vida, guarda a tua língua de dizer o mal e que teus lábios não profiram a falsidade, afasta-te do mal e faze o bem, procura a paz e segue-a”. 18. E quando tiveres feito isso, estarão meus olhos sobre ti e meus ouvidos junto às tuas preces, e antes que me invoques dir-te-ei: “Eis-me aqui”. 19. Que há de mais doce para nós, caríssimos irmãos, do que esta voz do Senhor a convidar-nos? 20. Eis que pela sua piedade nos mostra o Senhor o caminho da vida.

21. Cingidos, pois, os rins com a fé e a observância das boas ações, guiados pelo Evangelho, trilhemos os seus caminhos para que mereçamos ver aquele que nos chamou para o seu reino. 22. Se queremos habitar na tenda real do acampamento desse reino, é preciso correr pelo caminho das boas obras, de outra forma nunca se há de chegar lá. 23. Mas, com o profeta, interroguemos o Senhor, dizendo-lhe: “Senhor, quem habitará na vossa tenda e descansará na vossa montanha santa?”. 24. Depois dessa pergunta, irmãos, ouçamos o Senhor que responde e nos mostra o caminho dessa mesma tenda, 25. dizendo: “É aquele que caminha sem mancha e realiza a justiça; 26. aquele que fala a verdade no seu coração, que não traz o dolo em sua língua, 27. que não faz o mal ao próximo e não dá acolhida à injúria contra o seu próximo”. 28. É aquele que quando o maligno diabo tenta persuadi-lo de alguma coisa, repelindo-o das vistas do seu coração, a ele e suas sugestões, redu-lo a nada, agarra os seus pensamentos ainda ao nascer e quebra-os de encontro ao Cristo. 29.São aqueles que, temendo o Senhor, não se tornam orgulhosos por causa de sua boa observância, mas, julgando que mesmo as coisas boas que têm em si não as puderam por si, mas foram feitas pelo Senhor, 30. glorificam Aquele que neles opera, dizendo com o profeta: “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai Glória”. 31. Como, aliás, o Apóstolo Paulo não atribuía a si próprio coisa alguma de sua pregação, quando dizia: “Pela graça de Deus sou o que sou” 32. e ainda: “Quem se glorifica, que se glorifique no Senhor”.

33. Eis porque no Evangelho diz o Senhor: “Àquele que ouve estas minhas palavras e as põe em prática, compará-lo-ei ao homem sábio que edificou sua casa sobre a pedra, 34. cresceram os rios, sopraram os ventos e investiram contra a casa; e ela não ruiu porque estava fundada sobre pedra”. 35. Em conclusão espera o Senhor todos os dias que nos empenhemos em responder com atos às suas santas exortações. 36. Por essa razão, os dias desta vida nos são prolongados como tréguas para a emenda dos nossos vícios, 37. conforme diz o Apóstolo: “Então ignoras que a paciência de Deus te conduz à penitência?”. 38. Pois diz o bom Senhor: “Não quero a morte do pecador, mas sim que se converta e viva”.

39. Como, pois, irmãos, interrogássemos o Senhor a respeito de quem mora em sua tenda, ouvimos em resposta, qual a condição para lá habitar: a nós compete cumprir com a obrigação do morador!

40. Portanto, é preciso preparar nossos corações e nossos corpos para militar na santa obediência dos preceitos; 41. e em tudo aquilo que nossa natureza tiver menores possibilidades, roguemos ao Senhor que ordene a sua graça que nos preste auxílio. 42. E, se, fugindo das penas do inferno, queremos chegar à vida eterna, 43. enquanto é tempo, e ainda estamos neste corpo e é possível realizar todas essas coisas no decorrer desta vida de luz, 44. cumpre correr e agir, agora, de forma que nos aproveite para sempre.

45. Devemos, pois, constituir uma escola de serviço do Senhor. 46.Nesta instituição esperamos nada estabelecer de áspero ou de pesado. 47. Mas se aparecer alguma coisa um pouco mais rigorosa, ditada por motivo de eqüidade, para emenda dos vícios ou conservação da caridade 48. não fujas logo, tomado de pavor, do caminho da salvação, que nunca se abre senão por estreito início. 49. Mas, com o progresso da vida monástica e da fé, dilata-se o coração e com inenarrável doçura de amor é percorrido o caminho dos mandamentos de Deus. 50. De modo que não nos separando jamais do seu magistério e perseverando no mosteiro, sob a sua doutrina, até a morte, participemos, pela paciência, dos sofrimentos do Cristo a fim de também merecermos ser co-herdeiros de seu reino. Amém.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s