Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – A nossa luta árdua e diária contra o poder das trevas

Pax Domini! Hoje quis começar, pedindo que São Miguel proteja a todo e qualquer leitor que resolver ler este texto até o fim. Até por que hoje concluiremos mais uma etapa do nosso estudo. E como disse anteriormente, este estudo trouxe para nós uma realidade dura e difícil de engolir. Por que dura e difícil de engolir?

Por que muitos de nós cristãos, acabamos fazendo da nossa vida, uma vida de barbie, onde tudo é fácil, onde eu não preciso fazer nada para ser feliz e que Deus vai me dar tudo, onde basta eu dar os meus 10% que terei prosperidade… E por ai vai.

Hoje em muitas Igrejas Cristãs e pasmem, até em muitos movimentos católicos, não se fala mais do pecado. As pessoas preferem viver iludidas da dura realidade que vivemos. Mas graças a Deus que a minha Igreja, a Igreja Católica Apostólica Romana não me ilude. Ela me mostra verdadeiramente a atual situação do mundo. Você já percebeu o quadro em que vivemos?

Esta situação dramática do mundo, que “inteiro está  sob o poder do Maligno” (1Jo 5,19), faz da vida do homem um combate: Uma luta  árdua contra o poder das trevas perpassa a história universal da humanidade. Iniciada desde a origem do mundo, vai durar até o último dia, segundo as palavras do Senhor. Inserido nesta batalha, o homem deve lutar sempre para aderir ao bem; não consegue alcançar a unidade interior senão com grandes labutas e o auxílio da graça de Deus(CIC§409)

Preste atenção na frase:

Esta situação dramática do mundo, que “inteiro está  sob o poder do Maligno” (1Jo 5,19), faz da vida do homem um combate. (CIC§409)

O Catecismo da Igreja Católica, e se você for católico precisa estar atento ao que a Igreja ensina, diz que a situação do mundo em que vivemos é dramática. Ou seja, é séria. As nossas estruturas estão abaladas pelo pecado. Os nossos governos e instituições estão abalados pelo pecado. E isso faz da nossa vida um combate.

Nós cristãos (e aqui digo não apenas os católicos), somos um povinho “persona non grata” neste mundo. Tudo que dizemos e fazemos incomoda. Por que os cristãos que vivem a verdade, simplesmente ao viver, incomodam. Ao falar incomodam. E cada vez mais, se você é radical na sua escolha por Deus, saiba disso: Você vai incomodar.

E essa luta vai durar até o momento em que Jesus Cristo retornar. Enquanto isso irmãos, precisamos viver aquilo que o Fundador da canção Nova diz sempre: Aguentar firme! Por que que as pessoas acabam não querendo ser de Deus? Muitas vezes por preferirem a porta estreita onde todo mundo passa. É povão do maré me leva maré me traz… Que espera o mundo se acabar em barranco para morrer encostado!

E você queira ou não, está dentro desse combate. Ou você opta por fazer o bem, sabendo que o bem é fazer única e exclusivamente a vontade de Deus, ou opta por fazer o mal, que muitas vezes é fazer o que os homens querem. É uma decisão sua…

Mas talvez você diga: Eu quero fazer o bem, quero fazer a vontade de Deus. Mas não consigo… sou fraco.

Digo hoje a você: Graças a Deus que você deseja fazer o bem. Então vá se preparar. Veja o soldado. Se vai para a batalha sem o devido treinamento, certamente morre logo. É preciso treinamento. Veja mais uma vez o que diz o catecismo:

Não consegue alcançar a unidade interior senão com grandes labutas e o auxílio da graça de Deus. (CIC§409)

É preciso labuta. Trabalho. Suor. Esforço. Renúncia. Treinamento. E sobretudo a Graça de Deus. Mas essa Deus derrama sobre nós a qualquer momento basta pedirmos. Mas a labuta, o trabalho, o esforço e as renúncias, essas são nossas. E Deus conta com isso! Mas onde vamos treinar isso? Na nossa casa, no nosso trabalho, com nossos amigos e parentes… Não se calando e denunciando as estruturas de pecado, renunciando aos convites para ocasiões de pecado, e sendo fieis a Deus.

Vamos lutar contra o pecado com esmero no dia de hoje?

Dominus Tecum

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – Vamos estudar o termo “O pecado do Mundo”?

Pax Domini! Antes de mais nada quero cumprimentar a todos que vêem com frequência e carinho deixando suas opiniões aqui no blog! Obrigado pela carinho! Graças a você o blog agora vem se tornando um grupo de estudo! O que sempre foi o projeto de Deus para esse blog! E como diria o Diácono Nelsinho: “… E cada vez chegando mais!”

No estudo de hoje vamos analisar o artigo 408 do Catecismo da Igreja Católica:

As conseqüências do pecado original e de todos os pecados pessoais dos homens conferem ao mundo em seu conjunto uma condição pecadora, que pode ser designada com a expressão de São João: “O pecado do mundo” (Jo 1,29). Com esta expressão quer-se exprimir também a influência negativa que exercem sobre as pessoas as situações comunitárias e as estruturas sociais, que são o fruto dos pecados dos homens. (CIC§408)

Nesses tempos onde temos estudado o pecado, percebo que os posts tem se tornado um pouco pesados, por que penso que seja natural, ao estudarmos o pecado, termos textos pesados. E hoje não será diferente. Mas calma! Em breve notícias boas! rss…

No estudo de hoje estudaremos a expressão “Pecado do Mundo”. Hoje fiiquei pensando como este termo é pesado e precisa ser entendido corretamente. Tenho uma amiga que não gosta quando usamos expressões do tipo: isso é um pensamento do mundo, ou quando dizemos, comportamento do mundo. Ela afirma que o mundo não é mal. De fato não é, pois como já estudamos, tudo o que Deus criou é bom. Mas se você recorda, Deus deu ao homem a missão de governar o mundo com justiça e sabedoria. Agora faço uma pergunta:Por acaso o mundo tem sido regido pela justiça e sabedoria?

Como estamos vendo, hoje infelizmente o mundo é regido pelo pecado. As pessoas voltaram as costas para Deus. E como cada pessoa que peca indiscriminadamente, vai tornando nesse mundo, um mundo governado pelo pecado. Por isso que falamos os termos “pecado do mundo”, “coisas do mundo”, entre outras…

Hoje esse mundo tem um Príncipe, que o próprio Jesus chama de príncipe deste mundo:

Já não falarei muito convosco, porque vem o príncipe deste mundo; mas ele não tem nada em mim. (Jo 14,30)

O príncipe deste mundo regido pelo pecado é Satanás. Mas veja, ele não é o Rei. O Rei é Jesus, e quando formos estudar escatologia (um dia chegaremos lá), vamos ver que vai chegar o dia da libertação, onde o Rei Jesus virá para governar e destituirá o príncipe deste mundo. Porém hoje é tempo de resistimos firmemente, pois o mundo que vivemos está sob a força opressora do pecado.

A boa notícia é que este mundo de pecado não é o nosso. Estamos Nele, mas não somos dele. Somos estrangeiros nesse mundo.

Em 2005-2006 eu vivi a experiência de morar em outro país. Ou seja fui estrangeiro. E só quando fui estrangeiro em terrar distantes, pude entender essa afirmação. Estando em terras estrangeiras, vivemos sob outras leis, outros costumes que não são nossos. E como é difícil! Como era bom chegar em casa e ouvir o bom e velho português. Deitar na minha cama. Comer a minha comida. Feijão com arroz…

Estou explicando isso, para dizer que não somos desse mundo governado pelo pecado. Só estamos nele. Não precisamos viver sob as regras do pecado, mas sobre as leis do Reino de Deus. Precisamos sim, vivendo a Lei de Deus que liberta, transformar esse mundo e devolver a essência Dele. Não podemos nos conformar com esse mundo, ou simplesmente desistir dele. Deus espera nossa atitude. E que seria?

Ser santo. Ser santa. Fazer da minha rua uma rua de gente de Deus. Fazer do meu bairro um bairro de Deus. Fazer da minha cidade uma cidade onde Jesus é o Senhor. E isso começa em mim e em você. Vamos juntos!?

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – Quando ignoramos o pecado

Pax Domini! No último post que fiz chamado O homem e o Pecado, a Juh de CTBA (uma queridíssima amiga do movimento RAC) fez uma pergunta muito interessante para o nosso estudo:

Será que eu posso dizer que o mundo está indo tão mal porque os homens não têm consciência dos pecados q cometem? (Juh – Ctba)

Assim que li, respondi sem medo:

É exatamente isso Ju! Vc acretou em cheio. São João diz na sua primeira carta: Mundo jaz (padece, morre) em poder do maligno (1 Jo 5,19).  Precisamos exergar a situação do mundo a partir da decisões de cada ser humamo e das suas decisões quanto sociedade. Sendo estas decisões baseadas no pecado, qual a consequência? A morte, a dor e o sofrimento.

E isso tudo só no post de ontem. Só que qual não foi a minha surpresa quando, ao ler o Catecismo da Igreja Católica, vi que o próprio Catecismo traz uma resposta mais completa ainda. Veja:

O pecado original acarreta a “servidão debaixo do poder daquele que tinha o império da morte, isto é, do Diabo”. Ignorar que o homem tem uma natureza lesada, inclinada ao mal, dá  lugar a graves erros no campo da educação, da política, da ação social e, dos costumes. (CIC§407)

É ingenuidade de nossa parte, pensar que o pecado que cometemos afeta única e exclusivamente a mim mesmo. Como a Nice de Curitiba também falou:

Cada ato, cada palavra, cada pensamento ou ação … sempre nos trará consequências! Sejam elas boas ou ruins! (Nice – Ctba)

É preciso acreditar que o pecado original nos faz muitas vezes servir ao Império da Morte, que é o Império do Mal. E dependendo do lugar que nós ocupamos na sociedade que habitamos, o estrago é grande. Se você é advogado, médico, professor, político, policial, ou seja qual for o seu ofício, é importante tomar cuidado naquilo que você defende ou propaga. Às vezes você está servindo ao mal sem perceber.

Veja por exemplo um professor que chega na sala de aula para ensinar e começa a falar de “Erros da Igreja”. Em primeiro lugar a Igreja é instituida por Deus e sempre santa. Se existe pecado, é por parte dos homens que estão nela. Como se diz: A Igreja é santa (na sua instituição) e pecadora (nos seus membros). Mas por causa de atitudes assim, tanta gente perde a fé. E olha que muitas vezes até são professores que vão a missa, que são catequistas, mas não buscam estudar e conhecer verdadeiramente sua fé. Mas às vezes querendo chamar a atenção dos alunos para si,  acabam por repassar as mesmas velhas ladainhas que os livros de história pagãos acabam escrevendo. É que falar mal, dá mais ibope do que defender. Desculpe a sinceridade se você é professor católico e faz isso, mas é pecado… e grave. Vá estudar e se informar. Leia o que a Igreja fala sobre determinado assunto. Leia Dom Estevão Bittencourt, leia os documentos da Igreja, saia do comodismo e ensine a verdade. Comodismo é pecado. Vaidade é pecado. E desculpe, mas se você é um professor que faz isso, seu pecado é gravíssimo pois afeta a fé dos outros.

Veja o policial. Sua obrigação é defender o povo. Precisa ser justo, honesto, ético. Muitos de fato o são. Mas sabemos que em todo o Brasil existem policiais que se corrompem, que mentem, que estão infiltrados no tráfico, nas propinas da vida. Quantas pessoas não são prejudicadas pelos pecados de um desses policiais. Veja o mal que a sociedade paga, pela propina que um policial corrupto recebe! Quantas famílias perderam seus filhos!

Hoje no senado e no congresso, quantas leis que estão para serem aprovados, partem do ponto de vista do pecado? Camisinhas nas escolas, lei do aborto, eutanásia, casamento homossexual… tudo isso tem como base o pecado, a ofensa a Deus. E uma sociedade que se deixa reger pelo pecado vai perecer sob o domínio do pecado.

Se o político que vota a favor dessas leis tem culpa diante de Deus, mais culpa tem a pessoa que põe esse político no poder.

Vê a roda viva que vivemos? E olha que esses são apenas alguns exemplos. Poderíamos enumerar milhares. E olhando para as nossas vidas também não poderíamos perceber o mal que causamos aos outros quando pecamos?

O pecado original acarreta a ”servidão debaixo do poder daquele que tinha o império da morte, isto é, do Diabo”. (CIC§407)

Hoje o post está polêmico. rsss. Quero ouvir os comentários…

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – O pecado do homem e o mundo

A doutrina sobre o pecado original ligada à doutrina da Redenção por meio de Cristo propicia um olhar de discernimento lúcido sobre a situação do homem e de sua ação no mundo. Pelo pecado dos primeiros pais, o Diabo adquiriu certa dominação sobre o homem, embora este último permaneça livre. (CIC§407)

Como sempre digo: Ao escrever para o blog, aprendo mais do que você que lê essas mal traçadas linhas. E ao fazer estudo, me chamou a atenção essa primeira frase: “A doutrina sobre o pecado original ligada à doutrina da Redenção por meio de Cristo propicia um olhar de discernimento lúcido sobre a situação do homem e de sua ação no mundo”.

De fato, quando conhecemos, ou melhor, quando voltamos nossos olhos para o fato que por um homem o pecado entrou no mundo e por outro homem o pecado foi vencido, nosso olhar a respeito do mundo muda. Passamos a entender por que tanto pecado, por que tanta miséria, por que tanta corrupção, por que tanto sofrimento.

Eu sempre me perguntei por que algumas pessoas ao entrarem na política, ou em cargos públicos, ou coisa parecida acabam se corrompendo, ou se deixando subornar. Não estou generalizando. Longe de mim.Sei que muita gente que trabalha na política, ou que ocupa cargos públicos não se deixam subornar e tem uma vida digna. Mas hoje em dia vemos nos jornais o casos envolvendo suborno e corrupção. É inútil tapar o sol com a peneira. Hoje percebo que a tentação é grande e a tendência também. Dai tudo começa a acontecer. A pessoa que é inclinada ao pecado, não resiste a tentação e cai. E não é apenas a tentação do ser rico. Mas é o medo da pobreza, da solidão… Tudo isso pesa! Sempre me perguntei por que ao invés de nós preferirmos o bem comum, acabamos preferindo nosso prórpio bem estar. Hoje ao estudar isso, consigo perceber a minha miséria e a miséria do outro. Somos frágeis. Hoje infelizmente precisamos concordar com o Catecismo: “Pelo pecado dos primeiros pais, o Diabo adquiriu certa dominação sobre o homem, embora este último permaneça livre”.

É nessas horas que entendo o sentido da penitência. Do jejum. Da oração. Se temos uma vida em Cristo, podemos resistir. Mas talvez você me diga: Mas conheço católicos que se deixaram subornar e corromper… Sim, eu também conheço. Mas existe uma enorme diferença entre dizer que é católico e procurar por em prática o catolicismo. Quanto mais colocarmos em prática a nossa fé, unindo nossa vida à Cristo, mas conseguiremos resistir. E caso caiamos na tentação, o importante é pedir ajuda e recomeçar. Para isso existe o sacramento da penitência.

Para aqueles que são cristãos de verdade, é preciso pedir todos os dias a graça de resistir as tentações. E isso muitas vezes dói. Custa. Renúncia é uma palavra bela, mas difícil de viver. É aquela coisa que é boa e bonita para os santos, mas dificil para mim.

Ser Cristão custa. Ser cristão exige. Deus vem em nosso auxílio? Sempre! Mas nós precisamos resistir. Dizer não. E cada vez que dizemos não ao pecado, é como se a graça de Deus entrasse mais em nós. E cada vez também o inimigo investe mais pesado. Essa é a grande luta!

Quer ser cristão? Então lute! Faça isso e Ele virá em seu auxílio!

Dominus Vobiscum

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Oração para receber a comunhão espiritual – Feita por Santo Afonso Maria de Ligório

Gostaria de deixar hoje além do estudo do dia, a oração que fiz no podcast desse estudo. Entenda como se fosse um post a mais! A oração é do Grande Santo Afonso Maria de Ligório, nascido em Nápoles, na Itália, em 1696. É conhecido como Santo Bispo e Doutor da Igreja que, se tornou pelo seu testemunho patrono dos confessores e teólogos de doutrina moral. Ele nos ensina em seu livro “Visita ao Santíssimo Sacramento e a Maria Santíssima” que todas as vezes que formos a missa e não pudermos comungar, por seja qual motivo for, ou formos visitar o Santíssimo Sacramento para fazer a nossa adoração, devemos pedir a Comunhão Espiritual.Ela consiste em desejar ardentemente receber Jesus, sem que naquele momento possa fazê-lo, e ali naquele momento receber a visita de Jesus ainda que espiritualmente. E ele nos deixa uma pequena fórmula:

“Creio ó meu Jesus, que estais presente no Santíssimo Sacramento. Amo-vos sobre todas as coisas e desejo-vos possuir em minha alma. Mas como agora não posso receber-vos sacramentalmente, vinde espiritualmente ao meu coração. E, como se já vos tivesse recebido, uno-me inteiramente a vós; não consintais que de vós me aparte”. (Santo Afonso Maria de Ligório).

Ele nos conta que A Beata Agata da Cruz, fazia essa oração 200 vezes por dia. Sempre ao entrar na Capela. Que você copie e guarde essa oração consigo, para rezá-la sempre que entrar em uma Igreja para adorar o Santíssimo Sacramento.

Pax Domini

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – Podcast: As consequências do pecado no mundo

Pax Domini! Chegamos com mais um podcast que abre nosso estudo. Continuamos falando sobre o pecado, mas hoje damos mais um passo: Vamos falar sobre as consequências do pecado no mundo.

Será que seu pecado pode interferir na sociedade? Aquilo que você faz, e ofende o coração de Deus interfere na vida das pessoas que estão ao seu redor? Você sabe o que São João chama de “pecado do mundo”? Já ouviu falar de pecado social?

Essas e outras respostas você encontra nessa catequese! E para completar tudo isso, uma belíssima oração de Santo Afonso Maria de Ligório, para as pessoas que não podem comungar e para quem vai fazer Adoração ao Santíssimo Sacramento. Nela você pode pedir a Deus a sua comunhão espiritual! Imperdível

Obs.: Vale a pena salientar que este podcast ainda era do tempo em que eu fazia parte da Comunidade Canção Nova. Alguns endereços e dados de datas e locais já não são mais válidos, porém o conteúdo do ensino é super atual!

Ouça este podcast aqui, acessando o player abaixo

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – Resumo do Estudo

 

Estamos finalizando mais uma parte do nosso estudo. Vale a pena fazer aqui, um resumo para que possamos fixar aquilo que aprendemos. Em breve estaremos com mais um podcast, iniciando a nova etapa. Mas vamos as coisas mais relevantes do estudo que fizemos e que precisam ser fixadas:

A primeira coisa: O Catecismo nos ensina que à sua descendência, Adão e Eva os invés de transmitirem a graça que receberam de Deus de santidade e justiça originais, pecaram e por sua vez, transmitiram a natureza humana ferida por seu primeiro pecado, portanto privada da santidade e da justiça originais. Esta privação é denominada “pecado original”.

O que é o pecado original?

O pecado original, no qual todos os homens nascem, é o estado de privação da santidade e da justiça originais. É um pecado por nós “contraído” e não “cometido”; é uma condição de nascimento e não um ato pessoal. Por causa da unidade de origem de todos os homens, ele transmite-se aos descendentes de Adão com a natureza humana, “não por imitação mas por propagação”. Esta transmissão permanece um mistério que não podemos compreender plenamente.

Que outras consequências provoca o pecado original?

Em consequência do pecado original, a natureza humana, sem ser totalmente corrompida, fica ferida nas suas forças naturais, submetida à ignorância, ao sofrimento, ao poder da morte, e inclinada ao pecado. Tal inclinação é chamada concupiscência.

Importante: Afirmamos, como católicos, com o Concílio de Trento, que o pecado original é transmitido com a natureza humana, ‘não por imitação, mas por propagação’, e que ele é, portanto, próprio de cada um, e rejeitamos toda e qualquer idéia que seja fora do que o Concílio nos ensinou!

Pax Domini

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – O que a Reforma Protestante tem a ver com o nosso estudo?

Pax Domini! Aqui no blog DOMINUS VOBISCUM, eu sempre evito falar sobre outras doutrinas e religiões. Mas no artigo específico que estamos tocando, faz referência a um ponto contestado por Martin Lutero e outros reformadores na época da chamada “Reforma Protestante” (que para mim, de reforma não teve nada). O catecismo afirma no parágrafo 406 que:

Os primeiros Reformadores protestantes, ao contrário, ensinavam que o homem estava radicalmente pervertido e sua liberdade anulada pelo pecado original: identificavam o pecado herdado por cada homem com a tendência ao mal (“concupiscentia”), que seria insuperável. (CIC§406)

Assim como o pelagianismo foi duramente combatido no século V, Essa afirmação também foi duramente combatida no século XV. Se o pelagianismo deixava “as rédeas frouxas” para o pecador, a Reforma Protestante jogava um peso demasiado ao homem, impossibilitando-o de lutar. Em outras palavras, os reformadores protestantes afirmavam que o homem é mal mesmo, e que não pode dizer não ao pecado, que não tem força nenhuma para lutar nem para dizer não ao pecado.

A Igreja se reuniu para estudar e no Concílio de Trento afirmou que o pecado original debilita o homem, enfraquece o homem, mas ao sermos remidos no batismo, podemos sim lutar contra as marcas que o pecado original causou em nós.

A vontade humana não é meramente passiva nem escrava do pecado, mas é chamada a colaborar com a graça de Deus. (Concílio de Trento)

Hoje infelizmente nós católicos temos permitido que muito da doutrina protestante entre em nossas Igrejas, paróquias, grupos e movimentos. Digo infelizmente não por que a Doutrina Protestante seja assim tão má ou diabólica, mas por que ao invés de estudarmos com mais vontade a Doutrina Católica, vemos muitos cristãos se deixando levar por coisas que são diferentes da doutrina que dizemos professar. E o grande problema é que o católico que se abre a doutrina protestante, geralmente é um católico que não conhece a doutrina católica…

Tem muito católico por ai que pensa assim: Sou pecador mesmo, não tenho como vencer o pecado então vou deixar isso pra lá e vou viver só pensando em Deus e em fazer o bem. Deus sabe que não tenho forças mesmo… então… Isso é nada mais, nada menos que doutrina protestante inserida em nosso meio. Precisamos sim lutar e vencer, juntamente com a graça de Deus o pecado. Podemos vencer as tentações em Cristo Jesus, pois Ele venceu o pecado. Se somos batizados em Cristo Jesus, se somos um com Ele,podemos vencer! Se cairmos, precisamos imediatamente buscar a confissão e recomeçar a luta.

É isso que a Igreja ensina, e é isso que precisamos buscar!

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – Você sabe o que foi o pelagianismo? Isso tem a ver com nosso estudo sabia?

O Catecismo da Igreja Católica fala no parágrafo 406 que a Doutrina do Pecado Original foi muito estudada no século V, em virtude do pelagianismo… 

A doutrina da Igreja sobre a transmissão do pecado original adquiriu precisão sobretudo no século V, em especial sob o impulso da reflexão de Santo Agostinho contra o pelagianismo (CIC§406)

O pelagianismo é uma heresia, atribuída a Pelágio, um monge bretão do século V. Esse homem afirmava que todo homem nasce moralmente neutro, e que é capaz, por si mesmo, sem qualquer influência externa, de converter-se a Deus e obedecer à sua vontade, quando assim o deseje.

No século V, Pelágio havia debatido ferozmente com Santo Agostinho sobre este assunto. Santo Agostinho, que escreveu um documento contra o pelagianismo, afirmava que o pecado original de Adão foi herdado por toda a humanidade e que, mesmo que o homem caído retenha a habilidade para escolher, ele está escravizado ao pecado e não pode não pecar, muito embora com sua luta e com a Graça de Deus ele possa minimizar seus pecados. Por outro lado, Pelágio insistia que a queda de Adão afetara apenas a Adão, e que se Deus exige das pessoas que vivam vidas perfeitas, Ele também dá a habilidade moral para que elas possam fazer assim. Ele reivindicou mais adiante que a graça divina era desnecessária para salvação, embora facilitasse a obediência.

Para Santo Agostinho, todos, inclusive os que nascem de um matrimônio de cristãos, devem ser regenerados pelo batismo, ao qual chama “banho de regeneração”, já que diferentemente dos pecados pessoais, o pecado original se contrai do pais:

“…declararei, segundo a fé católica, que qualquer que seja o seu nascimento, [as crianças] são inocentes no que diz respeito aos pecados pessoais e culpadas em razão do pecado original” (Contra Iulianum Pelagianum III, XXIII, 52).

Para o Santo, a heresia pelagiana é extremamente grave por negar às crianças o revestimento de Cristo.

“Este nosso adversário, afastando-se da fé apostólica e católica com os pelagianos, não quer que os que nascem estejam sob o domínio do diabo, para que as crianças não sejam levadas a Cristo, arrancadas do poder das trevas e levadas para o Seu reino. E especialmente acusa a Igreja espalhada pelo mundo inteiro, onde todas as crianças durante o batismo recebem em todas as partes o rito da insuflação não por outra razão senão para lançar para fora delas o príncipe do mundo, sob o domínio necessariamente estão os vasos de ira desde que nascem de Adão e não renascem em Cristo; [renascidas em Cristo,] são transladadas para o Seu Reino, já que se tornam vasos de misericórdia pela graça” (Contra Iulianum Pelagianum II, XVIII, 33).

O resultado dessa discussão teve fim no ano de 529, no Concílio de Oranges, e a Igreja deu razão a Santo Agostinho. Pelágio por sua vez, não abriu mão da sua crença herege e por isso acabou sendo excomungado junto com muitos de seus seguidores.

Dominus Vobiscum

Siga-nos e fique por dentro das novidades:

Estudo sobre o pecado e a queda do Homem – O Pecado Original pode me levar ao inferno?

Fazendo o estudo sobre as consequências do pecado, chegamos a um determinado ponto que talvez você venha a se perguntar (ou até a me perguntar): O pecado original pode me levar para o inferno? Se eu vivesse a vida toda sem cometer um pecado sequer, eu iria para o inferno apenas por causa do pecado original?

Bom antes de tudo é preciso dizer que, é praticamente impossível que uma pessoa passe a vida inteira sem pecar. Até os grandes santos pecaram. Os únicos que nós católicos acreditamos que passaram por esta vida sem pecado são Nosso Senhor Jesus Cristo e a Virgem Santíssima. Porém, se (e ai estamos trabalhando com uma hipótese) a pessoa vivesse a vida inteira sem pecar, ela não iria ao inferno apenas pelo pecado original. Agora, é preciso dizer que, ao receber na confissão a remissão dos pecados, você passa a viver, a partir daquele momento, sem nenhum pecado a prestar contas a Deus (por isso devemos nos confessar sempre). O próprio Catecismo da Igreja Católica no parágrafo 405, afirma que o pecado original não nos leva para o inferno. Veja:

Embora próprio a cada um, o pecado original não tem, em nenhum descendente de Adão, um caráter de falta pessoal. É a privação da santidade e da justiça originais. (CIC§405)

Ou seja, a pessoa não é culpada do pecado original, muito embora o carregue em si. Todavia, o pecado original deixa em nós sequelas, que nos arrastam a outros pecados. Por exemplo, a preguiça, o orgulho, a vaidade, a sexualidade desregrada… E esses pecados sim, podem nos levar ao inferno. Isso nos ensina também Catecismo:

A natureza humana não é totalmente corrompida (pelo pecado original): ela é lesada em suas próprias forças naturais, submetida à ignorância, ao sofrimento e ao império da morte, e inclinada ao pecado (esta propensão ao mal é chamada “concupiscência”). (CIC§405)

Por isso que nosa luta e todo nosso esforço devem ser focados nas tendências que portamos, ou seja, nas nossas concuspciências. Lutar contra o pecado é lutar contra as nossas vontades de pecar. Essa é a nossa luta maior!

O Batismo, ao conferir a vida da graça de Cristo, apaga o pecado original e faz o homem voltar para Deus. Porém, as conseqüências de tal pecado sobre a natureza, enfraquecida e inclinada ao mal, permanecem no homem e o incitam ao combate espiritual. (CIC§405)

É justamente ai que se trava a batalha. Por que o inimigo de Deus, que deseja nos derrubar, atua nas nossas concupsciências. Ele nos coloca em situações, mexe com as nossas vontades… Ele não tem o poder de nos forçar ao pecado. Mas nos oferece o pecado. Igual a uma pessoa que na hora do almoço, vê passar (e sente o cheiro) um delicioso sanduiche perto do seu nariz… Igual a alguém que tem a tendência a ser grosso e estúpido e vai trabalhar em um ambiente tenso… Hora, se você tem a tendência mas não peca, então você está vivendo o que deve viver. Mas se você peca, o faz conscientemente. E ai sim a partir do seu ato, você passa a ser responsável diante de Deus e dos homens pela ofensa cometida.

Hoje precisamos lutar contra a nossas concupsciências! Vamos juntos?

Siga-nos e fique por dentro das novidades: