O Aborto e suas consequências psicológicas

consequencias-abortoVoltando a trabalhar a questão do aborto, estou tentando agora responder algumas questões sobre o tema. A de hoje é: O Aborto traz consequências psicológicas para a mulher que pratica?

Após um estudo feito pelo Instituto Jérôme Lejeune os especialistas chegaram a conclusão que as mulheres que abortam (ainda que de forma livre e espontânea), no geral, manifestam um estado depressivo e diversos distúrbios: culpa, perda de auto estima, depressão, impulsos suicidas, ansiedade, insônia, revolta, transtornos sexuais, pesadelos em que o bebê a odeia ou a chama…

Atualmente estas conseqüências são bem conhecidas. São identificadas como “Síndrome Pós-Aborto”. No geral, estes sintomas se agravam sempre em que a mulher encontra uma grávida, vê um bebê em um carrinho, passa diante de uma clínica ou pensa no aniversário da criança.  Enganam-se aqueles que pensam que isto é um assunto novo. Encontramos, na obra “A psicopatologia da vida cotidiana”, de Sigmund Freud, descrições sobre o assunto. Também, no livro “Além do princípio de prazer”, Freud salienta:

“Fica-se também estupefato com os resultados inesperados que se podem seguir a um aborto artificial, à morte de um filho não nascido, decidido sem remorso e sem hesitação.”

Em um estudo com 331 mulheres russas e 217 mulheres norte-americanas,19 foram encontradas os seguintes sintomas ¹:

  • 65% das mulheres norte-americanas sondadas experimentou múltiplos sintomas de desordem de stress pós-traumático, os quais atribuíam ao seu aborto.
  • 64% das mulheres norte-americanas sentiram-se pressionadas por outros a escolher o aborto, em comparação com 37% das mulheres russas.
  • De um modo geral, as mulheres referiram mais reações negativas do que positivas.
  • A reação positiva mais mencionada foi o alívio, mas apenas 7% das mulheres russas e 14% das americanas a mencionaram.
  • As mulheres norte-americanas eram mais propensas a atribuir aos seus abortos pensamentos subsequentes de suicídio (36%), um aumento de consumo de drogas e álcool (27%) problemas sexuais (24%), problemas relacionais (27%), sentimento de culpa (78%) e incapacidade de auto-perdão (24%).
  • Aproximadamente 2% das mulheres americanas atribuíram ao seu aborto uma hospitalização psiquiátrica subsequente.

No Estados Unidos, Brenda Major, professora de Psicologia na Universidade do Sul da Califórnia, em Santa Bárbara, não argumenta contra a síndrome pós-parto, porém considera que o tratamento psicológico é fundamental para a sua recuperação das mulheres que passam por algum abalo. Um outro estudo recente publicado no British Journal of Psychiatry concluiu que mulheres que fizeram aborto têm 30% mais chances e desenvolverem problemas mentais.

No entanto engana-se quem pensa que Síndrome Pós-Aborto se restringe unicamente a mulher. Ela muitas vezes acontece nos familiares ligados à mulher que praticou o aborto (marido, pais, irmãos e outros)…

1. Rue, V. M., P. K. Coleman, J. J. Rue and D. C. Reardon (2004). Induced abortion and traumatic stress: A preliminary comparison of American and Russian women. Medical Science Monitor 10(10): SR5-16.

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil | O aborto e a política brasileira | Integrante de organização que luta pelos direitos de afrodescendentes afirma: A PLC 03/2013 (lei do aborto) é um lixo imposto a população mais carente. | Por que para a Igreja Católica a mulher não pode escolher entre o aborto ou não? | Não tenho condições financeiras para criar um filho. Por que a Igreja não permite que eu aborte? | A menina engravida… mas e o pai? | A solidão de uma gravidez indesejada

Anúncios

A solidão de uma gravidez indesejada

jovem gravidaUma mulher que passa por uma gravidez indesejada e por conseguinte pode pensar em fazer um aborto, precisa antes de tudo de ajuda, carinho, amparo e orientação. “Descer a lenha” ou “soltar os cachorros” em cima da jovem que está vivendo esta situação não ajuda em nada. Ajudar é uma missão não apenas dos padres, bispos e missionários, mas de todos os católicos verdadeiramente católicos. Em uma situação assim, a mulher sente o peso do mundo em suas costas. Engravidar inesperadamente (sobretudo quando se é muito jovem e depende dos pais), na grande maioria dos casos, gera uma série de sentimentos difíceis de administrar: tristeza, solidão, angústia e desespero. Nesta hora não nos cabe julgar ou condenar a jovem pelo seu ato, mas dar apoio a ela e ao filho que já está sendo gestado.

Sei que na sociedade machista em que vivemos, muitos pais sentem a sua masculinidade afetada quando a sua filha diz que vai ser mãe solteira. Entendo que muitos pais carregam o sonho de levar a sua filha ao altar para o matrimônio, para somente depois disso pensar em neto. Mas nem sempre a vida é como queremos. A Igreja Católica Apostólica Romana por exemplo, ensina a castidade aos jovens mas também ensina o perdão acima de tudo. Condenar uma jovem neste estado é colocar em risco a vida do bebê e a estabilidade da família. Ao invés de ouvir, a jovem precisa ser ouvida, ajudada e em muitas socorrida materialmente. Além desta atitude ser a verdadeira atitude cristã, também ajuda muito a diminuir o número de abortos no Brasil e no mundo.

Depois que a situação estiver estabilizada e resolvida, é importante conversar com esta jovem para que ela reflita sobre seus atos. Mas só depois…

Conselho aos pais: Nesta hora, não pense nos seus planos e sonhos. Não pense no que os outros vão dizer. Pense apenas na sua filha e no seu neto, que precisa ser amado desde o momento da sua fecundação.

Um aborto deixa sequelas gravíssimas na vida mulher e também no seio da família. Para evitar isso, o diálogo é fundamental. A família que passa por uma situação assim, em caso de dificuldade em conversar pode pedir a ajuda profissional de um psicólogo, um sacerdote ou até da pastoral familiar, que podem servir de mediadores para este diálogo tantas vezes complexo.

Portanto se você mulher está passando por uma gravidez não desejada, não viva tudo isso sozinha. Não se isole do mundo! Não procure opiniões de pessoas despreparadas! É importante ter amigos, mas é essencial falar disso com quem tem uma bagagem profissional e até mesmo espiritual para lhe ajudar. Saia do isolamento e busque pessoas disponíveis para te escutar, acompanhar e ajudar.

Dominus Vobiscum

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil | O aborto e a política brasileira | Integrante de organização que luta pelos direitos de afrodescendentes afirma: A PLC 03/2013 (lei do aborto) é um lixo imposto a população mais carente. | Por que para a Igreja Católica a mulher não pode escolher entre o aborto ou não? | Não tenho condições financeiras para criar um filho. Por que a Igreja não permite que eu aborte? | A menina engravida… mas e o pai?

A menina engravida… mas e o pai?

pai_e_filho

Na questão do aborto, é muito comum a mulher ser bombardeada com diversos tipos de cobrança. Mas existe um outro viés na história que precisa ser considerado: o pai da criança.

A notícia de uma gravidez pode ser recebida de uma forma positiva ou negativa por parte dos interessados. Quando ambos (o pai e a mãe) se alegram pela criança que vem ao mundo, a gravidez é uma festa e não precisamos traçar grandes considerações a respeito. O grande problema se dá quando uma das partes recebe a notícia como algo negativo.

Não é raro, jovens grávidas se sentirem obrigadas a abortar por que o rapaz que se disse homem para levar a mulher para a cama (ignorando o conselho da Igreja de viver a castidade), não é homem de fato quando precisa assumir a responsabilidade pelos seus atos. Para muitos (irresponsáveis diga-se de passagem), é muito mais fácil comprar um remédio abortivo do que assumir a missão de ser pai. É importante dizer a uma mulher que vive uma situação como esta, que alguém que deseja tirar a vida do seu próprio filho para se isentar das suas responsabilidades, dificilmente poderá entender e viver uma relação baseada no verdadeiro amor e na doação. É lógico que sempre existe a possibilidade do perdão e do arrependimento. Mas enquanto o rapaz viver esta relação egoísta e irresponsável consigo, com os outros e com o mundo, não conseguirá amar e se doar. Hoje a mulher que se decide a ter um filho em uma situação assim, se não me engano, encontra amparo legal para conseguir provar a paternidade e consequentemente querendo ou não, este homem terá responsabilidades legais com esta criança. Lute pelos direitos do seu filho ao invés de matá-lo! Quem deseja abortar seu filho tem índole assassina, pois deseja a morte, não medindo esforços para que isto aconteça. Dar ouvidos a uma criatura assim não é amor!

Por outro lado, existem muitos casos onde a mulher deseja o aborto ao contrário do pai da criança. Ora, o homem tem tanta responsabilidade desta gravidez quanto a mulher. O filho é de ambos. É carne da carne dos dois. Por que a mulher teria primazia sobre a criança? Se a mulher não tem o direito de abortar (pois é crime), muito menos de fazê-lo escondendo o fato do pai. Conheci quando morava em Cuiabá, um rapaz que tinha vivido uma situação assim: por medo dos pais, a moça abortou sem avisar, sem explicar. Ele que tanto desejava ser pai e constituir família com aquela moça, passou um bom tempo se lamentando e sofrendo pelo acontecido. Era de fato uma tristeza de luto! É lógico que aquele relacionamento se desfez e o trauma perdura até hoje na vida de ambos.

Ser pai é um presente, um dom. É uma maravilha chegar em casa e ser recebido por aquela criatura, cheia de alegria, de vida, de energia… e perguntas. Se você recebeu a notícia da paternidade, por favor, alegre-se e entre de cabeça nesta aventura. Seja qual for a situação, ser pai é sempre uma benção de Deus e logo você perceberá que maravilha é ter um filho. É uma opção sua ser um pai responsável ou um assassino irresponsável. Esperamos e rezamos com toda força do nosso coração que você escolha a primeira opção.

E não é demais lembrar: Se você está vivendo uma situação de pensar ou não em abortar, pense muito bem. Antes da sua decisão, procure o padre da sua paróquia (independente de você ser católico/a ou não) e peça um aconselhamento. Na impossibilidade do sacerdote, procure a Pastoral Familiar da paróquia. Certamente eles te darão uma excelente assessoria.

Dominus Vobiscum

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil | O aborto e a política brasileira | Integrante de organização que luta pelos direitos de afrodescendentes afirma: A PLC 03/2013 (lei do aborto) é um lixo imposto a população mais carente. | Por que para a Igreja Católica a mulher não pode escolher entre o aborto ou não? | Não tenho condições financeiras para criar um filho. Por que a Igreja não permite que eu aborte?

Não tenho condições financeiras para criar um filho. Por que a Igreja não permite que eu aborte?

mulher-gravidaA Igreja Católica sabe que no nosso país (e em outras populações mais carentes que a nossa), muitas famílias que engravidam não tem condições financeiras para “sustentar” mais uma boca. Por isso mesmo, ela encara o desafio (através de seus movimentos e pastorais) de ajudar de alguma forma estas famílias. Os problemas materiais e financeiros de uma mulher não podem ser motivos para que as mesmas cometam um assassinato. Nesta hora eu me pergunto: Qual o valor de uma vida?

Existe uma máxima popular que diz: “É melhor um filho que vem do que outro que vai”. Conheço inúmeros casos de pessoas que nasceram de forma indesejada pelos pais, e que hoje são “arrimos de família”. Justamente aquele que não era quisto é quem mantém financeiramente os pais, e às vezes até mora com eles e os assistem em todas as suas necessidades.

A melhor maneira de ajudar uma mulher em dificuldade não é incentivar a mulher a cometer um aborto, mas sim ajudá-la a resolver suas dificuldades materiais. E ai é um papel de todos nós: igrejas, movimentos e sociedade de uma forma em geral. Veja aqui um excelente exemplo de políticas públicas usadas para defender a vida.

E se depois de tudo isto a mulher ainda não quiser, ou não puder criar a criança, a adoção sempre será uma opção. Existem muitos lares que acolhem crianças e ajudam as mesmas a encontrar novas famílias.

Volto a repetir: Se você está vivendo uma situação de pensar ou não em abortar, pense muito bem. Antes da sua decisão, procure o padre da sua paróquia (independente de você ser católico/a ou não) e peça um aconselhamento. Na impossibilidade do sacerdote, procure a Pastoral Familiar da paróquia. Certamente eles te darão uma excelente assessoria.

Pax Domini

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil | O aborto e a política brasileira | Integrante de organização que luta pelos direitos de afrodescendentes afirma: A PLC 03/2013 (lei do aborto) é um lixo imposto a população mais carente. | Por que para a Igreja Católica a mulher não pode escolher entre o aborto ou não?

Rússia: 300 mil abortos a menos graças a um excelente trabalho de políticas públicas

Aborto Rússia

Enquanto o partido da Presidente do Brasil luta para legalizar o aborto, alguns países embarcam na onda contrária. A Rússia por exemplo (que saiu de um regime socialista) é um destes países. E o seu esforço começa a dar resultados. Em 2012, o número de abortos na Rússia foi de 935 000, 300 000 abortos a menos que em 2008, conforme informou a diretora do departamento materno-infantil do Ministério de Sanidade Russo, Elena Baibárina, citada pela agência de notícias RIA Novosti. A notícia você confere aqui.

“O número de abortos diminuiu... Enquanto em 2008 se praticaram 1.236.000 abortos, em 2012 a cifra foi de 935.000″, ou seja, em 2008 foram praticados 73,1 abortos por cada 100 crianças nascidas vivas, o número reduziu até 49,7 em 2012″. (Elena Baibárina – Membro do Ministério de Sanidade Russo)

É verdade que o número ainda é muito elevado, mas já existem motivos para se comemorar (300.000 vidas salvas é muita coisa). É bom lembrar que o aborto agrava o problema de esterilidade que existe não apenas na Rússia, mas em toda Europa. A Rússia intensificou a luta contra o aborto ampliando os programas de ajuda para as mulheres que se encontram em uma situação crítica. Nestes programas existem profissionais para dar amparo psicológico a família e para ajudar em outras necessidades, específicas a cada realidade. Para isso foram criados os chamados centros e despachos de ajuda psicológica e social em diversos pontos do país. E sabe o que é bacana? É ver a alegria da diretora ao dizer:

 “A maioria das mulheres assistidas, decidem finalmente não interromper a gravidez (abortar)”. (Elena Baibárina – Membro do Ministério de Sanidade Russo)

Quem dera se tivéssemos um Governo interessado em salvar vidas ao invés de matar… Sonho meu? Quem sabe nas próximas eleições…

Pax Domini

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil | O aborto e a política brasileira | Integrante de organização que luta pelos direitos de afrodescendentes afirma: A PLC 03/2013 (lei do aborto) é um lixo imposto a população mais carente. | Por que para a Igreja Católica a mulher não pode escolher entre o aborto ou não?

Por que para a Igreja Católica a mulher não pode escolher entre o aborto ou não?

gravidaA pergunta é polêmica e alvo de todo tipo de acusação por parte dos movimentos abortistas espalhados no mundo. Aliás, este tipo de mentalidade é largamente difundido pelos movimentos abortistas: A mulher é dona de seu corpo e deve optar pela “interrupção da gravidez” ou não. A Igreja Católica entende que o problema é complexo mas afirma que para uma pergunta difícil, não existe resposta fácil. Assim como o câncer não se cura com uma aspirina, um problema sério como uma gravidez indesejada não se resolve com um aborto.

Como já foi dito em textos anteriores, a Igreja entende que a vida começa na fecundação. Portanto como a Igreja Católica defende a vida, ela entende que é incoerente defender a morte de um embrião ainda que seja no seu primeiro dia. Lembre-se que a Igreja Católica não diferencia um ser humano adulto de um embrião, pois todos são seres humanos. Um aborto é um assassinato de uma vida na situação mais frágil.

Além do mais, ao abortar um filho a mãe ou o pai escolhem para ele a morte e uma dolorosa e indelével lembrança. Ainda que a “lei” lhe permita fazer isso, a escolha  entre matar seu filho no ventre materno gera um trauma que normalmente perdura por anos. Conheci muitas mulheres que fizeram abortos e que quando veem uma mãe com o bebê no colo ou em um carrinho, se recordam dolorosamente do aborto feito, ainda que há décadas. Outras mulheres, choram amargamente todos os anos no dia em que realizaram o aborto, como se fosse o aniversário de morte daquela criança que não chegou a existir. A Igreja Católica afirma que ninguém tem direito a manipular a vida e o que juridicamente legal, nem sempre é moral. 

É importante dizer que a Igreja Católica sempre se coloca a disposição de casais (casados ou não) para ajudá-los diante desta escolha. Se você está vivendo este drama, procure o padre da sua paróquia (independente de você ser católico/a ou não) e peça um aconselhamento. Na impossibilidade do sacerdote, procure a Pastoral Familiar da paróquia. Certamente eles te darão uma excelente assessoria.

Sei que muitas pessoas tem perguntas para fazer sobre o tema. Com o tempo estarei respondendo a elas.

Pax Domini

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil | O aborto e a política brasileira | Integrante de organização que luta pelos direitos de afrodescendentes afirma: A PLC 03/2013 (lei do aborto) é um lixo imposto a população mais carente.

Integrante de organização que luta pelos direitos de afrodescendentes afirma: A PLC 03/2013 (lei do aborto) é um lixo imposto a população mais carente.

niltonNilton Nascimento (favor não confundir com o cantor de MPB) é jornalista e membro da organização Negro em Movimento – organização brasileira de atuação global, sem vinculação político-partidária ou religiosa que atua de forma suprapartidária e ecumênica, buscando inspirar as pessoas a mudarem as atitudes e comportamentos em relação à questão da racialização social do Brasil. Traduzindo em miúdos, é um ativista que luta com a opressão do racismo no Brasil (que ainda existe e não é pouco). A sua luta é assegurar a igualdade econômica, política, social e educacional dos cidadãos negros do Brasil e para eliminar o preconceito e a discriminação racial através dos processos democráticos.

Hoje recebi um texto de sua autoria publicado no jornal digital “A Tarde” da Bahia na coluna opinião e devo dizer que o texto muito me alegrou e por isso peço a permissão (tanto do jornal como do autor) para reproduzir parte dele, pelo simples fato dele traduzir de forma clara (mais transparente impossível) o que a PLC 03/2013 representa para o Brasil (para ver o texto na íntegra, clique aqui). Além disso, me chamou a atenção em ver alguém de um movimento que luta pelo direito dos afrodescendentes criticar uma ação do todo poderoso PT. No geral (não pensem que é preconceito), as grandes organizações de defesa do negro tem muito vínculo com o partido da presidente Dilma e dificilmente criticam uma ação petista. Peço que leiam com atenção o texto para perceber a cilada em que entramos. Além do mais é bom ver que não são apenas os cristãos que se opõem a lei.

Voltemos. No texto ele afirma que a PLC 03/2013 foi uma das votações mais estranhas da história do Legislativo Brasileiro. Dai em diante peço permissão para mostrar aqui o texto do jornalista (os grifos são meus):

… A armação bem-sucedida partiu do próprio Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que, a pretexto de fazer uma homenagem à mulher no seu dia, 8 de março, propôs ao Presidente da Câmara, Henrique Alves, a urgência para um projeto que, nominalmente, tratava do atendimento prioritário nos hospitais à mulher vítima de violência sexual, conquanto evitasse, propositalmente, mencionar a palavra aborto. Sob esta forma, o projeto tramitou em um regime de urgência conscientemente planejado para que os parlamentares, inclusive os que são veementemente contrários ao aborto, não pudessem perceber o verdadeiro alcance da proposta, senão depois de definitivamente aprovado.

O projeto diz que todos os hospitais – sem que aí seja feita nenhuma distinção ou limitação – “devem oferecer atendimento emergencial e integral decorrentes de violência sexual, e o encaminhamento, se for o caso, aos serviços de assistência social”.

Atendimento emergencial significa o atendimento que deve ser realizado imediatamente após o pedido da mulher, não podendo ser agendado para uma data posterior; atendimento integral significa que nenhum aspecto deve ser omitido, o que se subentende que, se a vítima de violência sexual estiver grávida, deverá ser encaminhada aos serviços de aborto considerados legais, via os serviços hospitalares de assistência social. De forma sumária, o projeto não contempla a possibilidade de qualquer objeção de consciência de parte dos profissionais atendentes.

O artigo 2º define que, para efeitos desta lei, “violência sexual é qualquer forma de atividade sexual não consentida”. Basta, então, a declaração da mulher de que ela não consentiu na relação para que ela seja considerada, para efeitos legais, vítima de violência e, se estiver grávida, possa exigir a realização de um aborto, sem que seja necessária a comprovação da agressão por exame de corpo de delito. Com a lei, não será mais necessário afirmar um estupro para obter um aborto. Basta apenas a palavra da mulher e os médicos terão obrigação de aceitá-la, a menos que possam provar o contrário.

Sem querer ser alarmista e o sendo na medida da necessidade, o aborto, vendido como “direito sexual reprodutivo” da mulher pelo Estado brasileiro e pela indústria farmacêutica, é mais um lixo que o capitalismo internacional impõe às populações. Recomendado pelos manuais de fundações internacionais, a exemplo da IWHC e Fundação Ford, e pela ONU, que dão dinheiro às ONGs feministas, o aborto faz parte do propósito capitalista de individualização social que transformou a mulher em coisa e em objeto de consumo, a seu serviço. A situação chega a extremos no Brasil, onde se assiste às aberrações femininas e midiáticas das mulheres fruta: mulher melancia… mulher abacate… mulher morango…, etc.

Vem daí que o aborto é útil e necessário para liberar a mulher de compromissos tradicionais como a maternidade e a família. Não há mais lugar para cuidados com filhos em uma sociedade de indivíduos, sem valores humanistas, voltada apenas para fazer dinheiro para satisfazer a grande pança insaciável do deus Mercado. É este o propósito do PLC 03/2013 e do seu legal corolário baiano.

Volto a dizer que é interessante o texto para que se perceba que esta luta não apenas dos cristãos, mas de todos que tem bom senso e que não idolatram o governo petista. Sinceramente falando, não conheço as bases do Negro em Movimento. Pode ser que nas suas lutas existam valores consonantes e dissonantes da fé católica (não cheguei a ver o site do movimento por inteiro). Mas é importante saber a luta em defesa da vida é uma luta de todos os brasileiros, sejam eles católicos ou não.

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil | O aborto e a política brasileira

O aborto e a política brasileira

dilmaplc32013Recentemente o Brasil aprovou a Lei PLC 3/2013, agora Lei 12.845/2013 uma lei chamada de Cavalo de Tróia, pois não visa apenas cuidar da saúde da mulher, mas “abrir uma enorme brecha” jurídica para a descriminalização do aborto no Brasil. A brecha é tão grande que já se fala em descriminalização do aborto de forma prática. Em um passado recente, é importante recordar que na Campanha Eleitoral de 2010 a então candidata Dilma Roussef havia se comprometido a, se eleita, não aprovar nada que fosse relativo ao aborto e graças a esta promessa ela ganhou a eleição, pois como se sabe, o Brasil é um país laico, mas que em uma maioria professa a fé cristã, sendo a sua população totalmente contrária ao aborto (estima-se cerca de 82% dos brasileiros).

A luta contra a descriminalização do aborto não é apenas religiosa, mas sobretudo política, ideológica e econômica. Mas para você entender esta afirmação, vamos recorrer a história do Brasil em sua época mais negra.

De 31 de março de 1964 (Golpe Militar que derrubou João Goulart) a 15 de janeiro de 1985 (eleição de Tancredo Neves) vivemos a Ditadura Militar. O pais passou por um governo duro que cassava os direitos políticos dos seus opositores, repreendia os movimentos sociais e manifestações de oposição, censurava os meios de comunicação e artistas (músicos, atores, artistas plásticos), enfrentava duramente os movimentos de guerrilha e torturava os opositores ao regime. Não quero entrar aqui no mérito do regime político, até porque quase a totalidade da população brasileira (no qual me incluo) vê esta fase da história como um período triste e lamentável. Porém aqui começa a nascer uma fusão: A união dos movimentos de oposição contra a ditadura militar.

Neste período aliás surge a denominação “movimentos de esquerda”. Os mais antigos hão de se lembrar que antigamente na escola, todos eram obrigados a escrever com a mão direita, e sofriam castigos se desejassem ser “canhotos”. Por isso todo movimento considerado inimigo da ditadura era um movimento de esquerda e incluíam-se entre eles: movimentos sindicalistas, partidos comunistas, partidos socialistas, movimentos e partidos democráticos, movimentos e partidos anarquistas, movimentos de emancipação da mulher e muitos outros. Aqui misturou-se bons movimentos com maus movimentos, boas ideias com más ideias, boas ideologias com ideologias pífias. Foi aqui que o doce passou do ponto.

Ora você certamente conhece esta máxima: “O inimigo do meu inimigo é meu amigo”. Portanto em um dado momento da história, era mais do que natural que todos estes movimentos se unissem e as ideias se misturassem. E foi ai, nesta confusão de ideias de oposição que a ideologia de controle demográfico se fundiu com a noção feminista de decidir pela gravidez ou não e tantas outras ideias.

Hoje por exemplo, temos o PT – Partido dos Trabalhadores – no poder. Este surgiu da força de movimentos sindicais e traz em seus estatutos a defesa do direito da mulher (forma disfarçada de apoiar o aborto) tanto que desde que colocou no poder o Sr. Luís Inácio “Lula” da Silva, o partido deu sinais claros disso.

O PT, “fechou posição quanto à legalização do aborto ao longo do debate interno para a Constituinte, em 1987”.  Dentro do PT, “a defesa do direito ao aborto legal e seguro é uma bandeira histórica do movimento de mulheres, e portanto, das mulheres petistas, organizadas no setorial nos diversos níveis, e dos movimentos sociais. A CUT, particularmente, aprovou no seu 3º Congresso, em 1991, a defesa da legalização do aborto”.

Ademais, “ao reafirmar o socialismo petista [no III Congresso], o PT se reconcilia também com sua formulação da correlação intrínseca entre feminismo e socialismo. O PT, desde sua fundação, incorporou o feminismo como elemento fundamental de transformação da sociedade, isto porque a luta feminista desafia as estruturas do capitalismo, que oprime as mulheres nas diversas dimensões da vida social, política, econômica e cultural”.

Veja os dados abaixo:

  • 2004, o então presidente Lula assinou de próprio punho o PLANO NACIONAL DE POLÍTICA PARA AS MULHERES, onde continha como prioridade nº 3.6, envolver o poder executivo, legislativo e judiciário a fim de despenalizar o aborto. A então Ministra Nilcéia Freire revelou a conversa pessoal dela com Lula a adesão pessoal do presidente e do Partido dele pela legalização do aborto;
  • Abril de 2005 o governo Lula comprometeu-se com a ONU, em legalizar o aborto no Brasil. Registrado no IIº Relatório do Brasil sobre o Tratado de Direitos Civis e Políticos, apresentado ao Comitê de Direitos Humanos da ONU (nº45);
  • Maio de 2005 a comissão da Secretaria para a Política das Mulheres do Governo Lula, após seminário com grupos pró-aborto da ONU, começou a defender não só a legalização do aborto, mas a própria inconstitucionalidade de qualquer criminalização do aborto;
  • Agosto de 2005, o governo reconhece o aborto como Direito Humano da Mulher. Entregou ao comitê da ONU para a Eliminação de todas as Formas de Descriminalização contra a Mulher (CEDAW) documento que confirma a declaração.
  • Setembro de 2005, o governo apresentou ao Congresso o Projeto de Lei 1135/91 de autoria do Dep. José Genoíno – PT, que propunha descriminalizar o aborto até o 9º mês de gestação e por qualquer motivo.
  • Abril de 2006, a discriminação do aborto foi oficialmente incluída pelo PT como diretriz do programa de governo para o segundo mandato do Presidente Lula. O documento intitulado “Diretrizes para a Elaboração do Programa de Governo” foi oficialmente aprovado pelo PT e contém em seu texto: “…o Governo Federal se empenhará na agenda legislativa que contemple a descriminalização do aborto.”
  • Setembro de 2006, quatro dias antes do primeiro turno das eleições, em exatamente, 27 de Setembro, o próprio Presidente Lula incluiu o aborto em seu programa pessoal de governo para o segundo mandato e se compromete em legalizar o aborto no documento intitulado: “Lula Presidente: Compromisso com as mulheres, Programa Setorial de Mulheres 2007-2010”
  • Setembro de 2007, No 3º Congresso Nacional do PT, no documento intitulado: “Por um Brasil de Mulheres e Homens livres e iguais”, o Partido assumiu a descriminalização do aborto e o atendimento de todos os casos no serviço público, como programa do Partido, sendo o primeiro partido no Brasil a assumir a causa como programa.
  • Outubro de 2007A então Ministra Dilma Roussef, em entrevista gravada em vídeo para Folha de São Paulo afirma ser um absurdo que no Brasil ainda não haja a descriminalização do aborto.
  • Em Setembro de 2009 o PT puniu os dois deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso por serem contrários à legalização do aborto.
  • Com o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, o governo Lula emplacou o discurso: “legalizar o aborto é questão de saúde pública.”
  • Fevereiro de 2010 o Partido dos Trabalhadores, o presidente Lula e a então Ministra Dilma Rousseff, firmaram oficialmente, com assinaturas de próprio punho, o apoio incondicional ao 3º Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3) no qual se reafirmou a descriminalização do aborto, a retirada de símbolos religiosos das repartições públicas, a união civil homossexual, entre outros.
  • junho de 2010 o PT e os aliados boicotaram a criação da CPI do Aborto que investigaria as origens dos financiamentos por parte de organizações internacionais para a legalização e a promoção do aborto no Brasil. Por temerem ser revelado o financiamento das fundações internacionais que investem para que o aborto seja legalizado no Brasil, entre elas a Fundação Ford, Fundação Rockfeller, Fundação MacArthur, e muitas outras que já citamos aqui no blog Dominus Vobiscum.
  • O partido do governo não respeitou a própria constituição do país que declara o direito de todos à vida, não respeitou o Pacto de São José da Costa Rica do qual é signatário, onde se confirma a vida começando na concepção. (obs: O pacto de São José da Costa Rica é um pacto internacional, compromisso acima das leis nacionais, ficando abaixo apenas da Constituição Federal)
  • Em Julho de 2010, exatamente dia 16, o governo Lula assinou um documento chamado “Consenso de Brasília” que propõe a liberação completa do aborto para todos os governos da América Latina.
  • Fevereiro de 2010 – A Presidente Dilma Roussef coloca Eleonora Menicucci, feminista e militante pró-aborto, como Ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres; ela que revelou ter feito – inclusive – um curso fora do país de abortamento por sucção.

Aqui vale uma observação: O PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira –  hoje não pode e não quer ser considerado um partido de direita, mas de centro-esquerda. O “S” de sua sigla equivale a palavra “Social” que coloca de forma clara, suas raízes vinculadas ao socialismo e portanto é um partido socialista moderado. Também entre os seus existe o desejo da descriminalização do aborto, mas este (pelo que me consta) não está exposto de forma tão partidária, apenas de modo individual de cada membro do partido. Foi o Ministro José Serra no governo de Fernando Henrique Cardoso quem protagonizou uma enorme mancha na saúde pública, assinando a norma técnica para o SUS (Sistema Único de Saúde), ordenando regras para fazer abortos previstos em lei, até o 5º mês de gravidez, além da venda e do uso livre da “pílula do dia seguinte”. Portanto seria ingenuidade de nossa parte dizer que a melhor opção para conter a empreitada petista pró-aborto seria o PSDB. Um erro grave por sinal!

Infelizmente não tive acesso a um histórico tão completo do PSDB e de outros partidos quanto tive do PT, porém se algum leitor tiver estes dados em mãos, ficarei muito feliz em mostrar. Mas como se vê aqui, a polêmica que envolve o aborto não é meramente religiosa, mas ligada a lobbys de organizações internacionais e questões políticas. E fica o aviso: Cuidado com partidos que trazem o termo “Social”, “Socialista” ou “Comunista” em sua sigla, ou em suas ideologias. Provavelmente existe em seus fundamentos o desejo de descriminalização do aborto em suas metas.

Pax Domini

Fontes de pesquisa (internet): Blog do TibaMovimento endireitarBrasil MedicinaPortal Zenit de Notícias.
Referência Bibliográfica: [1] “CONTEXTUALIZAÇÃO DA DEFESA DA VIDA NO BRASIL –Como foi planejada a introdução da cultura da morte no país” – Elaborado pela Comissão em Defesa da Vida da Diocese de Guarulhos, pela Comissão em Defesa da Vida da Diocese de Taubaté, ambas compondo a Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul -1 da CNBB. // [2] “O Aborto e sua legalização”, elaborado pela presidente do movimento Pró-Vida Família, Prof. Humberto L. Vieira, ex-consultor da OMS (Organização Mundial da Saúde), consultor legislativo do Senado Federal e membro vitalício e consultor da Pontifícia Academia para a Vida, nomeado por João Paulo II. // [3] “Ubi PT, Ibi abortus” de Padre Luiz Carlos Lodi, Presidente do Pró-Vida de Anápolis.

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto? | A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil

A origem dos grandes movimentos abortistas no Brasil

12081392

Já não é possível enumerar as organizações que defendem o aborto no Brasil. Da mesma forma, também não é possível saber de onde vem o dinheiro destas organizações. Porém é possível sim traçar um histórico desta problemática no Brasil. O Movimento endireitar em seu site, fez um breve retrospecto desta empreitada abortista em nossa nação. Vou reproduzir o texto deles a minha maneira, acrescentando outros dados que encontrei em diversos outros sites.

No final dos anos 80 a América Latina foi visitada por diversas vezes por profissionais da IWHC (International Women Health Coalition) cuja tradução é: Coalizão Internacional Saúde da Mulher – Muitos destes profissionais já haviam participado do processo de elaboração do Relatório da Fundação Ford sobre saúde reprodutiva.

Eles chegaram à conclusão que o Brasil seria o país que levaria toda a América Latina a legalizar o aborto, por sua influência política e pela facilidade de criar e coordenar os grupos de pressão pró-aborto. Foram criadas então, organizações que pressionariam as políticas públicas no Brasil, após um evento realizado pela IWHC e CEPIA em 1993, no Rio de Janeiro.

Aliás cabe aqui um destaque: O ponto de partida deste grande movimento se deu com a ONG “Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação” (CEPIA) em 1990. Desde sua criação, “a CEPIA tem recebido apoio de diversas instituições, dentre as quais estão a Fundação Ford, a Fundação MacArthur, o Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), a Unicef, o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem), a Comissão Européia, o Programa de DST/AIDS do Ministério da Saúde, a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), Global Fund for Women e a OAK Foundation”. Para você ter uma ideia do trabalho desta entidade basta acessar o texto desta entidade: Manifesto em Repúdio ao Estatuto do Nascituro.

O médico José Barzelatto foi um dos expoentes desse movimento. Trabalhou na Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra de 1975 até 1989. De 1989 a 1996 atuou como Diretor do Programa de Saúde Reprodutiva e População da Fundação Ford, em Nova Iorque. De 1997 a 2006 foi Vice-Presidente da ONG norte-americana CENTER FOR HEALTH & SOCIAL POLICY (CHSP), esta ONG “se propõe” a “contribuir” com a “justiça social” e a “saúde no mundo” (muitas aspas). Desde Outubro de 2000 Barzelatto é Presidente do Fórum da Sociedade Civil das Américas. Veja aqui os dados mostrados pelo CLAM a respeito deste homem que faleceu em 2006.

Em 1997, a CEPIA e o CHSP, juntamente com 26 lideranças de ONGs de 13 países do continente, fundaram o Fórum da Sociedade Civil nas Américas. O Fórum, cuja secretaria é exercida pela CEPIA, tem por missão promover a coordenação  das ONGs da região e estabelecer estratégias conjuntas comuns. Perceba que existe uma enorme sintonia entre as empresas citadas como promotoras do aborto no mundo, e o CEPIA – que coordena as pequenas ONGs espalhadas no Brasil.

Em setembro de 2003, a socióloga Maria José Rosado, fundadora e coordenadora do grupo militante abortista “Católicas pelo Direito de Decidir”, realizou uma apresentação no Fórum da Sociedade Civil das Américas, organizado pela CEPIA e CFÊMEA, no Rio de janeiro. O texto baseado nesta apresentação, que não passa da mais cínica aplicação do duplipensar orwelliano, foi publicado no site do PT em setembro de 2006 com o título “Pensando eticamente sobre concepção, anticoncepção e aborto”. O tema tratava sobre os “Novos desafios da responsabilidade política”.

Continuo depois… Pax Domini

Fontes de pesquisa (internet): Blog do TibaMovimento endireitarBrasil MedicinaPortal Zenit de Notícias.
Referência Bibliográfica: [1] “CONTEXTUALIZAÇÃO DA DEFESA DA VIDA NO BRASIL –Como foi planejada a introdução da cultura da morte no país” – Elaborado pela Comissão em Defesa da Vida da Diocese de Guarulhos, pela Comissão em Defesa da Vida da Diocese de Taubaté, ambas compondo a Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul -1 da CNBB. // [2] “O Aborto e sua legalização”, elaborado pela presidente do movimento Pró-Vida Família, Prof. Humberto L. Vieira, ex-consultor da OMS (Organização Mundial da Saúde), consultor legislativo do Senado Federal e membro vitalício e consultor da Pontifícia Academia para a Vida, nomeado por João Paulo II. // [3] “Ubi PT, Ibi abortus” de Padre Luiz Carlos Lodi, Presidente do Pró-Vida de Anápolis.

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo | O que a ONU tem a ver com o aborto?

O que a ONU tem a ver com o aborto?

onu-abortionNão é fácil falar desse grande movimento abortista. A coisa parece tão grande, (e de fato é grande) que quando começamos a desmembrar todas as coisas, chega a parecer uma maluca teoria da conspiração. Mas não é. O que estou escrevendo de forma sintética aqui no blog está amparado em diversos documentos recolhidos ao longo dos anos por aqueles que trabalham na Defesa da Vida. A verdade é que a indústria do aborto algo é demoníaco. Digo sem medo, pois é o demônio quem luta para tirar a vida dos filhos de Deus.

Em 2004, quando ainda era missionário da Canção Nova, recebi em uma sexta feira a tarde, a missão de gravar um programa Trocando Ideias em São Paulo com o Monsenhor Michel Schooyans. A gravação seria no sábado em São Paulo pela manhã de forma que passei a noite buscando informações sobre quem era este senhor e por que ele era tão importante para realizarmos este grande esforço.

A resposta foi muito satisfatória: Michel Schooyans é Doutor em filosofia e teologia e é um sacerdote da arquidiocese de Mechelen-Bruxelas. Foi professor da Université Catholique de Louvain, professor visitante em várias universidades americanas, ex-professor da Universidade Católica de São Paulo, e tem muitos livros sobre filosofia política, as ideologias contemporâneas, as políticas populacionais e realizou várias missões no terceiro mundo. Membro da Pontifícia Academia de Ciências Sociais do Vaticano, do Instituto Real de Relações Internacionais, em Bruxelas, o Instituto de política demográfica, em Paris, o Population Research Institute, em Washington.

Na época, o Mons. Schooyans havia feito um grande trabalho junto a ONU, sobretudo quanto à política demográfica por alguns anos, a pedido do Vaticano. Suas revelações para mim foram bombásticas: A ONU quer implantar a política de controle populacional no mundo!

Segundo ele, no decorrer dos últimos quarenta anos, a ONU organizou várias grandes conferências dedicadas a programas de controle da população. Dentro das recentes, as mais conhecidas são a do Rio (1992) sobre o meio ambiente, no Cairo (1994) sobre população e desenvolvimento, de Pequim (1995) sobre a mulher.

michel-schooyans-3

Monsenhor Michel Schooyans

A do Cairo, por exemplo, elaborou um pano de ação de vinte anos para frear o crescimento da população mundial, especialmente nos países pobres. Nesta conferência, a ONU manifestou a adesão ao controle demográfico e definiu conceitos totalmente novos para o mundo, conceitos estes que já vinham sendo defendidos pelas grandes fundações internacionais.

Para executar esses programas, agências da ONU, com o Banco Mundial, o FNUAP, a Organização Mundial da Saúde, dispõem de recursos enormes, vindo dos países ricos, sobretudo dos Estados Unidos (via a USAID) e da União Européia. Contam também com a colaboração de Organizações não governamentais (ONGs), tais como a IPPF (cuja filial no Brasil é a BEMFAM) e o Population Council. Os governos nacionais dos próprios países pobres cooperam na execução desses programas, especialmente através de esterilizações em massa de mulheres. Só no Nordeste do Brasil, e já em 1992, se estimava que 37% das mulheres casadas entre 15 e 44 anos estavam esterilizadas.

Entre as novas diretrizes estabelecidas no documento de conclusão emitido pela ONU, provenientes da conferência encontram-se estas:

  • O conceito de saúde reprodutiva, considerado como algo mais do que a simples ausência de doenças;
  • O direito das mulheres ao acesso a serviços de abortos quando a prática não for contrária à lei;
  • A urgência das ONG’s, ainda que não sejam constituídas por profissionais da saúde, de cooperar e supervisionar (ou pressionar) os governos na prestação dos serviços de saúde reprodutiva (incluindo o serviço ao aborto legal);
  • Os direitos reprodutivos, que derivam do conceito de saúde reprodutiva, como um novo tipo de direito humano (que futuramente poderia incluir o direito ao aborto);

Em 1996 a ONU promoveu, informalmente, a famosa Reunião de Glen Cove, numa ilha próxima a Nova York, onde reuniu as recém criadas ONG’s e movimentos feministas. Ali se estabeleceu o plano de gradual pressão sobre os vários países, em especial sobre os da América Latina, no sentido de acusá-los de violarem os direitos humanos ao não legalizarem o aborto. Entre outras metas para implantarem o aborto no mundo estava a de conseguir fazer com que o direito ao aborto entrasse oficialmente na Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Na raiz desses programas, há uma ideologia: a ideologia da segurança demográfica. Essa reinterpreta a antiquada oposição Leste (comunista) – Oeste (capitalista) em termos de oposição Norte (rico) – Sul (países pobres). O Norte, que representa 20% da humanidade e cuja população envelhece dramaticamente e tem pavor do crescimento da população jovem do Sul, que representa 80% da humanidade. O Norte quer então conter, isto é bloquear, o crescimento da população do Sul e sonegar-lhe os saberes de ponta que abririam aos países pobres o caminho da valorização, por eles mesmo, dos seus recursos naturais.

As raízes dessa ideologia se encontram nas teses, sempre desmentidas, de Malthus (“A produção alimentícia não pode acompanhar o crescimento da população; deixemos agir a seleção natural que elimina os mais fracos”), do utilitarismo neoliberal (o homem vale o que vale o mercado), das éticas do direito ao prazer individual sem limites, da reformulação da teoria do espaço vital: O Sul é o “quintal” do Norte.

Para saber mais sobre as denúncias do Monsenhor Michel Schooyans, clique aqui

Fontes de pesquisa (internet): Blog do TibaMovimento endireitarBrasil MedicinaPortal Zenit de Notícias.
Referência Bibliográfica: [1] “CONTEXTUALIZAÇÃO DA DEFESA DA VIDA NO BRASIL –Como foi planejada a introdução da cultura da morte no país” – Elaborado pela Comissão em Defesa da Vida da Diocese de Guarulhos, pela Comissão em Defesa da Vida da Diocese de Taubaté, ambas compondo a Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul -1 da CNBB. // [2] “O Aborto e sua legalização”, elaborado pela presidente do movimento Pró-Vida Família, Prof. Humberto L. Vieira, ex-consultor da OMS (Organização Mundial da Saúde), consultor legislativo do Senado Federal e membro vitalício e consultor da Pontifícia Academia para a Vida, nomeado por João Paulo II. // [3] “Ubi PT, Ibi abortus” de Padre Luiz Carlos Lodi, Presidente do Pró-Vida de Anápolis.

Veja também:: A história de um pequeno ser humano… | A Odisséia da vida | Perguntas e respostas sobre os fetos e embriões à Luz da Igreja Católica |O que a Igreja Católica diz a respeito do aborto? | A violência dos métodos abortivos | A origem do Movimento abortista e da cultura de morte | O aborto como instrumento de controle demográfico | A Mãe do Aborto | Planned Parenthood: A Maior organização abortista do mundo