Papa aos jovens: “Confio-vos a Virgem Maria em sua jornada rumo a JMJ”

VATICAN_620
Da Radio Vaticana

Ao término da missa deste Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor, início da Semana Santa, presidida pelo Santo Padre na Praça São Pedro, Francisco, antes da bênção final, fez a oração do Angelus. Na alocução que precedeu a oração mariana, o Pontífice confiou os jovens à Virgem Maria, e o itinerário deles rumo à Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro. A seguir, na íntegra, a alocução do Papa:

“Amados irmãos e irmãs,

No final desta celebração, invoquemos a intercessão da Virgem Maria para que nos acompanhe na Semana Santa. Ela, que seguiu com fé o seu Filho até ao Calvário, nos ajude a caminhar atrás d’Ele, levando com serenidade e amor a sua Cruz a fim de chegarmos à alegria da Páscoa. A Virgem Nossa Senhora das Dores ampare especialmente quem está vivendo situações mais difíceis; lembro de modo particular as pessoas vítimas de tuberculose, sendo hoje o Dia Mundial de luta contra esta doença. E de modo especial entrego a Maria vós próprios, caríssimos jovens, e o vosso itinerário rumo ao Rio de Janeiro. Um bom caminho a todos!”

Livro Maria Sempre Virgem e SantaVeja também o novo livro do Cadu (Administrador do Blog Dominus Dominus Vobiscum)Maria Sempre Virgem e Santa. Nele você vai encontrar ensinamentos seguros da doutrina da Igreja a respeito da Santíssima Virgem Maria, além das orações mais tradicionais da nossa Igreja à Virgem Mãe de Deus. Vendas apenas pela internet nos sites Clube de Autores e AgbookUm livro para quem deseja ser mais íntimo de Nossa Senhora.

Anúncios

Dragões protestam no Vaticano

dragoes no vaticano

No Brasil usa-se o termo “dragão” como uma gíria para definir uma mulher muito feia, acabada, desleixada. Eu comumente não sou de chamar ninguém assim, mas olhem a foto acima e vejam se estas criaturas não parecem dragões? Além de feias, ainda soltam fumaça pela boca e destilam ódio pelo olhar.

Eu não sei quem foi a criatura iluminada que pensou que mostrar seios murchos e flácidos seria uma forma de protestar. Pode até ser que isso choque alguém, mas a mim pelo menos se chocam, é pela feiura. Deus me livre!

Este domingo (13/01) essas mulheres que se intitulam ativistas, resolveram mostrar os “muchibas” no Vaticano. Por alguns minutos exibiram frases como “Cale a boca” e “No gay nós confiamos”, pensando que o Papa, Bento XVI iria se preocupar com a pífia presença delas. Pelo amor de Deus! Se querem protestar, sejam mais criativas! A Igreja não vai se calar por causa de um bando de mulheres nuas. Ao contrário: A Igreja permanece forte sob a pedra angular Jesus Cristo Nosso Senhor.

Vivemos em um mundo onde seios murchos e flácidos viraram forma de protesto. Meu Deus! Onde vamos parar?

Deus tenha piedade de nós!

Dominus Vobiscum

“O Cristão precisa ser como uma Cidade no Alto de uma Colina”, afirma Bento XVI

Diante dos milhares de fiéis reunidos na Praça de São Pedro para a oração do Ângelus, no primeiro domingo do Tempo do Advento, o Papa Bento XVI fez considerações importantes acerca do mesmo. Entre outras coisas ele falou:

“Em meio aos levantes do mundo, ou aos desertos da indiferença e do materialismo, os cristãos aceitam de Deus a salvação e a testemunham com um diferente modo de viver, como uma cidade colocada sobre uma colina”.

A palavra advento significa vinda ou presença. No mundo antigo indicava a visita do rei ou do imperador a uma província; na linguagem cristã refere-se à vinda de Deus, à sua presença no mundo; um mistério que envolve inteiramente o cosmos e a história, mas que conhece dois momentos culminantes: a primeira e a segunda vinda de Jesus Cristo.

Hoje a Igreja inicia um novo Ano litúrgico, um caminho que é enriquecido pelo Ano da Fé, há 50 anos da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II. O primeiro Tempo deste itinerário é o Advento, formado, no Rito Romano, por quatro semanas que antecedem o Natal do Senhor, isto é, o mistério da Encarnação”.

O Papa indicou que a Encarnação e a volta gloriosa do Senhor ao final dos tempos, são dois momentos que “cronologicamente são distantes – e não se sabe o quanto – , tocam-se profundamente, porque com a sua morte e ressurreição Jesus já realizou aquela transformação do homem e do cosmos que é a meta final da criação”.

“Mas antes do fim, é necessário que o Evangelho seja proclamado a todas as nações”.

“A vinda do Senhor continua, o mundo deve ser penetrado por sua presença. E esta vinda permanente do Senhor no anúncio do Evangelho requer continuamente a nossa colaboração; e a Igreja, que é como a Noiva, a prometida esposa do Cordeiro de Deus crucificado e ressuscitado, em comunhão com o seu Senhor colabora nesta vinda do Senhor, na qual já começa o seu retorno glorioso”.

“A isto nos chama hoje a Palavra de Deus, traçando a linha de conduta a seguir para estar pronto para a vinda do Senhor. No Evangelho de Lucas, Jesus diz aos discípulos: “Os vossos corações não fiquem sobrecarregados com dissipação e embriaguez e dos cuidados da vida… vigiai em cada momento orando”.

O Santo Padre assinalou que “a comunidade dos crentes é sinal do amor de Deus, da sua justiça que já está presente e operante na história, mas que não está ainda plenamente realizada e, portanto, deve ser sempre aguardada, invocada, buscada com paciência e coragem”.

“A Virgem Maria encarna perfeitamente o espírito do Advento, feito de escuta de Deus, de desejo profundo de fazer a sua vontade, de alegre serviço ao próximo. Deixemo-nos guiar por ela, para que o Deus que vem não nos encontre fechados ou distraídos, mas possa, em cada um de nós, estender um pouco o seu reino de amor, de justiça e de paz”.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

O Papa apresenta o Credo como chave para a conversão pessoal e antídoto contra o relativismo

Diante de milhares de fiéis reunidos na Praça de São Pedro na manhã desta quarta-feira 17 de outubro, o Papa Bento XVI apresentou a oração do Credo como chave para a conversão pessoal e antídoto contra o relativismo e o subjetivismo. Com esta alocução Bento XVI começa um novo ciclo de catequeses que ele pronunciará durante o ano da Fé.

“Hoje gostaria de introduzir o novo ciclo de catequeses, que se desenvolve durante todo o Ano da Fé há pouco iniciado e que interrompe – por este período – o ciclo dedicado à escola da oração”, afirmou o Papa no início da sua alocução.

“A ocorrência dos cinquenta anos de abertura do Concílio Vaticano II é uma ocasião importante para retornar a Deus, para aprofundar e viver com maior coragem a própria fé, para fortalecer a adesão da Igreja, “mestra da humanidade”, que através do anúncio da Palavra, a celebração dos Sacramentos e as obras de caridade nos guia a encontrar e conhecer Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem”, sublinhou .

“Trata-se do encontro não com uma ideia ou com um projeto de vida, mas com uma Pessoa viva que transforma em profundidade nós mesmos, revelando-nos a nossa verdadeira identidade de filhos de Deus”.

“Ter fé no Senhor não é um fato que interessa somente à nossa inteligência, a área do saber intelectual, mas é uma mudança que envolve a vida, todos nós mesmos: sentimento, coração, inteligência, vontade, corporeidade, emoções, razões humanas”, ensinou o Papa.

Bento XVI advertiu que “hoje é necessário confrontar com clareza, enquanto as transformações culturais em ocorrência mostram sempre tantas formas de barbáries, que passam sobre o sinal de “conquistas da civilização”: a fé afirma que não há uma verdadeira humanidade se não nos lugares, nos gestos, nos tempos e nas formas em que o homem é animado pelo amor que vem de Deus, exprime-se como dom, manifesta-se em relações ricas de amor, de compaixão, de atenção e de serviço desinteressado para o outro. “

“Onde há domínio, desejo de posses, mercantilização, exploração do outro para o próprio egoísmo, onde tem arrogância do eu fechado em si mesmo, o homem está empobrecido, degradado, desfigurado. A fé cristã, operante na caridade e forte na esperança, não limita, mas humaniza a vida, de fato a torna plenamente humana”, esclareceu o Pontífice.

“Eis então a maravilha da fé: Deus, no seu amor, cria em nós – por meio da obra do Espírito Santo – as condições adequadas para que possamos reconhecer a sua Palavra. Deus mesmo, na sua vontade de manifestar-se, de entrar em contato conosco, de fazer-se presente na nossa história, nos torna capazes de escutá-Lo e de acolhê-Lo”, precisou.

“Mas onde encontramos a fórmula essencial da fé? Onde encontramos a verdade que nos foi fielmente transmitida e que constitui a luz para a nossa vida cotidiana? A resposta é simples: no Credo, na Profissão de Fé o Símbolo da fé, nós nos reportamos ao evento originário da Pessoa e da História de Jesus de Nazaré”, destacou Bento XVI

Sobre a importância do Credo ou Símbolo da Fé, o Santo Padre afirmou que “também hoje precisamos que o Credo seja melhor conhecido, compreendido e pregado. Sobretudo é importante que o Credo seja, por assim dizer, “reconhecido”. Conhecer, de fato, poderia ser uma operação somente intelectual, enquanto “reconhecer” quer significar a necessidade de descobrir a ligação profunda entre a verdade que professamos no Credo e a nossa existência cotidiana, para que esta verdade seja verdadeiramente e concretamente – como sempre foi – luz para os passos do nosso viver”.

“Em efeito, conhecer poderia ser uma ação só intelectual, enquanto que ‘reconhecer’ quer dizer a necessidade de descobrir a profunda conexão que há entre as verdades que professamos no Credo e nossa vida cotidiana, para que estas verdades sejam real e efetivamente –como sempre foram– luz para os passos de nossa vida, água que rega nosso caminho árido e sedento, vida que vence alguns desertos da vida contemporânea. No Credo se enxerta a vida moral do cristão, que nele encontra seu fundamento e sua justificação”.

O Papa alertou também para o fato que “os processos da secularização e de uma mentalidade niilista generalizada, em que tudo é relativo, impactaram fortemente a mentalidade comum”.

“Assim, a vida é vista sempre com leveza, sem ideais claros e esperanças sólidas, dentro das ligações sociais e familiares líquidas, provisórias. Sobretudo as novas gerações não vêm educadas para a busca da verdade e do sentido profundo da existência que supera o contingente, da sensibilidade dos afetos, da fidelidade”.

“Pelo contrário –continuou o Papa- o relativismo leva a não ter pontos fixos, a suspeita e o volúvel causam rupturas nas relações humanas, ao tempo que a vida se vive em experimentos que duram pouco, sem assumir-se responsabilidade alguma”.

O Papa explicou também que “o relativismo leva a não ter pontos fixos, suspeita e volatilidade que causam inconstâncias nas relações humanas, enquanto a vida é vivida dentro de experiências que duram pouco, sem assumir responsabilidades. (..) Não se pode dizer que os cristãos estão totalmente imunes deste perigo, com o qual somos confrontados na transmissão da fé”.

“O próprio cristão não conhece nem sequer o núcleo central da própria fé católica (…). Não está tão longe hoje o risco de construir, por assim dizer, uma religião “faça você mesmo”.

“Devemos, em vez disso, voltar a Deus, ao Deus de Jesus Cristo, devemos redescobrir a mensagem do Evangelho, fazê-lo entrar de modo mais profundo nas nossas consciências e na vida cotidiana”, assinalou Bento XVI.

“Nas catequeses deste Ano da Fé gostaria de oferecer uma ajuda para fazer este caminho, para retomar e aprofundar a verdade central da fé em Deus, no homem, na Igreja, em toda a realidade social e cósmica, meditando e refletindo sobre as afirmações do Credo.

Conhecer Deus, encontrá-Lo, aprofundar o conhecimento de sua face põe em jogo a nossa vida, porque Ele entra nos dinamismos profundos do ser humano”, concluiu o Santo Padre.

Até o próximo post! Não se esqueça de clicar na imagem abaixo e votar!

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

“Mergulhar nas palavras da Igreja a partir da oração”, exorta Bento XVI

O Papa Bento XVI assinalou esta manhã que ao participar da oração da liturgia fazendo nossa a linguagem da mãe Igreja, aprendendo a falar nela e  para ela. (…) Isto, explicou o Pontífice, acontece de modo gradual, pouco a pouco. “Preciso mergulhar progressivamente nas palavras da Igreja, com a minha oração, com a minha vida, com o meu sofrimento, com a minha alegria, com o meu pensamento”, afirmou. “É um caminho que nos transforma“, frisou ainda o Papa na sua catequese desta quarta-feira sobre a oração litúrgica.

Seguindo a síntese em português da alocução de hoje, o Papa disse que “orar é estar habitualmente na presença de Deus, viver a relação com Ele à semelhança das relações que temos com os nossos familiares e pessoas que nos são caras. Por meio da oração entramos numa relação viva de filhos de Deus com o Pai, por meio de Jesus Cristo, no Espírito Santo. Neste sentido, não podemos esquecer que a Igreja é o único lugar onde podemos encontrar a Cristo como Pessoa vivente, sobretudo nas celebrações litúrgicas“.

A liturgia, precisou Bento XVI “ao fazer presente e atual o Mistério pascal de Cristo, faz com que Deus entre na nossa realidade, permitindo-nos encontrá-Lo e, por assim dizer, tocá-lo”.

O Papa recordou que a oração é na liturgia “aprendemos a fazer nossas as palavras que a Igreja dirige ao seu Senhor e Esposo, o que nos leva a compreender que a oração tem uma dimensão coletiva: não podemos nunca rezar a Deus de um modo individualista. Por isso a liturgia deve ser fiel às formas da Igreja Universal, não podendo ser modificada pelos indivíduos, sejam sacerdotes ou leigos, pois mesmo na celebração litúrgica da menor das comunidades, a Igreja inteira está presente“.

Segundo a nota da Rádio Vaticano em português de hoje, o Papa respondeu à questão apresentada no início de sua catequese: Como aprender a rezar? E Respondeu: “Dirigindo-me a Deus como Pai, rezando com a Igreja, aceitando o dom de suas palavras que pouco a pouco se tornam familiares e adquirem sentido. O diálogo que Deus estabelece conosco inclui sempre o ‘com’; não se pode rezar a Deus de modo individualista porque não lhe falamos como indivíduos, mas como Igreja que reza; entramos na grande comunidade na qual o próprio Deus nos nutre”.

Caros amigos, a Igreja torna-se visível de vários modos: na ação caritativa, nos projetos de missão, no apostolado pessoal que cada cristão deve realizar no próprio ambiente. No entanto, o lugar no qual a igreja é experimentada plenamente é na liturgia”, sublinhou o Papa Bento.

Por isso, quando nas reflexões sobre liturgia nós centramos a nossa atenção somente sobre como torná-la atraente, interessante, bonita, corremos o risco de esquecer o essencial: a liturgia se celebra por Deus e não por nós mesmos; é obra sua; é Ele o sujeito; e nós devemos nos abrir a Ele e nos deixar guiar por Ele e pelo seu Corpo que é a Igreja”, destacou.

Peçamos ao Senhor para aprendermos a cada dia a viver a sagrada liturgia, especialmente a Celebração Eucarística, rezando no “nós” da Igreja, que dirige o seu olhar não para si mesma, mas para Deus, e nos sentindo parte da Igreja viva de todos os lugares e todos os tempos. Obrigado”, concluiu o Santo Padre.

 

Fonte: acidigital.com

“‘effatà –abra-te’, resume em si toda a missão de Cristo” – Afirma Bento XVI

Em sua reflexão prévia ao Ângelus deste domingo, o Papa Bento XVI explicou que assim como quando o Senhor cura um surdo-mudo, também o faz para que todo homem, surdo e mudo interiormente por causa do pecado, seja curado e possa escutar  Deus para anunciá-lo aos demais.

O Papa realizou esta reflexão diante dos milhares de fiéis reunidos em frente ao Palácio Apostólico de Castel Gandolfo, referindo-se ao Evangelho de hoje no qual o Senhor cura um surdo-mudo logo depois de olhar ao céu e pronunciar a palavra “Effatà”, que significa “abra-te”.

O Santo Padre disse logo que “aquele surdo-mudo, graças à intervenção de Jesus, ‘abriu-se’; antes estava fechado, isolado, para ele era muito difícil se comunicar; a cura foi para ele uma ‘abertura’ para os outros e ao mundo, uma abertura que, partindo dos órgãos do ouvido e da palavra, envolvia toda sua pessoa e sua vida: finalmente podia comunicar e portanto relacionar-se de maneira nova“.

Mas todos sabemos que o fechar do homem, seu isolamento, não depende apenas dos órgãos sensoriais. Existe uma teimosia interior, que concerne o núcleo profundo da pessoa, aquele que a Bíblia chama o ‘coração’”.

Isto, prossegue o Papa, é o “que Jesus veio ‘abrir’, liberar-nos, para nos tornar capazes de viver em plenitude as relações com Deus e com os demais. Eis porque dizia que esta pequena palavra, ‘effatà –abra-te’, resume em si toda a missão de Cristo“.

Cristo “fez-se homem para que o homem, tocado pelo pecado interiormente surdo e mudo, torne-se capaz de escutar a voz de Deus, a voz do Amor que fala com seu coração, e desta maneira aprenda à sua vez a falar a linguagem do amor, a comunicar com Deus e com os outros“.

Por este motivo, explicou Bento XVI, “a palavra e o gesto do ‘effatà’ foram inseridos no Rito do Batismo, como um dos sinais que nos explicam seu significado: o sacerdote, tocando a boca e as orelhas do neo-batizado diz: ‘Effatá’, orando para que este possa escutar a Palavra de Deus e professar a fé. Mediante o Batismo, a pessoa humana começa, por dizê-lo assim, a ‘respirar’ o Espírito Santo, aquele que Jesus tinha invocado do Pai com aquele suspiro, para curar o surdo-mudo“.

Dirigimo-nos agora em oração a Maria Santíssima, cuja natividade celebramos ontem. Por motivo de sua singular relação com o Verbo encarnado, Maria está plenamente «aberta» ao amor do Senhor, seu coração está constantemente à escuta da sua Palavra“.

Para concluir o Santo Padre fez votos para que “sua maternal intercessão nos obtenha experimentar cada dia, na fé, o milagre do ‘effatà’, para viver em comunhão com Deus e com os irmãos“.

 

Texto original em http://www.acidigital.com

“A Lei de Deus encontra seu cumprimento no Amor!”, afirma Bento XVI.

Em suas palavras prévias à oração do Angelus, junto aos fiéis reunidos em Castel Gandolfo, Bento XVI assinalou que a Lei de Deus, que “emerge” na Liturgia da Palavra deste domingo, “encontra seu pleno cumprimento no amor“.

O Santo Padre sublinhou que “a Lei de Deus é sua Palavra que guia o homem no caminho da vida, o faz sair da escravidão do egoísmo e o introduz na ‘terra’ da verdadeira liberdade e da vida“.

Por isso na Bíblia a Lei não é vista como um peso, uma limitação opressora, mas como o dom mais precioso do Senhor, o testemunho de seu amor paterno, de sua vontade de estar perto de seu povo, de ser seu Aliado e escrever com ele uma história de amor“.

Bento XVI recordou que “no Antigo Testamento, aquele que em nome de Deus transmite a Lei ao povo é Moisés“, perto da terra prometida.

E eis aqui o problema: quando o povo se estabelece na terra, e é depositário da Lei, sente-se tentado a pôr sua segurança e sua alegria em algo que já não é a Palavra do Senhor: nos bens, no poder, em outras ‘divindades’ que, em realidade são vãs, são ídolos“.

O Papa indicou que quando o homem põe sua segurança nesses falsos deuses “a Lei de Deus permanece, mas já não é o mais importante, a regra de vida; converte-se na verdade em um revestimento, uma cobertura, enquanto a vida segue outros caminhos, outras regras, interesses individuais e de grupo com frequência egoístas“.

Assim, a religião perde seu sentido autêntico que é viver na escuta de Deus para fazer sua vontade, e se reduz à prática de costumes secundários, que satisfazem sim a necessidade humana de sentir-se bem com Deus. Este é o grave risco de cada religião, que Jesus assinalou em seu tempo, mas que também se pode verificar, infelizmente, no cristianismoPortanto, as palavras de Jesus no Evangelho de hoje contra os escribas e os fariseus devem fazer-nos pensar também em nós mesmos“, indicou.

Ao concluir suas palavras, o Santo Padre pediu “que a Virgem Maria, a quem agora nos dirigimos em oração, ajude-nos a escutar com coração aberto e sincero a Palavra de Deus, para que oriente nossos pensamentos, nossas escolhas e nossas ações, cada dia“.

Texto Original no Site http://www.acidigital.com

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

“Maria é Rainha amando, servindo, e velando por seus filhos” – Papa Bento XVI

Ao meditar a catequese nesta manhã, a festa que a Igreja celebra hoje, Maria Rainha, o Papa Bento XVI explicou que a realeza da Mãe de Deus se materializa no amor e serviço aos seus filhos, em vigilância constante pelas pessoas e suas necessidades.

No Palácio Apostólico de Castel Gandolfo e diante de milhares de fiéis presentes, o Santo Padre disse que “Maria é rainha porque ela está associada, portanto, apenas o seu Filho, tanto a viagem terrestre, e na glória do céu. Grande santo Efrém da Síria, diz sobre a realeza derivada da maternidade divina de Maria: Ela é a Mãe do Senhor, o Rei dos Reis e nos mostra Jesus como salvação, a vida e nossa esperança “.

À medida que se lembrava o Servo de Deus Paulo VI, na Exortação Apostólica Marialis Cultus: Na Virgem Maria tudo é relativo a Cristo e tudo depende dEle: tendo em vista Ele, Deus Pai a escolheu desde toda a eternidade como Mãe toda santa e a adornou com os dons do Espírito Santo que não foram concedidas a nenhum outro.

Explicando a realeza da Mãe de Deus, o papa disse que existe  entre as pessoas “uma idéia popular de rei ou rainha, relacionado a uma pessoa com poder e riqueza, mas este não é o tipo de realeza de Jesus e Maria. Pensemos no Senhor, a realeza de Cristo está sendo tecida de humildade, serviço, amor e acima de tudo servir, de ajudar e de amar. “

Em seguida, disse: “Jesus foi proclamado rei na cruz com a inscrição escrita por Pilatos, o Rei dos Judeus. Naquele momento, a cruz é mostrada para ser rei, e como rei sofre com nós, por nós, amando a fundo e, assim, cria regras e de amor, verdade e justiça. “

Como na Última Ceia para lavar os pés dos seus, de modo a realeza de Jesus não tem nada a ver com os poderosos da terra. É um rei que serve os seus servidores, como tem demonstrado ao longo de sua vida. e o mesmo vale para Maria é rainha a serviço de Deus e da humanidade, é rainha do amor que vive o dom de si a Deus para entrar no projeto da salvação humana.

O Papa, disse a nota da Rádio do Vaticano, o que Maria disse ao anjo: “Eis aqui a serva do Senhor e o canto no Magnificat:”. Deus olhou a humildade de sua serva “Ela nos ajuda, é precisamente Rainha amando-nos e ajudando-nos em todas as nossas necessidades, é nossa irmã e humilde serva “.

E assim chegamos ao ponto: como Maria exerceu esse serviço real e amor cuidando de nós, seus filhos: filhos  que se dirigem a ela em oração, para agradecer ou pedir a sua proteção materna e ajuda celeste então talvez , tendo perdido seu caminho, oprimidos pela dor ou angústia sobre as vicissitudes tristes e dolorosos da vida.
Na serenidade ou escuridão de existência, nós nos dirigimos à Maria encomendando nossa intercessão contínua, de modo que o Filho temos toda a graça necessária e misericórdia para o nosso peregrinar ao longo das estradas do mundo.
Àquele que governa o mundo e tem na sua mão o destino do universo confiantes, através da Virgem Maria.

Para ela, há séculos, o Santo Padre explicou, “é invocada como Rainha do Céu Celestial, oito vezes, depois da oração do Santo Rosário, implora na Ladainha de Loreto como Rainha dos Anjos, dos Patriarcas , dos profetas, dos apóstolos, mártires, confessores, de virgens, de Todos os Santos e Famílias “.

O ritmo dessas invocações antigas e orações diárias, a Salve Rainha, ajudar-nos a entender que a Virgem Santa, nossa Mãe, que com o seu Filho Jesus na glória do céu, está sempre conosco, em todos os dias de nossas vidas” .

Por isso, ele continuou, “o título de Rainha é um grau de confiança, alegria do amor. Saibam que aquele que está segurando, em parte, o destino do mundo é bom, nos ama e nos ajuda em nossas dificuldades” .

Queridos amigos, a devoção à Virgem é um elemento importante da vida espiritual. Em nossa oração não deixar confiante em direção a ela. Maria vai interceder por nós junto do seu Filho“, recordou Bento XVI.

Para concluir o Papa convidou a contemplar a Mãe de Deus e imita-la ” a fé, a abertura completa ao plano de Deus de amor, a acolhida generosa de Jesus. Aprenda a viver, seguindo o exemplo de Maria. Rainha do Céu está perto de Deus, mas também a mãe perto de cada um de nós, que nos ama e ouve a nossa voz. Obrigado pela sua atenção. “

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Papa Bento XVI afirma que precisamos nos deixar surpreender pelas palavras do Cristo!

Esta manhã, em suas palavras prévias à oração o Angelus, o Papa Bento XVI convidou os fiéis a deixar-se surpreender novamente pelas palavras de Cristo e redescobrir a beleza do sacramento da Eucaristia.

Deixemo-nos, também nós, novamente surpreendermo-nos pelas palavras de Cristo: Ele, semente de trigo lançada nos sulcos da história, é a primicia da humanidade nova, liberada da corrupção do pecado e da morte”, disse Bento XVI ante os milhares de peregrinos reunidos em sua residência do verão em Castel Gandolfo.
Além disso, o Papa convidou os presentes a redescobrirem “a beleza do Sacramento da Eucaristia que expressa toda a humildade e a santidade de Deus: seu fazer-se pequeno –Deus se faz pequeno- parte do universo que quer reconciliar a todos em seu amor”.

Ao explicar o Evangelho deste domingo recordou a parte culminante do discurso de Jesus na sinagoga de Cafarnaum, depois de que no dia anterior deu de comer a milhares de pessoas com apenas cinco pães e dois peixes.
É aí onde “Jesus revela o sentido daquele milagre, quer dizer, que o tempo das promessas se cumpriu: Deus Pai, que com o maná saciou a fome dos israelitas no deserto, agora o mandava a Ele, Filho, como verdadeiro Pão de vida eterna, e este pão é sua carne, sua vida, oferecida em sacrifício por nós”, expressou.

O Santo Padre explicou que na Eucaristia “se trata portanto de acolhê-lo com fé, não escandalizando-se de sua humanidade; e se trata de ‘comer sua carne e beber seu sangue’, para ter em nós mesmos a plenitude da vida”.

É evidente que este discurso não foi feito para obter beneplácitos. Jesus sabe e o pronuncia intencionalmente; e naquele efeito foi um momento crítico, um giro em sua missão pública“.

O Papa sublinhou que “o povo, e os próprios discípulos, eram entusiastas Dele quando realizava sinais prodigiosos; e também a multiplicação dos pães e dos peixes era uma clara revelação do Messias, tanto assim que imediatamente depois a multidão queria levar Jesus em triunfo e proclamá-lo rei de Israel”.

Mas certamente esta “não era a vontade de Jesus, que com aquele extenso discurso termina com o entusiasmo e provoca muitos desacordos. Ele, com efeito, explicando a imagem do pão, afirma ter sido mandado para oferecer a própria vida, e que, quem quer segui-lo deve unir-se a Ele de modo pessoal e profundo, participando do seu sacrifício de amor”.

Bento XVI explicou que esta é a razão pela qual Jesus, instituiu na última ceia o Sacramento da Eucaristia, para que assim, os discípulos pudessem ter em si mesmos sua caridade, como um único corpo unido a Ele, prolongar no mundo seu mistério de salvação.

Escutando este discurso, o povo compreendeu que Jesus não era um Messias como eles queriam”, que “não procurava o consenso de todos para conquistar Jerusalém, e mais ainda, queria ir à cidade Santa para compartilhar a sorte dos profetas e dar a vida por Deus e pelo povo“.

O Santo Padre explicou que “aqueles pães, partidos para milhares de pessoas não queriam provocar uma marcha triunfal, e sim prenunciar o sacrifício da Cruz, no qual Jesus se faz Pão, corpo e sangue oferecidos em expiação pela vida do mundo”, e além disso, com seu discurso pretendia desiludir as multidões e “sobre tudo, provocar uma decisão em seus discípulos. Com efeito, muitos entre eles, a partir de então, já não o seguiram”.

Aproximemo-nos com fé e alegria a este mistério e saciemos nossa alma com o pão da imortalidade”, concluiu Bento XVI.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

Papa Bento XVI fala sobre a Solenidade da Assunção da Virgem Maria

Antes da Oração do Ângelus, ontem, na Solenidade da Assunção da Virgem Maria, o Papa Bento XVI afirmou que esta celebração nos leva a fortemente confiar em Deus, seguir sua Palavra e fazer sua vontade para assim poder chegar ao Céu.

O Papa explicou que “para entender a Assunção temos que olhar à Páscoa, o grande Mistério da nossa salvação, que marca a passagem de Jesus para a glória do Pai através da paixão, morte e ressurreição“.

Maria, que engendrou ao Filho de Deus na carne, é a criatura mais inserida neste mistério, redimida desde o primeiro momento da sua vida, e associada de uma maneira especial à paixão e a glória do seu Filho. A Assunção de Maria ao Céu é, pois, o mistério pascal de Cristo realizado plenamente nela. Maria está intimamente unida a seu Filho ressuscitado, vencedor sobre o pecado e a morte, plenamente conformada com ele“.

O Papa afirmou ainda que “A Assunção é uma realidade que toca também a nós, porque nos indica de modo luminoso o nosso destino, o da humanidade e da história. Em Maria, de fato, contemplamos aquela realidade de glória a que cada um de nós também está chamado e toda a Igreja“.

O Evangelho de São Lucas que lemos na liturgia desta solenidade nos mostra o caminho que a Virgem de Nazaré percorreu para estar na glória de Deus. É a narração da visita de Maria a Isabel, em que a Virgem é proclamada bendita entre todas as mulheres e bendita porque acreditou no cumprimento das palavras que foram ditas pelo Senhor. E no canto do ‘Magnificat’, que eleva com a alegria a Deus brilha sua profunda fé“.

De acordo com o Santo Padre Maria “coloca-se entre os ‘pobres’ e ‘humildes’, que não podem confiar nas suas próprias forças, mas confiam em Deus, e na sua ação, capaz de obrar grandes coisas na debilidade“.

Se a Assunção nos abre ao futuro luminoso que nos espera, convida-nos também fortemente a confiar-nos mais a Deus, a seguir sua Palavra, a procurar e cumprir sua vontade cada dia: este é o caminho que nos faz ‘benditos’ na nossa peregrinação terrena, e nos abre as portas do Céu“.

Bento XVI disse também que “o Concílio Vaticano II afirma: ‘Maria, depois de elevada ao céu, não abandonou esta missão salvadora, mas, com a sua multiforme intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna. Ela cuida, com amor materno, dos irmãos de seu Filho que, entre perigos e angústias, caminham ainda na terra, até chegarem à pátria bem-aventurada’”.

 E concluiu com a exortação: “Invoquemos a Virgem Santa, que ela seja a estrela que guia nossos passos ao encontro com seu Filho em nosso caminho para chegar à glória do Céu, à alegria eterna“.

Siga-nos e fique por dentro das novidades: