Vida de Santo Agostinho de Hipona :: Contra os Acadêmicos – Livro II [Verossimilhança e conhecimento do verdadeiro]

Santo Agostinho de Hipona (4)Pax et Bonum! Amigos, que a Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja com todos vocês!

Dando continuidade aos estudos do livro “Contra os Acadêmicos“, hoje iremos, dar continuidade ao entendimento do capítulo anterior ( Gênese da nova Academia e sua relação com a antiga ). Aqui, São Agostinho inicia a demonstrar como a nova e a velha Academia são “quase” a mesma coisa.

Outro ponto interessante, será o convite de Trigécio a Alípio para que entre na discussão a fim de defender a Academia e tentar derrubar as afirmativas de São Agostinho.

Boa leitura!

Verossimilhança e conhecimento do verdadeiro

16 – Tomei então a palavra:

                – Licêncio, até quando continuarás parado nesta conversa que já se prolonga mais do que eu esperava? Ouviste quem são os teus Acadêmicos?

                Sorrindo envergonhado e um tanto perturbado pela minha interpelação, disse ele:

                – Arrependo-me de ter sustentado com tamanha ênfase contra Trigécio que a vida feliz consiste na busca da verdade. Pois esta questão de tal modo me perturba que se não chego a ser infeliz, certamente devo ser considerado digno de pena por vós, se tendes algum sentimento de humanidade. Mas por que me atormento tolamente? Por que me abalar se me apoio numa causa tão boa? Só cederei à verdade.

                – Agradam-te os novos Acadêmicos? – disse eu.

                – Muitíssimo – respondeu Licêncio.

                – Logo te parecem dizer a verdade? Retruquei.

                Licêncio já estava para concordar, mas, ao ver o sorriso de Alípio, tornou-se mais cauteloso, hesitou um pouco e disse:

                – Repete a pergunta!

                Respondi:

                – Crês que os Acadêmicos dizem a verdade?

                Depois de novo prolongado silêncio, Licêncio respondeu:

                – Não sei se é a verdade, mas é provável. Já não vejo mais o que seguir.

                Disse eu:

                – Sabes que eles chamam o provável de verossímil?

                Licêncio:

                – Assim parece.

                – Portanto, a opinião dos Acadêmicos é verossímil? Indaguei eu.

                – Sim, respondeu ele.

                Continuei eu:

                – Presta atenção ao seguinte: se alguém, ao ver teu irmão, afirma que ele é semelhante ao teu pais, que não conhece, não te parece que tal pessoa é louca ou tola? Licêncio permaneceu calado certo tempo e por fim respondeu: – Isso não me parece absurdo.

17 – Quando ia começar a responder-lhe, ele atalhou:

                – Espera um pouco. E sorrindo:

                – Dize-me, já estás certo da tua vitória?

                – Suponhamos que sim, disse eu. Mas nem por isso deves abandonar a tua causa, tanto menos que a nossa discussão foi travada com a finalidade de exercitar-te e de aperfeiçoar o teu espírito.

Licêncio:

                – Porventura li eu os Acadêmicos, ou fui formado em todas estas disciplinas com as quais me enfrentas?

                – Nem aqueles que por primeiro defenderam esta opinião tinham lido os Acadêmicos. E se te falta a informação e a riqueza de muitos conhecimentos, nem por isso a tua inteligência há de ser tão impotente que logo sucumba ao ímpeto das minhas poucas palavras e perguntas. Já estou começando a recear que Alípio venha a substituir-te antes que eu queria, adversário contra o qual não avançarei com tanta segurança.

Licêncio:

                – Então, oxalá seja eu vencido logo para que finalmente vos ouça e mais do que isso, vos veja disputando, pois nada me daria mais prazer que esse espetáculo. Preferistes recolher esses discursos a espalhá-los, pois o estilo recolhe o que sai da boca, para que nada caia por terra, como se diz. Com isso também poderei ler-vos. Mas, não sei por que, quando se têm diante dos olhos os adversários que discutem entre si, uma boa disputa penetra o espírito, se não com mais proveito, certamente com mais agrado.

18 – Agradecemos-te, disse eu. Mas a tua súbita alegria fez com que deixasses escapar imprudentemente a opinião de que nenhum espetáculo te poderia ser mais agradável. Que seria, então, se visses indagando a verdade e discutindo conosco teu pai, a quem, depois de tão prolongada sede, ninguém superaria no ardor para abeberar-se nas fontes da filosofia? Se já para mim isso seria o cúmulo da felicidade, o que não sentirias e dirias tu?

                A estas palavras Licêncio não conteve as lágrimas. Quando pôde falar, ergueu as mãos, olhou para o céu e exclamou:

                – Quando, meu Deus, verei isso? Mas não há nada que não se possa esperar de ti!

Estávamos quase todos com os olhos rasos d’água, a ponto de esquecer a discussão, quando eu, lutando comigo mesmo, mal me contendo, disse:

                – Coragem, recobre tuas forças! Já muito antes eu te advertira que te preparasses em vista de tua futura defesa da Academia. Não creio, pois, que “antes do som da trombeta o tremor se apodere de teus membros”, ou que o desejo de ver os outros combaterem te faça tão rapidamente querer ser prisioneiro.

                Então Trigécio, ao ver-nos de semblantes já serenados, disse:

                – Por que este homem tão virtuoso não desejaria que Deus lhe conceda este favor antes de tê-lo pedido? Acredita-me, Licêncio, como não encontras o que responder e ainda desejas ser vencido, parece ter pouca confiança.

Todos rimos. E Licêncio retrucou:

– Fala, então, tu que és feliz sem encontrar a verdade, e certamente sem procurá-la.

19 – Divertiu-nos a jovialidade dos rapazes. Prossegui eu:

                – Volta à minha pergunta e segue com mais firmeza e vigor, se puderes.

                Licêncio:

                – Estou pronto em quanto posso. Pois bem, se o homem que viu meu irmão soube por ouvir dizer que ele é parecido com o pai, pode ser considerado louco ou tolo, se acreditar?

                – Mas pelo menos pode ser considerado insensato? Perguntei

                Licêncio:

                – Não, desde que não afirme sabe-lo.  Pois se considera provável o que ouviu repetir, não pode ser acusado de temeridade.

                Continuei:

                – Examinemos um pouco a questão em si e representemo-la aqui ante nossos olhos. Suponhamos que o tal homem de que falamos está presente aqui. Aparece teu irmão. Nosso homem indaga:

                – De quem é filho este rapaz?

                – De certo Romaniano, respondem-lhe.

                – Como é parecido com o pai! Exclama o homem. Era bem verdade o que me dissera.

Então tu ou algum outro pergunta:

                – Então conheces Romaniano?

                Responde o homem:

                – Não o conheço, mas parece-me que seu filho é parecido com ele.

                Poderá alguém conter o riso diante disso? Licêncio:

                – Certamente que não.

                – Logo, já vês a consequência que daqui segue, continuei.

                Licêncio:

                – Já faz tempo que a vejo. Todavia gostaria de ouvir de ti a conclusão, pois é necessário que comeces a alimentar a quem aprisionaste.

                Respondi eu:

                – Por que não o faria eu? A própria evidência clama que de maneira semelhante devemos rir dos teus Acadêmicos que afirmam seguir na vida o que se assemelha à verdade, quando ignoram a própria verdade.

Intervenção de Trigécio e convite a Alípio para que tome as defesas dos Acadêmicos

20 – Tomou a palavra Trigécio:

                – A precaução dos Acadêmicos parece-me muito diferente da tolice do homem de que falaste. Pois é através de raciocínios que eles chegam ao que dizem ser verossímil, enquanto aquele insensato seguiu a fama, cuja autoridade é a coisa mais desprezível.

                – Como se não fosse mais tolo, intervim eu, se ele dissesse: não conheço o pai dele nem soube por ouvir dizer quão semelhante é o filho ao pai, contudo acho que é parecido.

                Trigécio:

                – Sem dúvida, seria mais tolo. Mas a que vem isso?

                – Tais são, respondi, aqueles que dizem: não conhecemos a verdade, mas o que vemos é semelhante ao que não conhecemos.

                Trigécio:

                – Provável, dizem eles.

                Repliquei: Como dizes isso? Negas que eles falam de verossímil?

                Trigécio:

                – Só quis dizer isso para excluir a comparação. Pois me parece que a noção da fama ou ouvir dizer foi indevidamente introduzida em nossa questão, visto que os Acadêmicos não se fiam nem dos olhos humanos, muito menos do mil fantásticos olhos da fama, no dizer dos poetas. Mas afinal serei eu o defensor da Academia? Ou nesta questão tendes inveja da minha segurança? Aqui está Alípio. Oxalá sua chegada nos dê folga. Já há tempo sabemos que não é sem razão que o temes.

21 – Segue-se um silêncio, e os dois fixaram o olhar em Alípio, que disse:

                – Eu quisera, certamente, na medida das minhas forças, ajudar, a vossa causa, se vossa sorte não me fosse motivo de temor. Mas, se não me enganar a esperança, facilmente afugentaria este temor. Consola-me ao mesmo tempo o fato de que o atual adversário dos Acadêmicos quase assumiu o encargo de Trigécio vencido, e agora segundo admitis, é provável a sua vitória. O que mais receio é não poder evitar a acusação, por um lado, de negligência por abando o do meu ofício e, por outro, de presunção por invadir uma função alheia, pois creio que não esquecestes  de me terdes confiado o papel de juiz.

                Trigécio:

                – São duas coisas diferentes. Por isso te pedimos aceitar ser desonerado por um momento do encargo de juiz.

                – Não me recusarei, respondeu Alípio, para que não aconteça que, desejando evitar a presunção e a negligência, caia no orgulho, o mais horrível dos vícios, se conservasse mais tempo que o permitis, a honra que me concedestes.

(Postagem: Paulo Praxedes – Equipe do Blog Dominus Vobiscum – Referências: Veritatis  Suma Teológica  Ordem de Santo Agostinho  Patrística vol.24)

Veja Também:: Vida de São Agostinho | Livro I | Livro II – Segundo Prólogo a Romaniano P. I |Livro II – Segundo Prólogo a Romaniano P.II | Livro II – Segundo Prólogo a Romaniano P.III | Livro II – Síntese da Doutrina Acadêmica | Livro II – Gênese da nova Academia e sua relação com a antiga

Até o próximo post! E divulguem/compartilhem este estudo com seus amigos para que juntos possamos aprender com os doutores da nossa Igreja que é Una, Santa, Católica, Apostólica e Romana!

Anúncios

4 comentários sobre “Vida de Santo Agostinho de Hipona :: Contra os Acadêmicos – Livro II [Verossimilhança e conhecimento do verdadeiro]

  1. Pingback: Vida de Santo Agostinho de Hipona :: Contra os Acadêmicos – Livro II [Importância do problema da possibilidade de encontrar a verdade] | Dominus Vobiscum

  2. Pingback: Vida de Santo Agostinho de Hipona :: Contra os Acadêmicos – Livro II [Caráter substancial e não meramente verbal da controvérsia sobre o “verossímil”] | Dominus Vobiscum

  3. Pingback: Vida de Santo Agostinho de Hipona :: Contra os Acadêmicos – Livro II [O autêntico significado do conceito acadêmico de “verossímil”] | Dominus Vobiscum

  4. Pingback: Vida de Santo Agostinho de Hipona :: Contra os Acadêmicos – Livro II [Elucidação do problema a ser discutido] | Dominus Vobiscum

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s