Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida!

Naquele tempo, os publicanos e os pecadores aproximavam-se de Jesus para O ouvirem. Mas os fariseus e os doutores da Lei murmuravam entre si, dizendo: “Este acolhe os pecadores e come com eles”. Jesus propôs-lhes, então, esta parábola: Qual é o homem dentre vós que, possuindo cem ovelhas e tendo perdido uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai à procura da que se tinha perdido, até a encontrar? Ao encontrá-la, põe na alegremente aos ombros e, ao chegar a casa, convoca os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida’. Digo-vos Eu: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão. Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perde uma, não acende a candeia, não varre a casa e não procura cuidadosamente até a encontrar? E, ao encontrá-la, convoca as amigas e vizinhas e diz: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a dracma perdida’. Digo-vos: Assim há alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte.

Comentário do Evangelho do dia feito por São Pedro Crisólogo (c. 406-450), bispo de Ravena, doutor da Igreja

Este homem que possui cem ovelhas é o Bom Pastor (Jo 10,11), Cristo, que havia estabelecido todo o rebanho da raça humana numa só ovelha, isto é, em Adão, a quem colocara num Paraíso de delícias, numa região de pastagens vivificantes. Mas essa ovelha, confiando nos uivos de lobos, esqueceu a voz do Pastor e, perdendo-se no caminho que conduz ao redil da salvação, achou-se toda coberta de feridas mortais. Cristo veio a este mundo procurar a ovelha perdida e recuperou-a no seio da Virgem. Ele, que veio até nós nascido da carne, colocou-a depois sobre a cruz e levou-a aos ombros da Sua Paixão. Então, cheio da alegria da Ressurreição, ergueu-a, na Sua Ascensão, até às moradas do Céu. Ele convoca os amigos e vizinhos, isto é, os Anjos, e diz-lhes: Alegrai-vos Comigo, porque encontrei a Minha ovelha perdida, e os Seus Anjos rejubilam e exultam com Cristo por causa do regresso da ovelha do Senhor. Não se irritam por vê-la sentar-se diante deles no trono de majestade, dado que a inveja não existe no Céu, de onde foi banida com o diabo, e esse pecado não poderá jamais lá reentrar graças ao Cordeiro que tira o pecado do mundo (Jo 1,29).

Irmãos, assim nos veio Cristo procurar à Terra. Procuremo-Lo no Céu. Assim nos levou Ele até à glória da Sua divindade. Levemo-Lo no nosso corpo com a santidade de toda a nossa vida.

Até o próximo post! Não se esqueça de clicar na imagem abaixo e votar!

Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  
Anúncios

Notícia:: No dia do Bom Pastor, Santo Padre ordena novos sacerdotes. Leia a homilia na íntegra.

Da Rádio Vaticana

Bento XVI presidiu na manhã deste IV Domingo de Páscoa, na Basílica de São Pedro, à Santa Missa dedicada a Jesus, Bom Pastor, na qual fez a ordenação sacerdotal de nove diáconos de sua diocese. Queremos deixar para você que visita o Dominus Vobiscum, a belíssima homilia do Pontífice na íntegra. Um texto que serve de reflexão para todos nós que somos “ovelhas” do Senhor.

Venerados Irmãos, Caros Ordenandos, Caros Irmãos e Irmãs.

A tradição romana de celebrar as Ordenações Sacerdotais neste IV Domingo de Pascoa, o domingo do Bom Pastor, contem uma grande riqueza de significado, ligada a convergência entre a Palavra de Deus, o Rito litúrgico e o tempo pascoal no qual se insere. 

Em particular, a figura do pastor, tão relevante na Sagrada Escritura e naturalmente muito importante para a definição do sacerdote, adquire sua verdade plena e clareza sob o rosto de Cristo, na luz do Mistério da sua morte e ressurreição. Esta riqueza vocês também, caros Ordenandos, poderão sempre absorver, cada dia de suas vidas, e assim o seu sacerdócio será continuamente renovado.

Este ano o trecho evangélico e aquele central do capitulo 10 de João e começa de fato com a afirmação de Jesus: Eu sou o bom pastor, da qual procede a primeira característica fundamental: o bom pastor da a própria vida pelo rebanho. Assim, somos imediatamente conduzidos ao centro, ao ápice da revelação de Deus como pastor de seu povo; este centro e ápice e Jesus, precisamente Jesus que morre na cruz e ressurge do sepulcro no terceiro dia, ressurge com toda sua humanidade, e deste modo nos envolve, cada homem, em sua passagem da morte a vida.

Este acontecimento, a Pascoa de Cristo, no qual se realiza completa e definitivamente a obra pastoral de Deus, e um acontecimento de sacrifício: por isso o Bom Pastor e o Sumo Sacerdote se encontram na pessoa de Jesus que deus a vida por todos nos.

Mas observamos brevemente também as primeiras duas leituras e o Salmo responsorial. O trecho dos Atos dos Apóstolos nos apresenta o testemunho de São Pedro diante dos chefes do povo e aos anciãos de Jerusalém, depois da prodigiosa cura do aleijado. Pedro afirma com grande franqueza que Jesus e a pedra, que foi descartada por vocês, construtores, e que se transformou em pedra fundamental; e acrescenta: Em mais ninguém esta a salvação; não há, de fato, abaixo dos céus, outro nome dado aos homens, no qual esta estabelecido que nos estamos salvos. 

O apóstolo interpreta o Salmo 118 a luz do mistério pascoal de Cristo, salmo este em que rendemos graças a Deus por responder nosso pedido de ajuda e nos manter a salvo. O Salmo diz: A pedra descartada pelos construtores, se transformou na pedra fundamental. Isso foi obra do Senhor: uma maravilha aos nossos olhos. Jesus viveu esta experiencia: de ser descartado pelos chefes de seu povo e reabilitado por Deus, colocado como fundamento de um novo templo, de um novo povo que louvará o Senhor com frutos de justiça. Então, a primeira Leitura e o Salmo responsorial, que e o mesmo Salmo 118, conduzem fortemente ao contexto pasqual, e com esta imagem da pedra descartada e restabelecida por Deus atraem o nosso olhar a Jesus morto e ressuscitado.

A segunda Leitura, extraída da Primeira Carta de João, ao invés nos fala do fruto da Pascoa de Cristo: o nosso ser transformado filho de Deus. Nas palavras de João sente-se ainda toda a surpresa por essa doação: não somente somos chamados filhos de Deus, mas somos realmente filhos de Deus. Da fato, essa condição filial do homem e o fruto da obra de salvação de Jesus: com a sua encarnação, com a sua morte e ressurreição e com o dom do Espírito Santo Ele inseriu o homem numa nova relação com Deus, a sua mesma relação com o Pai. Por isso, Jesus ressuscitado diz: Subo ao meu Pai e ao Pai de vocês, meu Deus e Deus de vocês. E uma relação plenamente real, mas que não e ainda plenamente manifestada: será no final, quando – se Deus quiser – poderemos ver o seu rosto sem véus.

Caros Ordenandos, é para lá que o Bom Pastor nos quer conduzir! E para lá que o sacerdote e chamado a conduzir os fieis a ele confiados: a verdadeira vida, a vida em abundância. Voltemos então ao Evangelho, e a parábola do pastor. O bom pastor da a própria vida pelo seu rebanho. Jesus insiste nesta característica essencial do verdadeiro pastor que e Ele mesmo: aquela de dar a própria vida. Ele a repete três vezes e no final conclui ao dizer: Por isso o Pai me ama: porque eu dei a minha vida, para depois viver novamente. Ninguém pode tira-la de mim: eu a doo de mim mesmo. Tenho o poder de dá-la e o poder de tê-la novamente. Esta e a ordem que recebi do meu Pai. Este é claramente o qualitativo de pastor assim como Jesus o interpreta em primeira pessoa, segundo a vontade do Pai que determinou.

A figura bíblica do rei-pastor, que compreende principalmente a tarefa de conduzir o povo de Deus, de mantê-lo unido e guiá-lo, toda essa função real se realiza plenamente em Jesus Cristo na dimensão do sacrifício, na oferta da vida.

Se realiza, em uma palavra, no mistério da Cruz, ou seja, no supremo ato de humildade e de amor oblativo. Diz o abade Teodoro Studita: por meio da cruz nós, ovelhas de Cristo, fomos reunidos em um só rebanho e fomos destinados a morada eterna. 

Nesta prospectiva orientam as fórmulas do Rito de Ordenação dos Presbíteros, que estamos celebrando. Por exemplo, as três perguntas sobre os compromissos dos eleitos, a última, que tem um caráter culminante e ao mesmo tempo sintético, diz assim: vocês querem estar sempre cada vez mais unidos estreitamente a Cristo sumo sacerdote, que como vitima pura se ofereceu ao Pai por nos, consagrando vocês mesmos a Deus junto com ele para a salvação de todos os homens? O sacerdote e, de fato, aquele que vem inserido de maneira singular no mistério do Sacrifício de Cristo, com uma união pessoal a Ele, para prolongar sua missão de salvação. 

Esta união, que acontece graças ao Sacramento da Ordenação, pede que seja sempre mais estreita pela generosa correspondência do próprio sacerdote. Por isso, caros Ordenandos, dentro de pouco tempo vocês vão responder essa pergunta dizendo: Sim, com ajuda de Deus, eu quero. Sucessivamente, nos ritos explicativos, no momento da unção crismal, o celebrante diz: O Senhor Jesus Cristo, que o Pai consagrou em Espírito Santo e potencia, te proteja para a santificação do seu povo e para a oferta do sacrifício. E, depois, na entrega do pão e do vinho: receba as ofertas do povo santo para o sacrifício eucarístico. Estejam cientes daquilo que vocês farão, adequa a tua vida ao mistério da cruz de Cristo Senhor. Destaca com forca que, para o sacerdote, celebrar todos os dias a Santa Missa não significa desempenhar uma função ritualista, mas executar uma missão que envolve inteira e profundamente a existência, em comunhão com Cristo ressuscitado que, na sua Igreja, continua a realizar o Sacrifício redentor. 

Esta dimensão eucarística e de sacrifício e inseparável daquela pastoral e constitui o núcleo de verdade e de forca de salvação, da qual depende a eficácia de cada atividade. Naturalmente, não falamos da eficácia somente em nível psicológico ou social, mas da fecundidade vital da presente de Deus em nível profundamente humano.

A oração, as obras e os gestos dos mais variados gêneros que a Igreja faz com suas múltiplas iniciativas, perderiam as suas fecundidades salvíficas se viessem sem a celebração do Sacrifício de Cristo. E esta e confiada aos sacerdotes ordenados. De fato, o presbítero e chamado a viver em si mesmo aquilo que Jesus experimentou em primeira pessoa, ou seja, a doar-se plenamente a oração e a cura do homem de cada mal do corpo e do espírito, e depois, no final, reassumir tudo no gesto supremo de dar a vida pelos homens, gesto que encontra sua expressão sacramental na Eucarística, memorial perpetuo da Pascoa de Jesus. 

Somente por esta porta do Sacrifício pascoal que os homens e as mulheres de todos os tempos e lugares podem entrar na vida eterna; e por meio desta via santa que podem cumprir o êxodo que conduz a terra prometida da verdadeira liberdade, aos pastos verdejantes da paz e da alegria sem fim.

Caros Ordenandos, que esta Palavra de Deus ilumine todas as suas vidas. E quando o peso da cruz se tornar um fardo ainda mais pesado, saibam que aquela será a hora mais preciosa para vocês e para as pessoas a vocês confiadas: renovando com fé e com amor o seu sim, com ajuda de Deus eu quero, vocês cooperarão com Cristo, Sumo Sacerdote e Bom Pastor, a apascentar seu rebanho – talvez aquela que estava perdida, mas pela qual se faz grande festa no Céu. A Virgem Maria, Salus Populi Romani, vele cada um de vocês e seus caminhos.

O homem, Deus e a Religião - Adquira já o seu!
Siga-nos e fique por dentro das novidades:
  

As minhas ovelhas escutam a minha voz

Do Evangelho Quotidiano

Em Jerusalém celebrava-se, então, a festa da Dedicação do templo. Era Inverno. Jesus passeava pelo templo, debaixo do pórtico de Salomão. Rodearam-no, então, os judeus e começaram a perguntar-lhe: Até quando nos deixarás na incerteza? Se és o Messias, di-lo claramente. Jesus respondeu-lhes: Já vo-lo disse, mas não credes. As obras que Eu faço em nome de meu Pai, essas dão testemunho a meu favor; mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. As minhas ovelhas escutam a minha voz: Eu conheço-as e elas seguem-me. Dou-lhes a vida eterna, e nem elas hão-de perecer jamais, nem ninguém as arrancará da minha mão. O que o meu Pai me deu vale mais que tudo e ninguém o pode arrancar da mão do Pai. Eu e o Pai somos Um. (S. João 10,22-30)

Comentário feito por Santo Agostinho, bispo de Hipona (Norte de África) e doutor da Igreja

Sendo igual ao Pai, o Filho de Deus não recebeu o poder de julgar, mas tem-no em comum com o Pai. Recebeu-o de modo a que os bons e os maus O vejam julgar, porque Ele é o Filho do Homem. O Filho do Homem será dado a ver também aos perversos, mas a visão da Sua divindade será dada apenas aos puros de coração, porque estes verão a Deus (Mt 5,8). O que é a vida eterna, se não esta visão, que será negada aos ímpios? Esta é a vida eterna: que Te conheçam a Ti, único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem Tu enviaste (Jo 17,3). Como conhecerão o próprio Jesus Cristo, senão como único Deus verdadeiro, Ele que Se revelará a todos? Ele apresentar-Se-á cheio de bondade à vista dos corações puros. Como Deus é bom para Israel, para os que têm coração puro! (Sl 72,1). Só Deus é bom. Eis a razão porque alguém que chamou ao Senhor bom mestre, pedindo-Lhe conselho para chegar à vida eterna, suscitou esta resposta: Por que Me interrogas sobre o que é bom? Ninguém é bom senão um só: Deus (Mc 10,17-18). É que este homem que O interrogou não suspeitava a Quem se dirigia e tomou-O simplesmente por um filho de homem. […] Este aspecto de que Me revisto é o aspecto do Filho do Homem, aquele que foi assumido, aquele que aparecerá aquando do juízo final, tanto aos ímpios como aos justos. […] Mas há uma visão da Minha condição divina; quando a tive, não prevaleci do fato de tal condição Me tornar igual a Deus, antes Me aniquilei a Mim mesmo para assumir a outra condição (Fil 2,6-7). Por conseguinte Ele, o Deus único, Pai, Filho, Espírito Santo, aparecerá apenas para alegria permanente dos justos.

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

  

Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim estará salvo

Do Evangelho Quotidiano

Em verdade, em verdade vos digo: quem não entra pela porta no redil das ovelhas, mas sobe por outro lado, é um ladrão e salteador. Aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas. A esse o porteiro abre-a e as ovelhas escutam a sua voz. E ele chama as suas ovelhas uma a uma pelos seus nomes e fá-las sair. Depois de tirar todas as que são suas, vai à frente delas, e as ovelhas seguem-no, porque reconhecem a sua voz. Mas, a um estranho, jamais o seguiriam; pelo contrário, fugiriam dele, porque não reconhecem a voz dos estranhos. Jesus propôs-lhes esta comparação, mas eles não compreenderam o que lhes dizia. Então, Jesus retomou a palavra: Em verdade, em verdade vos digo: Eu sou a porta das ovelhas. Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e salteadores, mas as ovelhas não lhes prestaram atenção. Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim estará salvo; há-de entrar e sair e achará pastagem. O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. (Jo 10,1-10)

Comentário feito por Guilherme de Saint-Thierry monge beneditino, posteriormente cisterciense 

Não foi somente a João, Teu discípulo bem-amado, que foi mostrada a porta aberta no Céu (Ap 4,1). Declaraste-a a todos, publicamente […]: Eu sou a porta: se alguém entrar por Mim, estará salvo. Tu, portanto, és a porta […]. Vemos a grande porta aberta no Céu, nós que estamos na terra; mas a que se nos aproveita, a nós, que não podemos subir às alturas? Paulo responde: Aquele que desceu é precisamente O mesmo que subiu (Ef 4,10). Aquele é quem? Aquele é o Amor. De facto, Senhor, o amor que está em nós sobe até Ti, nas alturas, porque o amor que está em Ti desceu até nós aqui na Terra. Porque nos amaste, desceste até aqui, junto de nós; amando-Te, elevar-nos-emos às alturas, até Ti. Pois que Tu mesmo disseste: Eu sou a porta, por Ti Te peço, abre-Te a nós, para nos mostrares, com mais evidência, de que morada és a porta. […] A morada de que és a porta, já o dissemos, é o Céu; é onde o Pai mora, de quem nós lemos: O Senhor tem nos céus o Seu trono (Sl 10,4). Eis pois por que ninguém pode ir ao Pai senão por Ti (Jo 14,6), que és a porta […]. Para Ti tendemos, pois, a Ti aspiramos. Responde, peço-Te: Mestre, onde moras? (Jo 1,38). E logo tu respondes: Eu estou no Pai e o Pai está em Mim (Jo 14,11). E noutro passo Nesse dia, compreendereis que Eu estou no Meu Pai, e vós em Mim, e Eu em vós (Jo 14,20). […] A Tua morada, portanto, é o Pai, e Tu és a do Pai. Mas não será apenas assim: porque nós somos também a Tua morada, e Tu, a nossa.

Siga-nos e fique por dentro das novidades: